2001 Vídeo

“DUNKIRK” E “COMO NOSSOS PAIS”, DOIS DESTAQUES DE 2017

PRESENTE EM INÚMERAS LISTAS DE MELHORES FILMES DO ÚLTIMO ANO, O ÉPICO DE GUERRA DE CHRISTOPHER NOLAN CONCORRE A 8 PRÊMIOS BAFTA E É UM DOS FAVORITOS AO OSCAR 2018. “DUNKIRK” ACABA DE SAIR EM DVD, BLU-RAY E BD EM EDIÇÃO ESPECIAL STEELBOOK REPLETO DE EXTRAS.

JÁ “COMO NOSSOS PAIS“, TAMBÉM ACLAMADO PELA CRÍTICA, FOI O GRANDE VENCEDOR DO FESTIVAL DE GRAMADO.

Aclamado por crítica e público e com mais de US$ 500 milhões arrecadados ao redor do mundo, ”Dunkirk” é mais um sucesso na carreira do diretor e roteirista Christopher Nolan (“A Oridem”, “Interestelar“).

Um dos favoritos ao Oscar 2018, principalmente nas categorias técnicas, o longa de guerra concorreu ao Globo de Ouro nas categorias de melhor filme (drama), diretor e trilha sonora, e recebeu 8 nomeações ao Bafta. E Christopher Nolan acaba de ser indicado ao Sindicato dos Diretores dos Estados Unidos (Directors Guild of America – DGA).

Dunkirk” recria a Operação Dínamo, que consistiu na evacuação de cerca de 340 mil soldados ingleses e aliados encurralados por tropas nazistas na cidade costeira de Dunquerque, na França, em 1940. Com ação incessante e poucos diálogos, Nolan criou um filme sensorial sobre a experiência – e o horror – dos soldados encurralados na praia, à mercê dos ataques aéreos dos alemães.

Como em outros trabalhos do diretor (“Amnésia”, “A Origem”), o tempo é fragmentado na narrativa, alternando ações que transcorrem em terra ao longo de uma semana; com os soldados aguardando por seu resgate na praia; no mar, ao longo de um dia, pelo ponto de vista de uma embarcação civil; e no ar, ao longo de uma hora, na qual os aviões Spitfires da RAF (Força Áerea Real) – um deles pilotado por Tom Hardy – enfrentam os inimigos.

Esses três momentos vão se entrelaçando até convergir no final, com a ação simultânea no ar, no mar e em terra, ao som da eletrizante trilha de Hans Zimmer. Com Kenneth Branagh, Tom Hardy, Mark Rylance e o ex-One Direction Harry Styles no elenco, o filme não celebra os vencedores de uma guerra, mas a luta de seus combatentes para sobreviver.

EXTRAS DAS EDIÇÕES EM BLU-RAY: 

Junte-se ao diretor Christopher Nolan e a seu time na sua jornada épica para recriar o milagre de Dunkirk. Equipados com câmeras de grande formato, efeitos inovadores, frotas aéreas e navais históricas e grupos de atores, os produtores precisaram superar desafios imensos para criar uma precisa, autêntica e emocionante experiência cinematográfica.

E CONHEÇA TAMBÉM O CLÁSSICO:
Dunkirk (O Drama de Dunquerque, 1958) 

Novo trabalho de Laís Bodanzky, diretora de “Bicho de Sete Cabeças”, que reflete sobre os anseios e desafios da mulher contemporânea. Selecionado para a Mostra Panorama Especial no 67ª Festival de Berlim, foi o grande vencedor do Festival de Gramado 2017, com 6 Kikitos: melhor filme, direção, atriz (Maria Ribeiro), ator (Paulo Vilhena), atriz coadjuvante (Clarisse Abujamra) e montagem.

Escrito por Bodanzky em parceria com Luiz Bolognesi, o longa esmiuça o cotidiano de Rosa (Maria Ribeiro), uma mulher que se desdobra entre a rotina familiar, mãe de duas filhas, e o trabalho. Sua vida passa por uma reviravolta ao descobrir que é fruto de uma relação extraconjugal da mãe (papel de Clarisse Abujamra), enquanto enfrenta um casamento em crise com o antropólogo Dado (Paulo Vilhena).

“A revolução das mulheres (…) começa dentro de você, com suas pequenas atitudes em casa, na escola, com seus filhos, no seu trabalho. (…) E já começou!”.  Laís Bodanzky

Um filme cada vez mais atual – e obrigatório para refletirmos sobre o empoderamento feminino, a obsolescência da estrutura familiar patriarcal e a construção de uma sociedade melhor.

CINEMA POLICIAL É NA 2001, COM 4 COLEÇÕES DA VERSÁTIL

OS BOXES CINEMA POLICIAL VOL.1 E 2 REÚNEM, EM 2 DISCOS CADA, CLÁSSICOS DO GÊNERO COMO “CAÇADOR DE MORTE” E OS CULTS BRITÂNICOS “CARTER, O VINGADOR” E “CAÇADA NA NOITE”. E NÃO PERCA TAMBÉM OS 2 VOLUMES DE BLAXPLOITATION, SEMINAL MOVIMENTO PROTAGONIZADO POR ARTISTAS AFRO-AMERICANOS NOS ANOS 1970.

CINEMA POLICIAL

O DVD duplo reúne 4 clássicos dirigidos por nomes como Michael Mann, Walter Hill, Peter Yates e Don Siegel e estrelados por astros como Robert Mitchum, James Caan e Walter Matthau, além de uma hora de vídeos extras.

DISCO 1:

PROFISSÃO: LADRÃO (Thief, 1981, 125 min.)
De Michael Mann. Com James Caan, Tuesday Weld, Willie Nelson, James Belushi.

Decidido a mudar de vida, um ladrão especialista em roubar joias resolve participar de um último crime, aceitando a proposta de uma quadrilha. Indicado à Palma de Ouro no Festival de Cannes, este policial neo-noir foi aclamado pela crítica e pôs no mapa de Hollywood o nome de Michael Mann.

CAÇADOR DE MORTE (Driver, 1978, 91 min.)
De Walter Hill. Com Ryan O’Neal, Bruce Dern, Isabelle Adjani.

Em clima de filme noir, detetive obcecado persegue especialista em dirigir carros para quadrilhas durante assaltos. Com ótimo roteiro e eletrizantes perseguições de carro, este policial do especialista Walter Hill (“48 Horas”) foi uma das inspirações do cult “Drive” (2011) com Ryan Gosling.

DISCO 2:

O HOMEM QUE BURLOU A MÁFIA (Charley Varrick, 1973, 110 min.)
De Don Siegel. Com Walter Matthau, Joe Don Baker, Felicia Farr.

Charley Varrick e seus amigos roubam um banco de uma cidadezinha e ficam surpresos com a quantidade de dinheiro. Mal imaginam que o dinheiro é da Máfia. Atmosférico e tenso policial do mestre Don Siegel (“Perseguidor Implacável”).

OS AMIGOS DE EDDIE COYLE (The Friends of Eddie Coyle, 1973, 102 min.)
De Peter Yates. Com Robert Mitchum, Peter Boyle, Richard Jordan.

Para diminuir o tempo de sua pena, um criminoso de Boston decide entregar seus comparsas. Peter Yates, o diretor de “Bullitt”, realiza um drama policial revisionista com grande atuação de Robert Mitchum (“Fuga do Passado”).

EXTRAS:
* Especiais sobre os filmes (56 min.)
* Trailers (4 min.)

CINEMA POLICIAL VOL. 2 – ED. LIMITADA COM 4 CARDs

No formato digistack, o box traz 4 filmes policiais inéditos estrelados por astros como Michael Caine, Walter Matthau, Bob Hoskins e Roy Scheider, além de quase uma hora de vídeos extras. Destaque para dois policiais ingleses: “Carter, o Vingador” e “Caçada na Noite”, que figuram em inúmeras listas de melhores filmes britânicos de todos os tempos.

DISCO 1:

CARTER, O VINGADOR (Get Carter, 1971, 112 min.)
De Mike Hodges. Com Michael Caine, Ian Hendry, Britt Ekland.

Quando seu irmão morre em circunstâncias misteriosas num acidente de carro, Jack Carter, um gângster de Londres, viaja a Newcastle para investigar. Marco do cinema inglês, o filme virou cult e imortalizou Michael Caine no papel-título.

O SEQUESTRO DO METRÔ (The Taking of Pelham 1 2 3, 1974, 104 min.)
De Joseph Sargent. Com Walter Matthau, Robert Shaw, Martin Balsam.

Em Nova York, homens armados sequestram um vagão do metrô e exigem um resgate para libertar os passageiros. Um dos pontos altos do cinema policial dos anos 1970, o filme foi refilmado com Denzel Washington em 2009, sob o título “O Sequestro do Metrô 123”.

DISCO 2:

ESQUADRÃO IMPLACÁVEL (The Seven-Ups, 1973, 103 min.)
De Philip D’Antoni. Com Roy Scheider, Tony Lo Bianco, Victor Arnold.

Ao sair no encalço de quem matou seu parceiro, detetive de um esquadrão de elite da polícia de Nova York descobre uma conspiração. Dirigido pelo produtor de Operação França, o filme merece ser conhecido, sobretudo pelas sensacionais perseguições de carro.

CAÇADA NA NOITE (The Long Good Friday, 1980, 114 min.)
De John Mackenzie. Com Bob Hoskins, Helen Mirren, Paul Freeman.

Um poderoso gângster londrino tem seu império ameaçado pelo surgimento de um rival desconhecido e poderoso. Brutal e com ecos shakespearianos, essa obra-prima do cinema inglês conta com grandes atuações de Bob Hoskins e Helen Mirren.

EXTRAS:
* Especiais sobre os filmes (38 min.)
* Trailers (11 min.)

EDIÇÃO LIMITADA COM 4 CARDs:

BLAXPLOITATION

DVD duplo com clássicos do pulsante cinema negro norte-americano dos anos 1970 em inéditas versões restauradas, além de uma hora de vídeos extras, incluindo documentário sobre o gênero e uma entrevista com a icônica Pam Grier.

Espécie de subgênero, cinema “blaxploitation” surgiu sintonizado com as transformações sociais e políticas captadas pela Nova Hollywood, tendo como publico alvo, principalmente, os negros norte-americanos. A palavra é uma junção de black (“negro”) e explotaition (“exploração”).

DISCO 1:

A MÁFIA NUNCA PERDOA (Across 110th Street, 1972, 101 min.)
De Barry Shear. Com Anthony Quinn, Yaphet Kotto, Anthony Franciosa.

Uma dupla policial de Nova York persegue dois bandidos amadores que tentam roubar a máfia e com isso gerar uma guerra entre gangues. O sensacional tema musical de Bobby Womack para o filme foi utilizado por Quentin Tarantino em “Jackie Brown”.

TRUCK TURNER (Idem, 1974, 91 min.)
De Jonathan Kaplan. Com Isaac Hayes, Yaphet Kotto, Alan Weeks.

Após uma perseguição que termina na morte de um criminoso, o caçador de recompensas Truck passa a ser perseguido pela viúva da vítima. O cantor Isaac Hayes estrela esse clássico blaxploitation super estiloso.

DISCO 2:

COFFY: EM BUSCA DA VINGANÇA (Coffy, 1973, 91 min.)
De Jack Hill. Com Pam Grier, Booker Bradshaw, Robert DoQui.

Coffy é uma enfermeira que, após presenciar a morte de sua irmã mais nova por causa das drogas, sai pelas ruas em busca de vingança, caçando traficantes, policiais corruptos e cafetões. Um dos mais icônicos filmes do movimento blaxploitation.

O CHEFÃO DO GUETO (Black Caesar, 1973, 87 min.)
De Larry Cohen. Com Fred Williamson, Gloria Hendry, Art Lund.

A trajetória de Tommy Gibbs, um jovem negro que se torna um dos mais temidos chefes do crime em Manhattan, enfrentando a máfia italiana. Um dos melhores trabalhos do talentoso Larry Cohen (“Nasce um Monstro”).

EXTRAS:
* Documentário sobre Blaxploitation (29 min.)
* Especiais e trailers (39 min.)

BLAXPLOITATION VOL.2 – ED. LIMITADA COM 4 CARDs

Os filmes blaxploitation eram protagonizados e realizados por atores e diretores negros, ao som dos melhores artistas da soul music do período (Curtis Mayfield, Isaac Hayes, Marvin Gaye). Quatro deles estão reunidos na coleção com 2 discos e 4 cards.

DISCO 1:

RIFIFI NO HARLEM (Cotton Comes to Harlem, 1970, 97 min.)
De Ossie Davies. Com Godfrey Cambridge, Raymond St. Jacques, Calvin Lockhart.

Dois detetives investigam um reverendo envolvido em lavagem de dinheiro e outros crimes. Baseada em obra do escritor negro Chester Himes, essa mistura de humor e ação deu origem à onda blaxploitation.

O TERRÍVEL MISTER T (Trouble Man, 1972, 99 min.)
De Ivan Dixon. Com Robert Hooks, Paul Winfield, Ralph Waite.

Mister T é um homem durão que trabalha “resolvendo os problemas” no seu bairro, fazendo o trabalho que a polícia e os advogados não conseguem realizar. Clássico com trilha sonora icônica do genial Marvin Gaye.

DISCO 2:

FOXY BROWN (Idem, 1974, 92 min.)
De Jack Hill. Com Pam Grier, Antonio Fargas, Peter Brown.

A sensual Foxy Brown começa a trabalhar como prostituta de luxo para se vingar dos mafiosos que mataram seu namorado. A estrela Pam Grier – resgatada por Quentin Tarantino em “Jackie Brown” (1997) – reúne-se novamente com o diretor Jack Hill nessa“continuação” de “Coffy” (1973).

WILLIE DYNAMITE (Idem, 1974, 102 min.)
De Gilbert Moses. Com Roscoe Orman, Diana Sands, Thalmus Rasulala.

Um cafetão enfrenta a polícia e rivais nas violentas ruas de Manhattan. Mas uma velha amiga, agora assistente social, tenta fazê-lo mudar de vida. Com forte comentário social, esse é um dos clássicos esquecidos da blaxploitation.

EXTRAS:
* Especiais sobre Blaxploitation (49 min.)
* Trailers (8 min.)

EDIÇÃO LIMITADA COM 4 CARDs:

CONHEÇA OS VENCEDORES DO GLOBO DE OURO 2018

ACONTECEU NOITE À ONTEM, EM LOS ANGELES, A 75ª EDIÇÃO DO PRÊMIO PROMOVIDO PELA ASSOCIAÇÃO DA IMPRENSA ESTRANGEIRA EM HOLLYWOOD. A CERIMÔNIA FICOU MARCADA POR PROTESTOS CONTRA O ABUSO SEXUAL E A DESIGUALDADE DE GÊNERO.

COM SUAS PERSONAGENS FORTES (E EMPODERADAS), “TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME”, “LADY BIRD” E A MINISSÉRIE “BIG LITTLE LIES” SE DESTACARAM NA PREMIAÇÃO.

Escrito e dirigido pelo dramaturgo britânico Martin McDonagh (de “Na Mira do Chefe”), “Três Anúncios para um Crime” foi o grande vencedor deste ano, com quatro prêmios: melhor filme (drama), atriz dramática (Frances McDormand), ator coadjuvante (Sam Rockwell) e roteiro. “A Forma da Água”, nova fantasia do mexicano Guillermo del Toro (“O Labirinto do Fauno”) ficou com as estatuetas de melhor diretor e trilha sonora.

Com grande elenco e o texto mordaz de Martin McDonagh, “Três Anúncios para um Crime” – que também concorre a 4 prêmios do Sindicato dos Atores de Hollywood (SAG) – desbancou pesos pesados como “A Forma da Água”, “Me Chame pelo Seu Nome” e “Dunkirk” na categoria de melhor filme (drama).

Outro longa de forte temática feminina, “Lady Bird: É Hora de Voar”, dirigido e escrito por Greta Gerwig (atriz de “Frances Ha”), foi escolhido melhor comédia ou musical e melhor atriz (Saoirse Ronan) cômica. Já o drama distópico “The Handmaid’s Tale”, baseado no livro “O Conto da Aia” – da escritora canadense Margaret Atwood – levou os prêmios de melhor série e atriz (Elisabeth Moss) dramáticas.

Entre as produções de menor duração, “Big Little Lies” brilhou com quatro Globos de Ouro: melhor minissérie ou telefilme, atriz (Nicole Kidman), atriz coadjuvante (Laura Dern) e ator coadjuvante (Alexander Skarsgard).

A apresentadora, atriz e produtora Oprah Winfrey foi homenageada com o troféu Cecil B. DeMille, pelo conjunto da obra, e fez um discurso contundente contra a violência sexual e o racismo.

Confira abaixo a lista completa dos indicados da 75ª edição do Globo de Ouro.

Nicole Kidman na minissérie “Big Little Lies”, Saoirse Ronan e Lucas Hedges em “Lady Bird”, e Sally Hawkins e Octavia Spencer em “A Forma da Água”

CINEMA

MELHOR FILME (DRAMA)
“Três anúncios para um crime”

MELHOR FILME (COMÉDIA OU MUSICAL)
“Lady Bird: É Hora de Voar”

MELHOR DIRETOR
Guillermo del Toro – “A Forma da Água”

MELHOR ATOR (DRAMA)
Gary Oldman – “O Destino de uma Nação”

Um dos grandes camaleões do cinema, Gary Oldman finalmente recebeu o Globo de Ouro, por sua atuação como Winston Churchill no drama histórico “O Destino de uma Nação”.

MELHOR ATRIZ (DRAMA)
Frances McDormand – “Três Anúncios Para um Crime”

MELHOR ATOR (COMÉDIA OU MUSICAL)
James Franco – “Artista do Desastre”

MELHOR ATRIZ (COMÉDIA OU MUSICAL)
Saoirse Ronan – “Lady Bird: É Hora de Voar”

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Sam Rockwell – “Três Anúncios para um Crime”

Atriz mais conhecida por produções da TV (“West Wing”, “Mom”), Allison Janney venceu como coadjuvante pelo papel da mãe abusiva de “Eu, Tonya”.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Allison Janney – “I, Tonya”

MELHOR ROTEIRO
“Três Anúncios Para um Crime” – Martin McDonagh

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
“Viva: A Vida é uma Festa”

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
“Em Pedaços”, de Fatih Akin

Ao lado da atriz Diane Kruger, Fatih Akin, diretor de “Em Pedaços”. Uma das surpresas da noite, o drama alemão venceu o Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro, superando o favorito “The Square – A Arte da Discórdia”.

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
“A Forma da Água” – Alexandre Desplat

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“This Is Me”, de Justin Paul e Benj Pasek (“O Rei do Show”)

TV

MELHOR SÉRIE (DRAMA)
“The Handmaid’s Tale”

MELHOR SÉRIE (COMÉDIA OU MUSICAL)
“The Marvelous Mrs. Maisel”

MELHOR ATOR (DRAMA)
Sterling K. Brown – “This Is Us

Depois de levar o Emmy pela emocionante série dramática “This Is Us” em 2017, Sterling K. Brown repetiu o feito no Globo de Ouro, levando o prêmio de melhor ator.

MELHOR ATRIZ (DRAMA)
Elisabeth Moss – “The Handmaid’s Tale”

MELHOR ATOR (COMÉDIA OU MUSICAL)
Aziz Ansari – “Master of None”

MELHOR ATRIZ (COMÉDIA OU MUSICAL)
Rachel Brosnahan – “The Marvelous Mrs. Maisel”

MELHOR MINISSÉRIE OU TELEFILME
“Big Little Lies”

Elenco de “Big Little Lies” reunido. Adaptada do best seller homônimo de Liane Moriarty, a minissérie acompanha um grupo de mulheres que se envolve em uma trama de assassinato, rivalidade e violência doméstica, em Monterey, na Califórnia. A direção é do canadense Jean-Marc Vallée, que já trabalhara com Reese Witherspoon em “Clube de Compras Dallas”.

MELHOR ATRIZ (MINISSÉRIE OU TELEFILME)
Nicole Kidman – “Big Little Lies”

MELHOR ATOR (MINISSÉRIE OU TELEFILME)
Ewan McGregor – “Fargo”

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE (SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME)
Laura Dern – “Big Little Lies”

MELHOR ATOR COADJUVANTE (SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME)
Alexander Skarsgård – “Big Little Lies”

FESTIVAL DE CLÁSSICOS E CULTS NA 2001 – PARTE 2

O DESAFIO DAS ÁGUIAS

Escrito por Alistair MacLean, autor do livro que deu origem a “Os Canhões de Navarone”, o filme é um dos maiores sucessos de Richard Burton e Clint Eastwood nos anos 1960. Os dois são agentes da resistência enviados numa missão suicida nos Alpes, a fim de resgatar um general americano capturado pelos nazistas.

ESCALADO PARA MORRER

Quarto longa da carreira de Clint Eastwood como diretor, este thriller de ação lançado em 1975 conta com belas cenas de alpinismo e performance dos dublês. Na trama de espionagem, Clint é um professor obrigado a fazer um último trabalho para obscuro órgão do governo. Sua missão: eliminar um alpinista que tentará escalar o Monte Eiger, na Suiça.

SELVAGENS CÃES DE GUERRA

Aventura de guerra dirigida por Andrew V. McLaglen (de “O Preço de um Covarde“), com grande elenco de atores britânicos: Richard Burton, Roger Moore, Richard Harris e Stewart Granger. Sucesso nos cinemas, o filme segue um grupo de mercenários contratado para resgatar um presidente deposto da África oriental.

TERRÍVEL COMO O INFERNO

Ator e soldado mais condecorado durante a II Guerra Mundial, Audie Murphy revive suas próprias experiências no conflito neste clássico de guerra baseado em sua autobiografia. O filme acompanha desde sua juventude no Texas até os difíceis anos no front durante a Segunda Guerra Mundial.

NEVADA SMITH

Neste faroeste de Henry Hathaway (do “Bravura Indômita” original), Steve McQueen encarna o papel-título. Filho de uma índia nativa e de um pai branco, Nevada Smith busca vingança contra os assassinos de seus pais, no final do século XIX. Sedento por justiça, ele precisa descobrir o paradeiro dos criminosos.

PAPILLON

Condenado à prisão perpétua por um crime que não cometeu, “Papillon” (Steve McQueen) é enviado à Ilha do Diabo, presídio na Guiana Francesa. Cumprindo pena sob condições desumanas, ele decide fugir, ao lado de Louis Dega (Dustin Hoffman). Baseado no livro autobiográfico de Henri Charrière, o filme foi escrito por Dalton Trumbo.

JOVEM DEMAIS PARA MORRER

Sequência de “Os Jovens Pistoleiros” (1988), com Emilio Estevez de volta ao papel de Billy the Kid. Ele e seu bando partem em direção à fronteira do México e são perseguidos por homens-da-lei. Com Kiefer Sutherland, Lou Diamond Phillips e Christian Slater no elenco, este faroeste ficou marcado pela canção “Blaze of Glory”, de Jon Bon Jovi.

REMO – DESARMADO E PERIGOSO

Introduzido na série de livros pulp “The Destroyer”, Remo Williams, um super-agente especialista em artes marciais, ganha vida na pele de Fred Ward no filme dirigido por Guy Hamilton (“007 Contra Goldfinger”). “Remo” apresenta o herói desde suas origens, como policial em Nova York, passando por seu incrível treinamento e transformação física.

A MISSÃO

Vencedor da Palma de Ouro em Cannes, além do Oscar de melhor fotografia, esse drama histórico traz no elenco Robert De Niro, Jeremy Irons e Liam Neeson. No final do século XVIII, um ex-mercador de escravos (De Niro) junta-se aos jesuítas em Sete Povos das Missões, na América do Sul, onde fará de tudo para defender os índios do genocídio.

NIKITA – CRIADA PARA MATAR

Refilmado como “A Assassina” na década de 1990, o filme é considerado um dos melhores trabalhos de Luc Besson (“O Profissional”). Na trama, Nikita (Anne Parillaud, premiada com o César) é uma jovem viciada em drogas que acaba presa e recrutada pelo agente Bob (Tchéky Karyo) para trabalhar como assassina para o serviço de inteligência francês.

DANÇA COMIGO?

Escrito e dirigido por Masayuki Suo, o longa trata com simplicidade e sensibilidade a jornada de autoconhecimento de Shohei Sugiyama (Kôji Yakusho), um sério homem de negócios que, fascinado por uma bela mulher que vê por acaso, matricula-se na mesma escola de dança da moça. O filme ganhou uma versão americana com Richard Gere em 2004.

ASSASSINATO EM GOSFORD PARK

Espécie de “A Regra do Jogo” ao estilo do diretor Robert Altman, o filme apresenta um rico mosaico de personagens, divididos entre nobres e criados numa mansão inglesa, em 1932. Quando o anfitrião da propriedade aparece morto, todos passam a ser suspeitos. Um elenco de grande atores ingleses dá vida ao mordaz roteiro de Julian Fellowes (criador de “Downton Abbey“) premiado com o Oscar.

CIDADE DOS VENTOS

Premiada produção do estúdio russo Mosfilm dirigida por Karen Shakhnazarov (“Tigre Branco”). O contexto político da ex-União-Soviética permeia a história, ambientada na década de 1970. Um jovem universitário que se proclama “dissidente” disputa com o amigo comunista o amor da doce Lyuda, enquanto o entusiasmo socialista na URSS vai declinando.

FESTIVAL DE CLÁSSICOS E CULTS NA 2001 – PARTE 1

MODESTY BLAISE

Um dos maiores exemplos da pop art no cinema, o filme – uma adaptação dos cultuados quadrinhos de Peter O’Donnell – reúne Monica Vitti, Terence Stamp e Dirk Bogarde em plena Swinging London na satírica trama de espionagem dirigida por Joseph Losey (de “O Criado”). Este clássico sessentista concorreu à Palma de Ouro em Cannes.

KES

Clássico do cinema inglês que tornou conhecido Ken Loach, diretor do aclamado “Eu, Daniel Blake“, “Kes” é mais um exemplo de suas preocupações sociais, mostrando a dura rotina do jovem Billy, morador de um bairro pobre na Inglaterra. Ridicularizado na escola, ele consegue escapar da falta de humanidade à sua volta treinando um falcão.

VALERIE E A SEMANA DAS MARAVILHAS

Raridade do cinema tcheco repleta de imagens surrealistas e simbolismos para representar o despertar sexual de Valerie, uma adolescente de 14 anos que experimenta sua primeira menstruação, novos amores e até o vampirismo. Dirigido e escrito por Jaromil Jires (1935-2001), a partir do romance de Vítezslav Nezval.

O CASTELO DE VIDRO (1950)

Adaptação do romance de Vicky Baum dirigida por René Clément (“O Sol por Testemunha“). Michèle Morgan interpreta Evelyne, mulher casada que se apaixona por Rémy (Jean Marais), um libertino parisiense de caráter mundano. Também conhecido como “Rendezvous em Paris”, o filme é uma obra pouco conhecida do grande cineasta francês.

PACTO SINISTRO

Escrito por Raymond Chandler, este clássico de Alfred Hitchcock é baseado no romance de Patricia Highsmith, autora de “O Talentoso Ripley”. Indicado ao Oscar de melhor fotografia (em p&b), o filme marcou época com a famosa “troca de favores” (leia-se assassinatos) proposta pelo psicótico Bruno a um tenista famoso.

O CÃO DOS BASKERVILLES

Produção da inglesa Hammer Films dirigida por Terence Fisher (“Drácula – O Príncipe das Trevas“), um de seus melhores diretores, e estrelada por Peter Cushing (no papel de Sherlock Holmes) e Christopher Lee (como Sir Henry Baskerville). Adaptado da obra de Sir Arthur Conan Doyle.

ARABESQUE

Diretor do clássico “Cantando na Chuva” (1952), Stanley Donen retorna ao thriller de espionagem, depois do sucesso de “Charada” (1963). Em “Arabesque“, Gregory Peck vive um professor americano infiltrado numa intrincada trama internacional entre Inglaterra e Oriente Médio. Sophia Loren e Alan Badel completam o elenco.

RAPSÓDIA

A bela Louise Durant (Elizabeth Taylor) entrega-se de corpo e alma ao violinista Paul Bronte (Vittorio Gassman). O casal muda-se para Zurique, onde ele passa a dedicar-se mais à música do que a ela. Sentindo-se ignorada, Louise conhece James Guest (John Ericson). Clássico romântico do mesmo diretor de “Gilda” (1946), Charles Vidor.

CREPÚSCULO DE UMA RAÇA

Um dos trabalhos mais subestimados de John Ford, o western conta com grande elenco: Richard Widmark, Carroll Baker, Karl Malden, Arthur Kennedy e James Stewart. Indicado ao Oscar de melhor fotografia (em cores), o longa acompanha a jornada de um grupo de índios Cheyenne de volta ao seu assentamento de origem, no Wyoming.

WEST SIDE WESTERN COLLECTION – VOL.3

Em ADIOS GRINGO (1965), Giuliano Gemma é um fazendeiro que é enganado por um amigo mau caráter que lhe vendeu gado roubado. E, escrito por Dario Argento e Tonino Cervi, MATO HOJE MORRO AMANHÃ (1968) traz Bud Spencer como um dos homens contratados para vingar a esposa assassinada do protagonista, Bill. DVD com dois Spaghetti Western.

FANTASIA, TERROR E SUSPENSE PARA FECHAR 2017

COLOSSAL

Anne Hathaway descobre que está misteriosamente conectada com um monstro gigante, que ataca a cidade de Seul, nesta delirante e original comédia dramática com elementos de fantasia e sci-fi. Desempregada e sem rumo, sua personagem, Gloria, percebe que suas ações trazem consequências a milhões de pessoas do outro lado do mundo, o que a faz lutar contra seus demônios internos e, por que não, externos.

A TORRE NEGRA

Diretor de “O Amante da Rainha”, o dinamarquês Nikolaj Arcel encarou o desafio de transpor para a telona esta primeira versão da série de livros escrita por Stephen King. Condensação de um calhamaço do autor de “It”, o filme acompanha a jornada do pistoleiro Roland Deschain (Idris Elba) por um mundo paralelo, em busca da famosa Torre Negra, que é ameaçada pelo poderoso Homem de Preto (Matthew McConaughey).

E NÃO PERCA, EM PRÉ-VENDA:
It – A Coisa (DVD e Blu-ray)

ANNABELLE 2 – A CRIAÇÃO DO MAL

Com quase 3 milhões de espectadores, a continuação é o segundo longa-metragem de David F. Sandberg, diretor revelado em “Quando as Luzes se Apagam” (2016). Depois de seu filme solo em 2014, a boneca do mal introduzida em “Invocação do Mal” está de volta, desde sua origem em 1957, quando é fabricada por um casal que perde a única filha. Em DVD e Blu-ray na 2001.

AMERICAN HORROR STORY: ROANOKE (6ª TEMPORADA)

Criada por Ryan Murphy, a série caminha para a metalinguagem, ao mostrar pessoas contando histórias fantásticas em um programa de TV a cabo. Baseado em um crime real, “Meu Pesadelo de Roanoke” – O show dentro do próprio show, aborda eventos paranormais chocantes, com atores recorrentes na série, como Sarah Paulson, Cuba Gooding Jr. e Kathy Bates.

O ABOMINÁVEL DR. PHIBES

Décadas antes de Jigsaw na franquia “Jogos Mortais”, Dr. Anton Phibes (Vincent Price, inesquecível) já executava uma elaborada vingança – baseada nas 10 pragas do Egito – com toques de sadismo. Desfigurado e dado como morto após um acidente de carro, o psicopata planeja se vingar de todos os médicos que participaram da mesa de operações em que morreu sua esposa.

A CÂMARA DE HORRORES DO DR. PHIBES

O personagem icônico de Vincent Price retorna nesta continuação também dirigida por Robert Fuest com o mesmo estilo ‘camp’, humor negro e mortes cruéis do original. Phibes tenta recuperar um papiro antigo que traz a localização de uma tumba que pode reviver sua finada esposa. Ele então começa a matar com requintes de crueldade aqueles que roubaram o papiro.

E VEJA TAMBÉM:
Uma Noite com Vincent Price (Coleção com 6 Discos)

DIABOLIK (DVD + CD)

O mestre Mario Bava prova sua versatilidade ao dirigir esta aventura baseada em HQs das irmãs Angela e Luciana Giussiani. Com visual psicodélico, erotismo e humor nonsense típicos dos anos 1960, o filme acompanha as peripécias de um sofisticado ladrão que desafia a polícia e a máfia. Edição especial incluindo CD com a trilha sonora de Ennio Morricone.

E VEJA TAMBÉM:
O Mundo Bizarro de Mario Bava (DVD Duplo)

O FANTASMA DO PARAÍSO

Um produtor rouba as músicas de cantor e as transforma em sucessos. Desfigurado por um acidente, este último se torna “o fantasma do paraíso”, e busca vingança. Versão extravagante de “O Fantasma da Ópera”, permeada de humor negro e suspense do diretor Brian De Palma, o musical ganhou status de cult com o tempo -e admiradores como Guillermo de Toro e o duo Daft Punk.

GRITO DE HORROR

Depois de “Piranhas” (1978), o diretor Joe Dante e o roteirista John Sayles reinventam o filme de lobisomem. Com clima sombrio e trilha de Pino Donaggio (“Carrie, a Estranha”), o longa marcou o gênero – assim como “Um Lobisomem Americano em Londres” (realizado no mesmo ano) – graças aos efeitos especiais usados na transformação das criaturas.

DARK SIDE HORROR COLLECTION – VOLUME 7 (DVD Duplo)

Duas produções da década de 1980 mesclam elementos do gênero terror com sci-fi nas profundezas do oceano. Em LEVIATHAN (1989, foto), de George P. Cosmatos (“Rambo II – A Missão”), a tripulação de um equipamento de mineração submarina descobre um cargueiro soviético que abriga um segredo horrível. Em ABISMO DO TERROR (1989), dirigido por Sean S. Cunningham (do “Sexta-Feira” original), cientistas isolados em uma base libertam um monstro pré-histórico.

DARK SIDE HORROR COLLECTION – VOLUME 8 (DVD Duplo)

Famílias disfuncionais, canibalismo e humor negro unem os dois títulos reunidos na coleção. No chocante terror britânico LOUCURA SANGRENTA (1974), de Pete Walker (“A Mansão da Meia-Noite”), Dorothy Yates – uma senhora adepta do canibalismo – sai de uma instituição psiquiátrica. Já O QUE HÁ PARA O JANTAR? (1989) satiriza o ‘american way of life” de um subúrbio nos anos 1950, com um jovem que suspeita que seus pais possam ser canibais.

COLEÇÕES O CINEMA DE HITCHCOCK, KUROSAWA E OZU

O CINEMA DE HITCHCOCK

Caixa com 3 DVDs que reúne 6 clássicos do mestre do suspense. Todos os filmes em inéditas versões restauradas, além de quase duas horas de vídeos extras, incluindo documentários e um depoimento do diretor Guillermo Del Toro.

DISCO 1:

REBECCA, A MULHER INESQUECÍVEL (Rebecca, 1940, 131 min.)
Com Joan Fontaine, Laurence Olivier e George Sanders.

Jovem humilde se casa com um homem rico. Quando ela se muda para a mansão do novo marido, vive sob a sombra de sua ex-mulher, que todos amavam e morreu de forma trágica. Vencedor do Oscar de Melhor Filme e Fotografia.

O HOMEM QUE SABIA DEMAIS (The man who knew too much, 1934, 75 min.)
Com Peter Lorre, Leslie Banks e Edna Best.

Casal de ingleses tem sua filha sequestrada após um agente secreto lhes contar, instantes antes de morrer, sobre plano contra um importante governante estrangeiro. Hitchcock faria uma refilmagem em 1956, com James Stewart e Doris Day.

DISCO 2:

CORRESPONDENTE ESTRANGEIRO (Foreign correspondent, 1940, 121 min.)
Com Joel McCrea, Laraine Day e George Sanders.

No início da Segunda Guerra, John Jones é repórter de um jornal de Nova York. Um importante tratado está para ser assinado e ele recebe a missão de trazer as notícias sobre a guerra na Europa. Clássico de espionagem indicado a 6 Oscar.

OS 39 DEGRAUS (39 Steps, 1936, 86 min.)
Com Robert Donat, Madeleine Carroll e Lucie Manheim.

De férias em Londres, Richard conhece uma mulher misteriosa que lhe diz algo sobre um homem envolvimento em uma trama de espionagem. A moça morre e ele decide resolver o mistério. Um dos melhores trabalhos de Hitchcock em sua fase inglesa.

DISCO 3:

QUANDO FALA O CORAÇÃO (Spellbound, 1945, 118 min.)
Com Ingrid Bergman e Gregory Peck.

O renomado psiquiatra Edwardes começa a trabalhar como diretor de uma clínica para doentes mentais, onde se envolve com uma bela psiquiatra. Vencedor do Oscar de Melhor Trilha Sonora, o filme apresenta uma influente sequência de sonho com cenários criados por Salvador Dalí.

INTERLÚDIO (Notorious, 1946, 102 min.)
Com Gary Grant, Ingrid Bergman e Claude Rains.

Uma mulher é utilizada pelos Estados Unidos para espiar um grupo de nazistas na América do Sul. Durante sua missão, se envolve com um agente americano. Seleção Oficial do Festival de Cannes e indicado a 2 Oscar (Filme e Roteiro Original).

EXTRAS:
* Making of de “Rebecca” (28 min.)
* Making of de “Interlúdio” (28 min.)
* Depoimento de Guillmermo Del Toro sobre “O Homem que Sabia Demais” (18 min.)
* Hollywood e a Segunda Guerra (26 min.)
* Hitchcock e o Surrealismo (20 min.)
* Trailers (10 min.)

E VEJA TAMBÉM:
A Arte de Alfred Hitchcock (DVD Duplo)

O CINEMA DE KUROSAWA

Coleção com 3 DVDs trazendo 5 clássicos em inéditas versões restauradas do mestre Akira Kurosawa (1910-1998), o mais consagrado cineasta do Japão, além de um documentário inédito sobre sua obra.

DISCO 1:

VIVER (“Ikiru”, 1952, 143 min.)
Com Takashi Shimura, Nobuo Kaneko, Shinichi Himori.

Um burocrata idoso pensa apenas em ganhar dinheiro, mas tudo muda quando descobre que está com câncer. Premiado em Berlim, o filme é uma das obras definitivas de Kurosawa sobre a velhice.

UMA MENSAGEM DE KUROSAWA
(“Kurosawa Akira Kara no Messeji”, 2000, 82 min.)
Com Akira Kurosawa, Kazuo Kurosawa.

Por meio de várias entrevistas de arquivo realizadas ao longo da carreira de Kurosawa, temos um retrato fascinante sobre seu processo de criação, a relevância de sua obra no cinema japonês e seu incrível legado.

DISCO 2:

RALÉ (“Donzoko”, 1957, 125 min.)
Com Toshiro Mifune, Isuzu Yamada, Kyoko Kagawa.

Baseado na obra do russo Máximo Górki, o filme é uma tragicomédia sobre o cotidiano de hóspedes de numa miserável pensão. O DVD conta com comentários em áudio do renomado crítico Donald Richie.

JUVENTUDE SEM ARREPENDIMENTO (“Waga seishun ni kuinashi”, 1946, 108 min.)
Com Setsuko Hara, Susumu Fujita, Denjiro Okochi.

Jovem estudante tem sua vida transformada quando seu pai, um professor universitário, é encarcerado pelo exército em razão de seu passado de militância política. O encontro de Kurosawa com a luminosa Setsuko Hara, atriz de “Era uma Vez em Tóquio” (1953).

DISCO 3:

UM DOMINGO MARAVILHOSO (“Subarashiki Nichiyobi”, 1947, 108 min.)
Com Isao Numasaki, Chieko Nakahita, Atsuhi Watanabe.

Um dia na vida do casal Yuzo e Masako, que mesmo com pouco dinheiro tentam fazer de seu domingo juntos um dia inesquecível. Fascinante filme sobre a vida no Japão do pós-guerra.

ANATOMIA DO MEDO (“Ikimono no Kiroku”, 1955, 103 min.)
Com Toshiro Mifune, Takashi Shimura, Minoru Chiaki.

Convencido de que sua família, como todo o Japão, corre o risco de um holocausto nuclear, homem se esforça para convencê-los a fugir ao Brasil. Uma das grandes atuações da carreira de Toshiro Mifune.

EXTRAS:
* Comentário em áudio de “Ralé” (125 min.)
* Especiais (48 min.)
* Trailers (7 min.)

O CINEMA DE OZU – VOL. 1

O box reúne, em 3 DVDs, o melhor da obra daquele que é considerado “o mais japonês dos cineastas japoneses”. São 5 clássicos do mestre Yasujirô Ozu (1903–1963), incluindo “Era uma Vez em Tóquio” (1953) – considerado um dos maiores filmes de todos os tempos, agora em versão restaurada. Além do documentário “Conversando com Ozu” (40 minutos), no qual diretores como Wim Wenders e Aki Kaurismaki falam do legado do extraordinário cineasta do cotidiano.

“A obra que não transmite humanismo não tem valor. Trata-se do objetivo de toda arte…”
Yasujiro Ozu (1903-1963)

Ozu especializou-se em dramas familiares cujos personagens são confrontados por questões como a passagem do tempo, a solidão e o conflito de gerações, retratando as mudanças comportamentais no Japão.

DISCO 1:

ERA UMA VEZ EM TÓQUIO (Tokyo Monogatari, 1953)

Um casal de idosos viaja de Onomichi a Tóquio, para visitar os filhos casados, após uma ausência de 20 anos. Drama sublime que representa o ápice da estética de Ozu.

CONVERSANDO COM OZU (Talking with Ozu, 1993)

Um tributo ao mestre com depoimentos dos cineastas Wim Wenders, Aki Kaurismaki, Stanley Kwan, Claire Denis, Lindsay Anderson, Paul Schrader e Hou Hsiao-hsien.

DISCO 2:

TAMBÉM FOMOS FELIZES (Bakushu, 1951)

A família Mamiya procura um marido para a filha mais nova, que trabalha como secretária em Tóquio. No entanto, a moça não quer aceitar um casamento arranjado.

ERA UMA VEZ UM PAI (Chihi Ariki, 1942)

Professor viúvo matricula o filho em um colégio interno, partindo para ganhar a vida em Tóquio. O amor entre pai e filho precisará resistir a esta separação.

DISCO 3:

CREPÚSCULO EM TÓQUIO (Tokyo Boshoku, 1957)

No auge do inverno, Takako volta à casa do pai, fugindo do marido agressivo. Por sua vez, sua irmã Akiko vive uma gravidez indesejada e procura, em vão, pelo namorado.

FILHO ÚNICO (Hitori Musuko, 1936)

Uma mãe solteira sofre para conseguir criar e educar seu único filho. Com muito esforço, consegue que o rapaz vá estudar em Tóquio. Primeiro filme sonoro de Ozu.

EXTRAS:
* Documentário “Conversando com Ozu” (40 min.)
* Trailers de “Era uma vez em Tóquio” (04 min.) e “Também fomos felizes” (04 min.)

O CINEMA DE OZU – VOL.2

Digistack com 3 DVDs que reúne 6 clássicos, incluindo versões restauradas de “Pai e Filha” (1949) e “Ervas Flutuantes” (1959) – um dos filmes favoritos do renomado crítico norte-americano Roger Ebert.

DISCO 1:

PAI E FILHA (Banshun, 1949)

Noriko é uma jovem que cuida do pai, o viúvo Somiya, e não pensa em se casar. Porém, pressionada pela família, aceita conhecer um pretendente. Um dos melhores dramas de Ozu.

FLOR DO EQUINÓCIO (Higanbana, 1958)

O choque entre a tradição do casamento arranjado e o moderno relacionamento por amor, preferido pela nova geração, é o tema deste melodrama sobre duas famílias.

DISCO 2:

ERVAS FLUTUANTES (Ukigusa, 1959)

Uma companhia teatral chega a uma pequena cidade japonesa. O mestre Komajuro, fundador da companhia, esconde um segredo do passado que lhe causará transtornos.

FIM DE VERÃO (Kohayagama-ke no aki, 1961)

Os dramas dos membros da família Kohayagawa, proprietária de uma pequena fábrica de saquê, durante o difícil período do pós-guerra no Japão.

DISCO 3:

COMEÇO DE PRIMAVERA (Soshun, 1956)

O jovem assalariado Shojicomeça um romance com uma colega de trabalho, o que acaba provocando sua separação.

UMA GALINHA NO VENTO (Kaze no naka no mendori, 1948)

Passando por dificuldades e com o filho doente, Tokiko se prostitui por uma noite para poder pagar as despesas enquanto Shuichi, seu marido, luta no front.

CLÁSSICOS DA COMÉDIA, COM O MELHOR DE JERRY LEWIS E BUSTER KEATON

FALECIDO EM AGOSTO DESTE ANO, LEWIS TEM MAIS LANÇAMENTOS DE SUA FILMOGRAFIA EM DVD: A COLEÇÃO “JERRY LEWIS – O GÊNIO DA COMÉDIA” – COM 4 FILMES DIRIGIDOS POR ELE, ALÉM DE INÚMEROS EXTRAS -, “RABO DE FOGUETE” E “BOEING BOEING“, TODOS DOS ANOS 60. E O BOX “BUSTER KEATON – ED. ESPECIAL” REÚNE, EM 8 DISCOS, 12 FILMES DO COMEDIANTE, INCLUINDO O CELEBRADO “A GENERAL” (1926).

JERRY LEWIS – O GÊNIO DA COMÉDIA

Com a morte do ator – considerado um dos maiores comediantes da história do cinema -, em 20 de agosto de 2017, sai agora em DVD a coleção com quatro clássicos dirigidos e estrelados por Lewis nos anos 1960. Os títulos incluídos no box estão entre seus melhores trabalhos e estavam há anos fora de catálogo no mercado de home vídeo brasileiro.

Os filmes vem acompanhados de extras – como comentários de Lewis e cenas excluídas -, e somente um, “O Terror das Mulheres”, apresenta a dublagem clássica em português da Sessão da Tarde.

O MENSAGEIRO TRAPALHÃO (1960)

Tudo pode dar errado – e dá – quando Lewis interpreta Stanley, um mensageiro mudo e trapalhado, no sofisticado Hotel Fontainebleau, em Miami Beach (Flórida). Em preto e branco, é a aclamada estreia do ator na direção, quase filme mudo com brilhantes cenas de humor visual.

EXTRAS: Cenas selecionadas com comentários em áudio (legendados em português) de Jerry Lewis e Steve Lawrence, cenas inéditas, trailer de cinema.

MOCINHO ENCRENQUEIRO (1961)

Contratado para ser “os olhos e os ouvidos” de um chefão de Hollywood na Paramutual Pictures, Morty S. Tashman (papel de Lewis) deve percorrer o local e depois contar ao chefe toda e qualquer atividade desonesta ou questionável.

EXTRAS: Erros de gravação.

O TERROR DAS MULHERES (1961)

Lewis interpreta Herbert, um rapaz tímido que, depois de ser chutado por sua garota, desenvolve fobia em relação ao sexo oposto. A confusão acontece quando Herbert consegue emprego numa enorme pensão de mulheres.

Obs. Opção de áudio com a dublagem em português das antigas exibições da TV brasileira.

EXTRAS: Cenas selecionadas com comentários em áudio (legendados em português) de Jerry Lewis e Steve Lawrence, trailer de cinema, trailer teaser.

O OTÁRIO (1964)

Quando um popular animador tem uma morte prematura, seus associados correm para encontrar um substituto, que acaba sendo Stanley Belt, um pacífico empregado de hotel.

EXTRAS: Cenas selecionadas com comentários em áudio (legendados em português) de Jerry Lewis e Steve Lawrence, trailer de cinema.

E VEJA TAMBÉM:

BOEING BOEING (1964)

Comédia baseada em peça de teatro homônima de Marc Camoletti, adaptada para o cinema por Edward Anhalt (“Becket”). Em seu último trabalho para a Paramount, Lewis divide a cena com Tony Curtis, que interpreta Bernard Lawrence, mulherengo jornalista americano que vive em Paris. O bon vivant mantém simultaneamente três aeromoças como noivas, até que elas se cruzam na “Cidade Luz”, para desespero de Lawrence. Lewis vive um jornalista rival que vem aumentar a confusão. Edição remasterizada com a dublagem clássica da TV mais card.

EXTRAS: Entrevista com Jerry Lewis.

RABO DE FOGUETE (1960)

Indicado ao Oscar de melhor direção de arte (em preto e branco), o filme é uma versão da bem-sucedida peça da Broadway “Visita a um Pequeno Planeta”, de Gore Vidal. Nesta adaptação dirigida por Norman Taurog (de “O Rei do Laço”), Lewis encarna Kreton, um alienígena trapalhão fascinado pelos seres humanos. Ele vem à Terra durante suas férias para estudar os terráqueos, mas sem habilidade para compreendê-los, provoca muitas confusões.

BUSTER KEATON – EDIÇÃO ESPECIAL (8 DVDs)

Box no formato digipak – com 8 discos e 6 cards colecionáveis – trazendo versões remasterizadas dos melhores filmes do comediante, famoso por sua persona impassível, que lhe rendeu o apelido de “O homem que nunca ri”.

Edição especial com 12 filmes (incluindo longas e médias-metragens), 32 curtas-metragens e mais de 3 horas de extras, com depoimentos de Orson Welles, Gloria Swanson, pequenos documentários e muito mais!

Joseph Francis Keaton Jr. nasceu em 4 de outubro de 1895, em Piqua (Kansas, EUA). Seus pais eram comediantes reconhecidos, em especial pelo mágico Harry Houdini, que segundo boatos é o responsável pelo nome Buster, incorporado pelo jovem logo cedo. Aos 4 anos de idade, Keaton já encenava esquetes de vaudeville com os pais e outros comediantes famosos. A carreira no cinema começou aos 21 anos, quando iniciou parceria em Nova York com Roscoe Arbuckle. O primeiro longa-metragem escrito e estrelado por Keaton veio em 1923 (“The Three Ages”) e foi um grande sucesso. Quatro anos depois, o comediante realizaria o maior marco de sua carreira, “A General”.

Buster Keaton atuou na televisão e participou em mais de 100 produções cinematográficas.

DISCO 1 – Os primeiros trabalhos de Buster Keaton realizados entre 1917 e 1918:
O MENINO AÇOUGUEIRO (1917) + THE ROUGH HOUSE (1917) + HIS WEDDING NIGHT (1917) + OH DOCTOR! (1917) + CONEY ISLAND (1917) + OUT WEST (1918) + THE BELL BOY (1918) + MOONSHINE (1918) + GOOD NIGHT, NURSE! (1918) + THE COOK (1918).

DISCO 2 – O filme “O Pesado de 1920” e mais 7 curtas, realizados entre 1919 a 1920:
BACK STAGE (1919) + THE HAYSEED (1919) + THE GARAGE (1920) + UMA SEMANA (1920) + O PESADO (1920) + CONVICT 13 (1920) + O ESPANTALHO (1920) + VIZINHOS VIGILANTES (1920).

DISCO 3 – Curtas-metragens realizados entre 1921 a 1922:
A CASA MALUCA (1921) + MÁ SORTE (1921) + THE ‘HIGH SIGN’ (1921) + A CABRA (1921) + THE PLAY HOUSE (1921) + O BARCO (1921) + THE PALEFACE (1922) + O ENRASCADO (1922) + A PARENTELA DA ESPOSA (1922).

• DISCO 4 – O filme “A Antiga e a Moderna de 1923” e mais 6 curtas realizados entre 1922 a 1923:
FERRADURAS MODERNAS (1922) + NO PAÍS DOS GELADOS (1922) + A CASA ELÉTRICA (1922) + SONHO E REALIDADE (1922) + O AERONAUTA (1923) + THE LOVE NEST (1923) + A ANTIGA E A MODERNA (1923).

“Ferraduras Modernas” (1922)

DISCO 5 – Dois longas-metragens e uma média-metragem:
NOSSA HOSPITALIDADE (1923) + BANCANDO O ÁGUIA (1924) + MARINHEIRO POR DESCUIDO (1924).

DISCO 6 – Dois longas-metragens e um média-metragem:
SETE OPORTUNIDADES (1924) + VAQUEIRO AVACALHADO (1925) + BOXE POR AMOR (1926).

DISCO 7 – Dois longas-metragens:
A GENERAL (1926) + AMORES DE UM ESTUDANTE (1927).

DISCO 8 – Dois longas-metragens:
MARINHEIRO DE ENCOMENDA (1928) + O HOMEM DAS NOVIDADES (1928)

NOVIDADES DO CINEMA ARGENTINO E DO EUROPEU NA 2001

INSEPARÁVEIS (2016)

Marcos Carnevale (“Elsa & Fred”) dirige esta refilmagem argentina do sucesso francês “Intocáveis” (2011), com Oscar Martínez (“Relatos Selvagens”) no papel de Felipe, um rico empresário que fica tetraplégico após acidente. À procura de um novo assistente terapêutico, ele contrata o jovem Tito (Rodrigo de la Serna, de “Diários de Motocicleta”), sem qualquer experiência para a função.

NEVE NEGRA

Ambientado nas colinas geladas da Patagônia, este thriller argentino conta com dois astros de “Relatos Selvagens”: Ricardo Darín e Leonardo Sbaraglia. Darín interpreta Salvador, um fazendeiro que vive afastado da civilização em uma fazenda na região. A visita inesperada de seu irmão Marcos (Sbaraglia), a fim de convencê-lo a vender as terras da família, reacende antigos ressentimentos e segredos.

FRANTZ

Mais um belo trabalho do francês François Ozon, indicado em três categorias do European Film Awards: escolha do público, atriz (Paula Beer) e roteiro. A história se passa logo após o fim da I Guerra Mundial e acompanha Anna (Beer, premiada em Veneza), uma jovem alemã que perde o noivo no front. Um dia, surge Adrien (Pierre Niney), um ex-soldado francês que afirma ter feito amizade com o morto.

A GAROTA DESCONHECIDA

Indicado à Palma de Ouro em 2016, o filme é mais um exemplo do humanismo social da dupla de cineastas belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne (“Rosetta“). Os irmãos Dardenne mostram a crise de consciência de Jenny (Adèle Haenel), jovem médica perturbada pela morte de uma imigrante africana, que na noite anterior procurou sua clínica, mas não foi atendida, pois o expediente havia encerrado.

SAINT AMOUR – NA ROTA DO VINHO

Depois do romântico “Paris Pode Esperar” (com Diane Lane), mais um road movie percorre a França. Em ritmo de comédia de erros, “Saint Amour” explora o conflito de gerações entre Jean (Gérard Depardieu) e Bruno (Benoît Poelvoorde, também diretor e roteirista), pai e filho fazendeiros que embarcam numa turnê por vinícolas no interior francês. Juntos com seu motorista, os dois passam por várias brigas e descobertas em busca de reconciliação.

MONSIEUR E MADAME ADELMAN

Com muito lirismo e humor irônico, o drama francês aborda o relacionamento de quatro décadas entre Sarah (Doria Tillier) e Victor (Nicolas Bedos, diretor e roteirista do filme). No funeral dele, Sarah é abordada por um jornalista que deseja contar a história de seu marido, um renomado escritor. A partir daí, o espectador tem acesso às diferentes fases desse longo relacionamento – e o que é melhor, pelo olhar feminino.

ROCK N’ROLL – POR TRÁS DA FAMA

Casados na vida real, Guillaume Canet e Marion Cotillard brincam com suas personas públicas nesta comédia metalinguística dirigida e escrita pelo próprio ator. Na trama, Canet, com 43 anos, é confrontado por uma repórter, que sugere que o ator está ultrapassado e não pode concorrer com os jovens de sua geração. Exibido no Festival Varilux de Cinema Francês 2017.

NA CAMA COM VICTORIA

Uma amalucada comédia francesa com Virginie Efira (indicada ao César de melhor atriz) no papel de Victoria, uma advogada metida em inúmeras confusões. A personagem está à beira de um ataque de nervos e, durante um casamento, encontra três homens que irão bagunçar sua vida: seu ex-marido, seu amigo Vincent – acusado de tentativa de homicídio – e Sam, um ex-traficante de drogas.

RODIN

Indicado à Palma de Ouro, o filme traz Vincent Lindon (“O Valor de um Homem“) no papel do escultor Auguste Rodin (1840- 1917). Em 1880, Rodin recebe a encomenda de ‘A Porta do Inferno’, obra composta de esculturas como O Beijo e O Pensador. Ele vive com Rose, sua eterna companheira, quando conhece a jovem Camille Claudel (1864-1943), que se torna sua aprendiz e amante.

CARTAS DA GUERRA

Esta produção de época foi escolhida por Portugal para representar o país na disputa pelo Oscar de melhor filme estrangeiro, em 2016. Baseado nas cartas reunidas no livro de memórias “D’Este Viver Aqui Neste Papel Descripto”, de António Lobo Antunes, o longa rememora as experiências do autor como médico em Angola durante a guerra colonial, na década de 1970.

SAIU A LISTA DOS INDICADOS AO GLOBO DE OURO

E FOI DADA A LARGADA PARA OS FAVORITOS AO OSCAR 2018: A ASSOCIAÇÃO DE IMPRENSA ESTRANGEIRA DE HOLLYWOOD DIVULGOU HOJE A LISTA COM OS INDICADOS A MELHORES DO ANO NO CINEMA E NA TV.

A fantasia “A Forma da Água” lidera a disputa nas categorias de cinema, com sete indicações – incluindo melhor filme (drama), diretor (Guillermo del Toro, de “O Labirinto do Fauno”) e atriz dramática (a inglesa Sally Hawkins). “The Post: A Guerra Secreta” e “Três Anúncios para um Crime” vêm em seguida, com seis indicações cada.

O aclamado épico de guerra “Dunkirk” continua um dos favoritos da temporada, com chances como melhor filme (drama), direção (Christopher Nolan) e trilha sonora (de Hans Zimmer).

Grande vencedora do Emmy neste ano, “Big Little Lies” recebeu seis indicações: melhor minissérie ou telefilme, atriz (Reese Witherspoon, Nicole Kidman), atriz coadjuvante (Laura Dern, Shailene Woodley) e ator coadjuvante (Alexander Skarsgård) no mesmo formato.

Considerado uma espécie de prévia para a lista dos principais indicados ao Oscar, o Globo de Ouro será entregue no dia 7 de janeiro de 2018 em Los Angeles, com Seth Meyers como mestre de cerimônias.

Confira abaixo a lista completa dos indicados da 75ª edição do Globo de Ouro.

CINEMA

MELHOR FILME (DRAMA)
“Me chame pelo seu nome”
“The Post: A guerra secreta”
Dunkirk” (em pré-venda na 2001)
“A forma da água”
“Três anúncios para um crime”

MELHOR FILME (COMÉDIA OU MUSICAL)
“Artista do Desastre”
Corra!” (disponível na 2001)
“I, Tonya”
“Lady Bird: É Hora de Voar”
“O Rei do Show”

MELHOR DIRETOR
Christopher Nolan – “Dunkirk
Guillermo del Toro – “A Forma da Água”
Martin McDonagh – “Três Anúncios Para um Crime”
Ridley Scott – “All the Money in the World”
Steven Spielberg – “The Post: A Guerra Secreta”

MELHOR ATOR (DRAMA)
Daniel Day-Lewis – “Trama Fantasma”
Denzel Washington – “Roman J. Israel, Esq.”
Gary Oldman – “O Destino de uma Nação”
Timothée Chalamet – “Me Chame pelo Seu Nome”
Tom Hanks – “The Post: A Guerra Secreta”

Gary Oldman está irreconhecível como Winston Churchill em “O Destino de uma Nação” e já é considerado favorito ao Globo de Ouro e ao Oscar de melhor ator

MELHOR ATRIZ (DRAMA)
Frances McDormand – “Três Anúncios Para um Crime”
Jessica Chastain – “A Grande Jogada”
Meryl Streep – “The Post: A Guerra Secreta”
Michelle Williams – “All the Money in the World”
Sally Hawkins – “A Forma da Água”

MELHOR ATOR (COMÉDIA OU MUSICAL)
Ansel Elgort – “Em Ritmo de Fuga” (disponível na 2001)
Daniel Kaluuya – “Corra!
Hugh Jackman – “O Rei do Show”
James Franco – “Artista do Desastre”
Steve Carell – “A Guerra dos Sexos”

Com sua mistura de gêneros (terror, thriller, crítica social), “Corra” foi curiosamente lembrado na categoria de melhor comédia ou musical. O filme pode ser adquirido em DVD a preço promocional na 2001

MELHOR ATRIZ (COMÉDIA OU MUSICAL)
Emma Stone – “A Guerra dos Sexos”
Helen Mirren – “The Leisure Seeker”
Judi Dench – “Victoria e Abdul – O Confidente da Rainha”
Margot Robbie – “I, Tonya”
Saoirse Ronan – “Lady Bird: É Hora de Voar”

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Armie Hammer – “Me Chame pelo Seu Nome”
Christopher Plummer – “All the Money in the World”
Richard Jenkins – “A Forma da Água”
Sam Rockwell – “Três Anúncios para um Crime”
Willem Dafoe – “Projeto Flórida”

Indicado ao Oscar pela primeira vez em 1987, por “Platoon”, o veterano Willem Dafoe é um forte candidato por “Projeto Flórida

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Allison Janney – “I, Tonya”
Hong Chau – “Pequena Grande Vida”
Laurie Metcalf – “Lady Bird: É Hora de Voar”
Mary J. Blige – “Mudbound”
Octavia Spencer – A Forma da Água”

MELHOR ROTEIRO
“A Forma da Água” – Guillermo del Toro
“A Grande Jogada” – Aaron Sorkin
“Lady Bird: É Hora de Voar”- Greta Gerwig
“The Post: A Guerra Secreta” – Liz Hannah, Josh Singer
“Três Anúncios Para um Crime” – Martin McDonagh

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Com Amor, Van Gogh” (em pré-venda na 2001)
“O Poderoso Chefinho”
“O Touro Ferdinando”
“The Breadwinner”
“Viva: A Vida é uma Festa”


Primeiro longa animado realizado somente com pinturas a óleo, “Com Amor, Van Gogh” tem previsão de lançamento em DVD para o final de Janeiro

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
“Em Pedaços”
“First They Killed My Father: A Daughter of Cambodia Remembers”
“Nelyubov”
“The Square”
“Uma Mulher Fantástica”

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
“A Forma da Água” – Alexandre Desplat
Dunkirk” – Hans Zimmer
“The Post: A Guerra Secreta” – Vários
“Trama Fantasma” – Jonny Greenwood
“Três Anúncios Para um Crime” – Carter Burwell

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Remember Me”, de Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez (“Viva – A Vida é uma Festa”)
“Mighty River”, de Raphael Saadiq, Taura Stinson e Mary J. Blige (“Mudbound”)
“This Is Me”, de Justin Paul e Benj Pasek (“O Rei do Show”)
“Home”, de Nick Jonas, Justin Tranter e Nick Monson (“O Touro Ferdinando”)
“The Star”, de Mariah Carey e Marc Shaiman (“A Estrela de Belém”)

TV

MELHOR SÉRIE (DRAMA)
Game of Thrones” (disponível na 2001)
“The Handmaid’s Tale”
“Stranger Things”
The Crown” (disponível na 2001)
This Is Us” (disponível na 2001)

A sétima temporada de “Game of Thrones” recebeu apenas 1 indicação, na categoria principal

MELHOR SÉRIE (COMÉDIA OU MUSICAL)
“Black-ish”
“Master of None”
“SMILF”
“The Marvelous Mrs. Maisel”
“Will & Grace”

MELHOR ATOR (DRAMA)
Bob Odenkirk – “Better Call Saul” (disponível na 2001)
Freddie Highmore – “The Good Doctor”
Jason Bateman – “Ozark”
Liev Schreiber – “Ray Donovan”
Sterling K. Brown – “This Is Us

MELHOR ATRIZ (DRAMA)
Caitriona Balfe – “Outlander”
Claire Foy – “The Crown
Elisabeth Moss – “The Handmaid’s Tale”
Katherine Langford – “13 Reasons Why”
Maggie Gyllenhaal – “The Deuce”

Claire Foy como a rainha Elizabeth II na série “The Crown

MELHOR ATOR (COMÉDIA OU MUSICAL)
Anthony Anderson – “Black-ish”
Aziz Ansari – “Master of None”
Eric McCormack – “Will & Grace”
Kevin Bacon – “I Love Dick”
William H. Macy – “Shameless”

MELHOR ATRIZ (COMÉDIA OU MUSICAL)
Alison Brie – “GLOW”
Frankie Shaw – “SMILF”
Issa Rae – “Insecure”
Pamela Adlon – “Better Things”
Rachel Brosnahan – “The Marvelous Mrs. Maisel”

MELHOR MINISSÉRIE OU TELEFILME
“Big Little Lies”
“Fargo”
“Feud”
“The Sinner”
“Top of the Lake”

MELHOR ATRIZ (MINISSÉRIE OU TELEFILME)
Jessica Biel – “The Sinner”
Jessica Lange – “Feud”
Nicole Kidman – “Big Little Lies”
Reese Witherspoon – “Big Little Lies”
Susan Sarandon – “Feud”

Na minissérie “Feud”, Jessica Lange e Susan Sarandon revivem a lendária rixa entre Joan Crawford e Bette Davis, que atuaram juntas em “O Que Aconteceu com Baby Jane?

MELHOR ATOR (MINISSÉRIE OU TELEFILME)
Robert De Niro – “O mago das mentiras”
Ewan McGregor – “Fargo”
Geoffrey Rush – “Genius”
Jude Law – “The Young Pope”
Kyle MacLachlan – “Twin Peaks”

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE (SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME)
Ann Dowd – “O Conto da Aia”
Chrissy Metz – “This Is Us
Laura Dern – “Big Little Lies”
Michelle Pfeiffer – “O Mago das Mentiras”
Shailene Woodley – “Big Little Lies”

MELHOR ATOR COADJUVANTE (SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME)
Alexander Skarsgård – “Big Little Lies”
Alfred Molina – “Feud”
Christian Slater – “Mr. Robot: Sociedade Hacker” (disponível na 2001)
David Harbour – “Stranger Things”
David Thewlis – “Fargo”