Daily Archives: 19 de Abril de 2018

COLEÇÃO KEN RUSSELL: UM DOS LANÇAMENTOS DO ANO, COM 6 FILMES DO DIRETOR

COM 4 DISCOS, CARDS E INÚMEROS EXTRAS, O BOX RESGATA 6 LONGAS DO CINEASTA BRITÂNICO ENTRE OS ANOS 70 E 80 – INCLUINDO O SEMINAL “OS DEMÔNIOS”, A ÓPERA-ROCK “TOMMY” E O INÉDITO EM DVD “O NAMORADINHO”.

Vanessa Redgrave em “Os Demônios” (1971), perturbador clássico do cinema inglês incluído na coleção

Ken Russell, nome artístico de Henry Kenneth Alfred Russell, nasceu em 3 de julho de 1927, em Southampton, (Hampshire, Inglaterra) e faleceu em 27 de novembro de 2011, aos 84 anos.

Egresso da rede de Tv BBC, onde realizou inúmeros docudramas romanceando a vida de artistas famosos (Frederick Delius, Debussy, Isadora Duncan, Henri Rousseau, Dante Gabriel Rossetti), Russell estreou na direção de longa-metragem com “French Dressing” em 1964, seguido pelo thriller de espionagem “O Cérebro de um Bilhão de Dólares” (1967), com Michael Caine.

Seu terceiro longa, “Mulheres Apaixonadas“, causou furor em sua estreia na Inglaterra, em 1969, ao tornar explícitas as passagens mais ousadas e polêmicas do clássico homônimo escrito por D.H. Lawrence. O filme lhe valeu sua primeira (e única) indicação ao Oscar.

Mulheres Apaixonadas” (1969), vencedor do Oscar de melhor atriz para Glenda Jackson (à esquerda)

Premiado no Festival de Veneza e pelo National Board of Review (EUA), “Os Demônios” (1971) se tornou o trabalho mais controverso do diretor, explorando temas explosivos como histeria religiosa, perseguição política e a relação entre Igreja e Estado.

Historiadores divergem sobre a verdade por trás dos fatos que inspiraram a produção baseada na peça homônima de John Whiting, e em extensa pesquisa realizada por Aldous Huxley para seu romance “Os Demônios de Loudun”.

Permeado por sequências fortes de nudez e violência, o filme de Russell causou escândalo na época de seu lançamento e levou a Warner a cortar várias cenas, o que não impediu seu banimento em vários países. Misto de horror e drama histórico, “Os Demônios“, mais do que lidar com possessão, trata mesmo é do perigoso uso da religião pelo Estado.

Ken Russell no set de “Os Demônios” (1971)

A carreira do excêntrico diretor continuou com uma série de cinebiografias, abordando de maneira extravagante a vida dos compositores Tchaikovsky (“Delírio de Amor”, 1971), Gustav Mahler (“Mahler“, 1974) e Franz Liszt (no insano “Lisztomania”, 1975), além do escultor francês Henri Gaudier-Brzeska (“O Messias Selvagem”, 1972) e do astro do cinema mudo Rudolph Valentino (“Valentino – O Ídolo, o Homem“, 1977).

Russell desconcertou público e crítica com seus filmes repletos de energia, e ao mesmo tempo atuações exageradas, nudez gratuita, violência estilizada e sequências fantasiosas em ritmo de videoclipe, quase sempre exaltando a sexualidade de seus personagens.

KEN RUSSELL

No formato digipak com 4 discos, o box inclui 6 produções originais do enfant terrible do cinema inglês: O NAMORADINHO (The Boy Friend, 1971), um de seus trabalhos mais comportados, indicado ao Oscar de trilha sonora; OS DEMÔNIOS (1971), estrelado por Oliver Reed e Vanessa Redgrave, proibido em vários países e lançado em diferentes versões; o musical TOMMY (1975), baseado na a ópera-rock da banda The Who; VALENTINO – O ÍDOLO, O HOMEM (1977), fracasso com Rudolf Nureyev e Leslie Caron; CRIMES DE PAIXÃO (1984), thriller sexual com Kathleen Turner no papel de uma estilista que se prostitui à noite; e GÓTICO (1986, lançado como “Gothic” no Brasil), um de seus filmes mais malucos, misturando fantasia, terror e a biografia de escritores.

Edição limitada com 6 cards e mais de 2 horas de extras.

“Eu sei que meus filmes perturbam as pessoas. Eu quero perturbar as pessoas.”  Ken Russell (1927–2011)

DISCO 1:

OS DEMÔNIOS (The Devils, 1971, 107 min)
Com Vanessa Redgrave, Oliver Reed, Dudley Sutton.

Com sofisticados cenários criados pelo cineasta Derek Jarman (de “Caravaggio”) e atuações viscerais de Oliver Reed e Vanessa Redgrave, o filme continua perturbador, explorando temas fortes como histeria religiosa, perseguição política e a relação entre Igreja e Estado.

DISCO 2:

TOMMY (Idem, 1975, 111 min)
Com Roger Daltrey, Ann-Margret, Oliver Reed.

Indicado ao Oscar de melhor atriz (Ann-Margret) e música, o longa é uma alucinante transposição da ópera-rock do disco homônimo criado pelo The Who. Além da banda, o elenco conta com a participação de nomes como Elton John, Eric Clapton, Tina Turner e até Jack Nicholson, que canta neste musical que antecipou a estética do videoclipe.

CRIMES DE PAIXÃO (Crimes of Passion, 1984, 107 min)
Com Kathleen Turner, Anthony Perkins, Bruce Davison.

Um homem em crise no casamento aceita um trabalho extra e acaba se envolvendo com Joana, uma mulher de vida dupla. Durante o dia, ela é uma estilista focada no trabalho e, à noite, uma prostituta perseguida por um reverendo louco. Thriller erótico com Kathleen Turner e Anthony Perkins (o Norman Bates de “Psicose”) em papéis barra-pesada.

DISCO 3:

VALENTINO – O ÍDOLO, O HOMEM (Valentino, 1977, 128 min)
Com Rudolf Nureyev, Leslie Caron, Michelle Phillips.

Em 1926, a morte da lenda do cinema mudo, aos 31 anos, levou inúmeras de suas fãs a irem às ruas em revolta e até mesmo a cometerem suicídio. Este era Rudolph Valentino, um dos maiores galãs de Hollywood. Cinebiografia ao estilo barroco de Russell, com seus tradicionais excessos e liberdades históricas.

GÓTICO (Gothic, 1986, 87 min)
Com Gabriel Byrne, Julian Sands, Natasha Richardson.

Em 1816, o poeta Percy Shelley visita seu amigo Lord Byron, também poeta, que vive auto-exilado na Suiça. Byron incita os visitantes – entre eles, Mary Shelley (antes de escrever “Frankenstein”) e o Dr. Polidori (autor de “O Vampiro”) a usar a imaginação e criar histórias de horror, desafiando amarras religiosas e os maiores temores de cada um.

DISCO 4:

O BOYFRIEND – O NAMORADINHO (The Boy Friend, 1971, 36 min)
Com Twiggy, Christopher Gable, Max Adrian.

Polly é assistente de palco em uma companhia de teatro e acaba substituindo a atriz principal de um musical. Na plateia está um importante diretor de Hollywood, que decide contratá-la. Homenagem aos musicais dos anos 1920 – e especialmente o trabalho do coreógrafo Busby Berkeley -, com Twiggy, famosa modelo dos anos 1960, premiada com dois Globos de Ouro.

EXTRAS:

* Director of the Devils: Documentário sobre o filme “Os Demônios” (21 minutos)
* No set de “Os Demônios” (7 min.)
* Entrevista com Ken Russell (13 min.)
* Entrevista com Julian Sands (17 min.)
* Cenas deletadas de “Crimes de Paixão” (19 min.)
* Orson Welles: Relembrando Rudolph Valentino (17 min.)
* All Taling… All Singing… All Dancing (8 min.)