Clássicos do Cinema

NOS LANÇAMENTOS DE NOVEMBRO, FILME NOIR E MAIS CLÁSSICOS DO CINEMA

FILME NOIR VOL. 9 – ED. LIMITADA COM 6 CARDS

No formato digistack, o box com 3 DVDs reúne 7 clássicos inéditos do gênero dirigidos por mestres como Joseph L. Mankiewicz e Michael Curtiz estrelados por astros como James Cagney e Edward G. Robinson. Inclui “Rincão de Tormentas”, que é o primeiro noir britânico lançado na série colecionável da Versátil, e mais um sétimo filme nos extras: “Trágico Álibi” (My Name is Julia Ross, 1945), do genial Joseph H. Lewis (“Gun Crazy”).

DISCO 1:

RINCÃO DE TORMENTAS (Brighton Rock, 1947, 93 min.)
De John Boulting. Com Richard Attenborough, Hermione Baddeley, William Hartnell.

Baseada em um romance do escritor Graham Greene (“Fim de Caso”), essa obra-prima do filme noir britânico mostra a trajetória de Pinkie Brown, o psicótico líder de uma gangue que atua na cidade litorânea de Brighton. Também conhecido como “O Pior dos Pecados”, ganhou uma refilmagem em 2010 com Sam Riley e Helen Mirren.

O AMANHÃ QUE NÃO VIRÁ (Kiss Tomorrow Goodbye, 1950, 103 min.)
De Gordon Douglas. Com James Cagney, Barbara Payton, Helena Carter.

Logo após o fabuloso “Fúria Sanguinária”, James Cagney voltou a viver um gângster violento nesse ótimo filme noir em que o cruel Ralph Cotter foge da prisão e corrompe todos em seu caminho.

DISCO 2:

SANGUE DO MEU SANGUE (House of Strangers, 1949, 101 min.)
De Joseph L. Mankiewicz. Com Edward G. Robinson, Susan Hayward, Richard Conte.

Após sair da prisão, homem deseja se vingar dos irmãos por terem traído seu pai. Melodrama noir que antecipa “O Poderoso Chefão”. Por sua interpretação, Edward G. Robinson ganhou o Prêmio de melhor ator no Festival de Cannes.

SEM SOMBRA DE SUSPEITA (The Unsuspected, 1947, 103 min.)
De Michael Curtiz. Com Claude Rains, Joan Caulfield, Audrey Totter.

Secretária é encontrada morta na casa do patrão, um radialista famoso por ler histórias de mistério e assassinato em seu programa. O que parece ser um suicídio se complica com a chegada de um homem misterioso.

DISCO 3:

CILADA MORTÍFERA (Murder by Contract, 1958, 81 min.)
De Irving Lerner. Com Vince Edwards, Philip Pine, Herschel Bernardi.

Admirado por Martin Scorsese, que fala do filme nos extras, essa pérola noir conta a história do implacável matador de aluguel Claude, cuja eficiência é abalada quando descobre que sua próxima vítima é uma mulher.

A MULHER DILLINGER (Decoy, 1946, 76 min.)
De Jack Bernhard. Com Jean Gillie, Edward Norris, Robert Armstrong.

Uma criminosa reconta como ela e sua quadrilha reviveram um bandido executado na câmara de gás para descobrir onde este enterrou o dinheiro de um assalto. A britânica Jean Gillie vive uma das femmes fatales mais cruéis do filme noir.

EXTRAS:
* “Trágico Álibi” (My Name is Julia Ross, 1945), de Joseph H. Lewis (64 min.)
* Especiais e trailers (35 min.)

EDIÇÃO LIMITADA COM 6 CARDs:

MAIS CLÁSSICOS NA 2001:

DENTRO DA NOITE

Astros da Warner nos anos 1940, George Raft e Humphrey Bogart interpretam irmãos que lutam para sobreviver neste policial noir dirigido por Raoul Walsh (“Fúria Sanguinária”). Explorados pelo patrão, os dois trabalham como motoristas de caminhão e acabam demitidos, o que leva Joe (Raft) a se envolver numa trama de crime com a mal-intencionada Lana Carlsen (Ida Lupino), justamente a mulher de seu ex-patrão.

UM ANJO CAIU DO CÉU

Indicado a 5 Oscar em 1947, incluindo melhor filme e direção (Henry Koster), o clássico apresenta Cary Grant no papel de Dudley, um anjo enviado à Terra para ajudar o bispo Henry Brougham (David Niven) a construir uma nova catedral. Só que as mulheres mais importantes da vida de Henry ficam encantadas com o recém-chegado, causando muitas confusões e ciúmes. Loretta Young, Elsa Lanchester e Karolyn Grimes completam o elenco.

ARTISTAS E MODELOS

Com grande elenco – Dean Martin, Shirley MacLaine, Dorothy Malone e Anita Ekberg -, esta comédia de 1955 marca a primeira parceria entre Jerry Lewis e Frank Tashlin, diretor de inúmeros sucessos do astro. Martin vive escritor de quadrinhos que divide o apartamento com um pintor de paredes interpretado por Lewis. O pintor fala sozinho durante o sono e suas histórias servirão de inspiração para o amigo.

ERA UMA VEZ EM HOLLYWOOD

Fãs de musicais não podem perder este documentário de 1974, que traça um panorama do gênero no cinema desde a década de 1920 até os anos 1950, por meio de cenas e entrevistas com algumas das maiores estrelas da MGM. Nomes como Fred Astaire, Gene Kelly, Bing Crosby e Cyd Charisse apresentam seus momentos musicais favoritos em mais de 50 anos da história de Hollywood. Edição especial com 3 discos.

SUA ÚLTIMA FAÇANHA

Em grande atuação, Kirk Douglas (indicado ao Bafta), encarna Jack Burns, um caubói solitário que tenta ajudar seu amigo Paul Bondi, preso por transportar imigrantes ilegais. Burns deliberadamente deixa-se prender para estar mais próximo de Bondi e depois escapa da prisão, tornando-se um fugitivo. Com roteiro assinado por Dalton Trumbo (“Spartacus”), este western ainda conta com Gena Rowlands e Walter Matthau no elenco.

A MOÇA COM A VALISE

Terceiro longa-metragem de um dos grandes diretores do cinema italiano do pós-guerra, Valerio Zurlini. Indicado à Palma de Ouro no Festival de Cannes em 1961, o filme segue o rito de passagem do adolescente Lorenzo (Jacques Perrin, intérpret do “Totó” adulto em “Cinema Paradiso”), que fará de tudo para conquistar uma bela cantora de cabaré Aida (Claudia Cardinale), que foi enganada por seu irmão, o playboy Marcello.

EDGAR ALLAN POE E H.P.LOVECRAFT, DOIS MESTRES DO HORROR NA 2001

DOIS GRANDES ESCRITORES, RESGATADOS EM TRÊS COLEÇÕES DA VERSÁTIL COM CLÁSSICOS E CULTS DE DIRETORES COMO FEDERICO FELLINI, GEORGE A.ROMERO, JOHN CARPENTER E ROGER CORMAN.

EDGAR ALLAN POE NO CINEMA

DVD duplo com quatro clássicos dirigidos por Roger Corman e inspirados na obra de Edgar Allan Poe (1809-1849), um mestre da literatura gótica. Esta Edição Especial traz os filmes em inéditas versões restauradas e mais de duas horas de extras.

DISCO 1:

MURALHAS DO PAVOR (“Tales of Terror”, 1962, 89 min.)
De Roger Corman. Com Vincent Price, Peter Lorre e Basil Rathbone.

Quatro contos de Poe em três episódios. Em “Morella”, um jovem descobre que seu pai conserva o cadáver da esposa. O segundo episódio condensa “O Gato Preto” e “O Barril de Amontillado” e o último traz “O Caso do Sr. Valdemar”.

OBSESSÃO MACABRA (“Premature Burial”, 1962, 81 min.)
De Roger Corman. Com Ray Milland, Hazel Court e Richard Ney.

No terceiro filme de Corman baseado em Poe, Ray Milland (“Farrapo Humano”) interpreta um homem que tem medo de ser enterrado vivo, como aconteceu com seu pai.

DISCO 2:

O POÇO E O PÊNDULO (“The Pit and the Pendulum”, 1961, 81 min.)
De Roger Corman. Com Vincent Price, Barbara Steele e John Kerr.

Ao saber da repentina morte de sua irmã, Francis Barnard vai ao castelo de seu cunhado, Nicholas Medina, o atormentado filho de um carrasco da Inquisição espanhola. Também conhecido como “A Mansão do Terror”.

O TÚMULO SINISTRO (“The Tomb of Ligeia”, 1964, 81 min.)
De Roger Corman. Com Vincent Price e Elizabeth Shepherd.

Anos após ter enterrado sua amada esposa Ligeia, Verden Fell aceita a se casar com outra mulher. Porém, seu novo casamento é assombrado pela lembrança da falecida. Último filme do ciclo de Corman dedicado à obra de Poe.

EXTRAS:
* Uma noite com Edgar Allan Poe (52 min.) * Depoimento de Roger Corman sobre “Obsessão Macabra” (10 min.)
* Depoimento de Joe Dante sobre “Obsessão Macabra” (10 min.)
* Trailers dos quatro filmes (11 min.)
* Poe no Cinema (28 min.)
* Making of de “O Poço e o Pêndulo” (43 min.)
* Cena excluída de “O Poço e o Pêndulo” (5 min.)

EDGAR ALLAN POE NO CINEMA – VOL. 2

Bela edição com quatro clássicos inspirados na obra de Poe, em inéditas versões restauradas acompanhadas de muitos extras.

O box traz o cult “Histórias Extraordinárias”, composto por três segmentos, dirigidos por Federico Fellini, Roger Vadim e Louis Malle. “Toby Dammit”, de Fellini, é considerado um dos melhores trabalhos do mestre iltaiano – e uma crítica bem humorada e atual ao culto às celebridades.

DISCO 1:

DOIS OLHOS SATÂNICOS (Due occhi diabolici/Two Evil Eyes, 1990, 120 min.)
De George A. Romero e Dario Argento.
Com Adrienne Barbeau, Harvey Keitel, Ramy Zada.

Dois dos maiores mestres do horror no cinema, George A. Romero e Dario Argento, dirigem duas horripilantes histórias baseadas em contos de Poe: “O Estranho Caso do Sr. Valdemar” e “O Gato Preto”.

HISTÓRIAS EXTRAORDINÁRIAS (Histories Extraordinaires, 1968, 120 min.)
De Federico Fellini, Roger Vadim, Louis Malle.
Com Jane Fonda, Brigitte Bardot, Alain Delon.

Os grandes diretores europeus Federico Fellini, Roger Vadim e Louis Malle dirigem três histórias: “Metzengerstein”, “William Wilson” e “Toby Dammit”.

DISCO 2:

O CORVO (The Raven, 1963, 86 min.)
De Roger Corman
Com Vincent Price, Boris Karloff, Peter Lorre.

Inspirado livremente no célebre poema de Poe, O Corvo é o mais divertido dos filmes do ciclo de Roger Corman dedicado ao escritor. Dois bruxos duelam pela supremacia da do mundo da magia.

GATO NEGRO (Gatto Nero, 1981, 92 min.)
De Lucio Fulci
Com Patrick Magee, Mimsy Farmer, David Warbeck.

Os moradores de um vilarejo inglês começam a morrer numa série de acidentes horríveis e um investigador da Scotland Yard passa a investigar o caso. O encontro de Poe com Lucio Fulci, o mestre do gore.

EXTRAS:
* Especial sobre “Dois Olhos Satânicos” (30 min.)
* Depoimentos (17 min.)
* Trailers (10 min)

LOVECRAFT NO CINEMA

Coleção com três clássicos inspirados na obra de H. P. Lovecraft (1890-1937), um dos grandes mestres da literatura de horror, em inéditas versões restauradas, além de um documentário sobre o escritor e quase duas horas de vídeos extras. Lovecraft é um dos escritores favoritos – e influência assumida – de cineastas como Dan O’Bannon (“A Volta dos Mortos Vivos”) e Guillermo del Toro (“O Labirinto do Fauno”).

DISCO 1:

RE-ANIMATOR: A HORA DOS MORTOS-VIVOS (“Re-Animator”, 1985, 86 min.)
De Stuart Gordon. Com Jeffrey Combs, Bruce Abbott, Barbara Crampton.

Baseando-se livremente no conto “Herbert West: Reanimador”, Stuart Gordon criou uma obra-prima do horror, com muito sangue e cenas escatológicas. Inédita versão restaurada com vários extras, incluindo making of e cenas excluídas. Um dos títulos seminais dos anos 1980.

DO ALÉM (“From Beyond”, 1986, 86 min.)
De Stuart Gordon. Com Jeffrey Combs, Barbara Crampton e Ted Sorel.

A partir do conto homônimo de poucas páginas, Stuart Gordon volta ao universo lovecraftiano para mostrar até onde a tecnologia pode transformar o ser humano. O resultado é uma visceral e alucinante mistura de ficção científica e horror, com cenas desconcertantes.

DISCO 2:

À BEIRA DA LOUCURA (“In the Mouth of Madness”, 1994, 95 min.)
De John Carpenter. Com Sam Neill, Julie Carmen e Jürgen Prochnow.

O investigador John Trent é contratado para achar Sutter Cane, um escritor de histórias de terror que, após terminar seu último livro, misteriosamente desapareceu. Brilhante homenagem de Carpenter ao universo literário de Lovecraft.

LOVECRAFT: MEDO DO DESCONHECIDO (Lovecraft: Fear of the Unknown, 2008, 89 min.)
De Frank H. Woodward. Com Neil Gaiman, Guillermo Del Toro e John Carpenter.

Lovecraft é considerado por muitos o pai do horror moderno. A mitologia aterradora criada por ele influencia milhares de criações do gênero até hoje. Este documentário faz uma crônica sobre a vida, a obra e as ideias do autor de “O chamado de Cthulhu”.

EXTRAS:
* Making of de “Re-Animator” (69 min.)
* Trailers (18 min.)
* Cenas excluídas de “Re-Animator” (26 min.)
* Depoimento de Stuart Gordon sobre “Do Além” (9 min.)

EM NOVAS COLEÇÕES DA VERSÁTIL, OBRAS-PRIMAS DO TERROR + VAMPIROS

COM 3 DISCOS E 6 CARDS, O BOX “OBRAS-PRIMAS DO TERROR 7” REÚNE 6 CULTS DE DIFERENTES ÉPOCAS, INCLUINDO UMA NOVA VERSÃO DE “OS INOCENTES” – UM DOS FILMES FUNDAMENTAIS DO GÊNERO.

E não perca também os dois volumes de “Vampiros no Cinema”, com títulos icônicos como o “Nosferatu” de 1922, e raridades – entre elas, “Cronos”, de Guillermo Del Toro, e “Quando Chega a Escuridão”, de Kathryn Bigelow (premiada com o Oscar por “Guerra ao Terror”).

OBRAS-PRIMAS DO TERROR VOL. 7 – ED. LIMITADA COM 6 CARDS

No formato digistack, o box com 3 DVDs reúne uma ótima seleção, com inédita versão restaurada de “Os Inocentes” – considerado um dos maiores filmes de terror de todos os tempos –, o original filme japonês “Kairo” e o drama de horror psicológico inglês “Sintomas”.

Edição Limitada com 6 cards e quase uma hora e meia de extras.

DISCO 1:

OS INOCENTES (The Innocents, 1961, 100 min.)
De Jack Clayton. Com Deborah Kerr, Peter Wyngarde, Megs Jenkins.

Uma governanta, que cuida de duas crianças, acredita que a casa onde moram é assombrada por fantasmas. Com roteiro de Truman Capote, essa obra-prima é baseada no clássico “A Outra Volta do Parafuso”, de Henry James.

UM GRITO DE PAVOR (Taste of Fear/Scream of Fear, 1961, 81 min.)
De Seth Holt. Com Susan Strasberg, Ann Todd, Christopher Lee.

Após sofrer acidente, jovem paralítica volta à casa da família e fica aterrorizada ao ver o corpo do falecido pai pela propriedade. Filme favorito de Christopher Lee, esse terror psicológico é uma das melhores produções da Hammer.

DISCO 2:

KAIRO (Pulse, 2001, 119 min.)
De Kiyoshi Kurosawa. Com Haruhiko Kato, Kumiko Aso, Koyuki.

Dois grupos descobrem evidências que sugerem que espíritos podem estar tentando invadir o mundo através da internet. Uma obra original e desconcertante do japonês Kiyoshi Kurosawa (“A Cura”), um dos mestres do J-Horror.

SINTOMAS (Symptoms, 1974, 92 min.)
De José Ramón Larraz. Com Angela Pleasence, Peter Vaughan, Lorna Heilbron.

Uma jovem é convidada pela amiga para passar uma temporada em sua casa de campo na Inglaterra. Mas tanto a casa como a amiga não são o que parecem ser. Fascinante terror psicológico do espanhol José Ramón Larraz (de “As Filhas de Drácula”).

DISCO 3:

A MANSÃO DA MEIA-NOITE (House of the Long Shadows, 1983, 102 min.)
De Peter Walker. Com Vincent Price, Christopher Lee, Peter Cushing.

Um escritor vai para uma remota mansão com o desafio de escrever um romance em 24 horas. Ao chegar, conhece os estranhos moradores do local. Ótimo terrir que reúne os monstros sagrados Vincent Price, Christopher Lee e Peter Cushing.

CALAFRIO (Willard, 1970, 95 min.)
De Daniel Mann. Com Bruce Davison, Elsa Lanchaster, Sondra Locke.

Um tímido e problemático rapaz ensina seus ratos de estimação a atacar seus inimigos. Refilmado em 2003 como “A Vingança de Willard”, esse cult-movie inspirou diversos outros filmes de terror com animais assassinos.

EXTRAS:
* Especiais sobre os filmes (80 min.)
* Trailers (9 min.)

EDIÇÃO LIMITADA COM 6 CARDs:

VAMPIROS NO CINEMA

No formato digistack, o DVD duplo reúne 4 clássicos de vampiro, todos em versões restauradas, além de mais de duas horas de extras, incluindo documentários e depoimento de Guillermo Del Toro.

DISCO 1:

NOSFERATU (“Nosferatu, eine Symphonie des Grauens”, 1922, 96 min.)
De F. W. Murnau. Com Max Schreck e Greta Schröder.

A obra-prima de Murnau é apresentada em inédita versão restaurada, acompanhada de um excelente documentário sobre a produção.

CRONOS (Idem, 1993, 92 min.)
De Guillermo Del Toro. Com Federico Luppi e Ron Perlman.

Cultuada estreia de Guillermo Del Toro (de “O Labirinto do Fauno”) na direção, “Cronos” é um filme de vampiro sombrio e muito original.

DISCO 2:

QUANDO CHEGA A ESCURIDÃO (“Near Dark”, 1987, 94 min.)
De Kathryn Bigelow. Com Jenny Wright, Lance Henriksen e Bill Paxton.

Após ser mordido por uma garota, o filho de um fazendeiro entra para um grupo de vampiros que viaja pelos EUA atrás de sangue fresco. Direção de Kathryn Bigelow (“Guerra ao Terror”).

A NOITE DOS DEMÔNIOS (“La Notte dei Diavoli”, 1972, 93 min.)
De Giorgio Ferroni. Com Gianni Garko e Agostina Belli.

Brilhante adaptação do conto que deu origem ao episódio “O Wurdalak” de “As Três Máscaras do Terror”, de Mario Bava.

EXTRAS:
* Documentário “Nosferatu – a Linguagem das Sombras” (53 min.)
* Trailers (5 min.)
* Cena excluída de “Quando Chega a Escuridão” (2 min.)
* Making of de “Quando Chega a Escuridão” (47 min.)
* Depoimento de Guillermo Del Toro (17 min.)

VAMPIROS NO CINEMA VOL. 2 – ED. LIMITADA COM 4 CARDS

DVD duplo com 4 clássicos filmes de vampiro da década de 1970, todos em inéditas versões restauradas, além de uma hora de extras, incluindo especiais sobre os filmes.

DISCO 1:

BLACULA, O VAMPIRO NEGRO (Blacula, 1972, 93 min.)
De William Crain. Com William Marshall, Vonetta McGee, Denise Nicholas.

Um antigo príncipe africano, que foi transformado em vampiro pelo próprio Drácula, vai parar na Los Angeles dos anos 1970. Cult vampiresco da Blaxploitation com atuação icônica de William Marshall como o vampiro negro.

NAS SOMBRAS DA NOITE (House of Dark Shadows, 1970, 97 min.)
De Dan Curtis. Com Jonathan Frid, Grayson Hall, Kathryn Leigh Scott.

Após séculos, o vampiro Barnabas Collins é acidentalmente libertado de seu caixão e passa a conviver com seus descendentes na mansão da família. Primeiro filme baseado em uma série de TV, refilmado depois como “Sombras da Noite” (2012) por Tim Burton.

DISCO 2:

CAPITÃO KRONOS – O CAÇADOR DE VAMPIROS (Captain Kronos – Vampire Hunter, 1974, 90 min.)
De Brian Clemens. Com Horst Janson, John Carson, Shane Briant.

Um ex-soldado espadachim e seu assistente corcunda caçam vampiros nesta fantasia de época. Incompreendido na época de seu lançamento, essa inventiva produção tardia da Hammer se tornou um cult-movie com o tempo.

CONDE YORGA, VAMPIRO (Count Yorga, Vampire, 1970, 93 min.)
De Bob Kelljan. Com Robert Quarry, Roger Perry, Michael Murphy.

Um casal convida um imigrante para fazer uma reunião mediúnica para contatar um parente falecido, sem saber que o convidado é um vampiro. Com atuação memorável de Robert Quarry, esse é um dos filmes de vampiro mais originais dos anos 1970.

EXTRAS:
* Especiais (49 min.)
* Trailers (10 min.)

EDIÇÃO LIMITADA COM 4 CARDs:

E VEJA TAMBÉM:

OS VAMPIROS DE SALEM

Dirigida pelo especialista Tobe Hooper (de “O Massacre da Serra Elétrica”), a minissérie é baseada em “A Hora do Vampiro” (1975), o segundo romance de Stephen King. No elenco, estão David Soul (da série “Starsky & Hutch – Justiça em Dobro”) e James Mason (“Cinco Dedos”).

Quando menino, Ben Mears ficou traumatizado com os horrores escondidos na mansão Marsten, localizada em sua cidade natal, Salem’s Lot. Agora adulto e escritor, Ben resolve voltar à cidade para escrever um livro sobre a mansão, a fim de superar seus antigos medos. Mas ele não desconfia que agora a mansão seja habitada por vampiros.

Com ótima direção de Hooper, atmosfera de terror muito bem construída e diversas cenas antológicas, “Os Vampiros de Salem” é mais uma adaptação da obra de King que merece ser conhecida, especialmente pelos fãs do escritor de “Carrie” e “O Iluminado”.

10 LANÇAMENTOS PARA OS FÃS DE CLÁSSICOS DO CINEMA

DESAPARECIDO – UM GRANDE MISTÉRIO

Baseado em fatos reais, este thriller político do cineasta franco-grego Costa-Gavras (“Z“) recebeu a Palma de Ouro no Festival de Cannes e o Oscar de melhor roteiro adaptado. Na trama, um jovem jornalista americano (John Shea) desaparece no Chile durante o golpe de estado liderado por Augusto Pinochet, em 1973. Seu pai (Jack Lemmon, também premiado em Cannes) vai até o país e, ao lado da esposa do rapaz (papel de Sissy Spacek), busca informações sobre seu paradeiro.

ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE

Enquanto não estreia nos cinemas a nova adaptação da obra de Agatha Christie, com direção de Kenneth Baranagh, vale a pena ver (ou rever) a versão de 1974, premiada com o Oscar de melhor atriz coadjuvante para Ingrid Bergman. Sidney Lumet (“Rede de Intrigas“) conduz um elenco de estrelas, com Albert Finney no papel de Hercule Poirot, inspetor belga que tenta desvendar um intrigante caso de assassinato a bordo do Expresso Oriente.

STANLEY KUBRICK – THE NOIR COLLECTION

DVD com dois filmes do início de carreira do genial diretor de “2001: Uma odisseia no Espaço“. Em “A Morte Passou Perto” (1955), seu segundo longa-metragem, um boxeador nova-iorquino começa a correr perigo quando ele decide proteger uma dançarina de cabaré envolvida com um gangster. Já em “O Grande Golpe” (1956), considerado um dos grandes filmes noir da história, um ex-presidiário (Sterling Hayden) planeja um assalto durante a corrida de cavalos mais importante do ano.

O CONTO DO CZAR SALTAN

Imortalizado na ópera de Rimsky-Korsakov, o célebre poema de Aleksandr Pushkin é transposto para a tela por Aleksander Ptushko, diretor russo especializado em efeitos especiais de animação stop motion. Em clima de fábula, “O Conto do Czar Saltan” narra a saga do príncipe Gvidon, que é jogado ao mar junto com sua mãe czarina após ser traída pelas irmãs dela. Com a ajuda de um cisne encantado que realiza seus desejos, o príncipe inicia uma fantástica aventura em busca do pai.

PRÍNCIPE VALENTE

Henry Hathaway (“Bravura Indômita“) dirige esta aventura de capa e espada baseada nas histórias em quadrinhos de Harold “Hal” Foster, com Robert Wagner na pele do herói, Janet Leigh no papel da mocinha e James Mason como o vilão Cavaleiro Negro. Quando atinge a maioridade, o príncipe é enviado por seu pai a Camelot para se tornar cavaleiro, mas é atacado por um desconhecido.

SATÃ JANTA CONOSCO

Clássica comédia baseada em sucesso da Broadway, com Monty Woolley repetindo no cinema o papel de um famoso (e manipulador) autor fictício, Sheridan Whiteside. Após sofrer uma fratura, ele fica obrigado a ficar na casa dos Stanley, em Ohio, e transforma a vida de todos num inferno. Bette Davis interpreta sua secretária, Maggie Cutler.

E VEJA TAMBÉM:
Box Bette Davis

CONSCIÊNCIAS MORTAS

Dirigido por William Wellman (“Beau Geste”), este western trata de um tema universal: a justiça com as próprias mãos. Henry Fonda interpreta um forasteiro que tenta impedir o linchamento dos supostos assassinos de um fazendeiro na pequena cidade de Ox-Bow. Um dos melhores faroestes psicológicos já realizados, indicado ao Oscar de melhor filme em 1944.

QUANDO UM HOMEM É HOMEM

Este western cômico marca a quarta de cinco parcerias entre John Wayne e Maureen O’Hara (“Depois do Vendaval“) e é livremente inspirado em “A Megera Domada”, de Shakespeare. O “Duke” dá vida a George Washington McLintock, um altivo barão do gado que entra em guerra com sua teimosa esposa Katherine (O’Hara), que o abandonou dois anos antes.

AO COMPASSO DO AMOR

Em seu primeiro filme juntos, Fred Astaire e Rita Hayworth interpretam dois parceiros de dança. Os dois formam triângulo amoroso com um produtor casado (Robert Benchley) que está interessado na moça. Musical indicado ao Oscar de melhor trilha sonora e canção original – “Since I Kissed My Baby Goodbye”, de Cole Porter.

NAS ÁGUAS DA ESQUADRA

O quinto de dez musicais com a dupla Fred Astaire e Ginger Rogers na tela, com trilha musical de Irving Berlin e canções como “Let’s Face The Music And Dance” e “Let Yourself Go”. A história acompanha o marinheiro e ex-dançarino Bake Baker (Astaire), que tenta reacender a chama com sua antiga parceira, Sherry Martin (Rogers).

E VEJA TAMBÉM:
Box Fred e Ginger

GRANDES CLÁSSICOS DE SAMURAI EM COLEÇÕES IMPERDÍVEIS DA VERSÁTIL

COM três DISCOS, O BOX “CINEMA SAMURAI – VOL.6” TRAZ SEIS CLÁSSICOS JAPONESES – E UM DELES É UMA RARIDADE DE KENJI MIZOGUCHI, “A ESPADA BIJOMARU”. E CONFIRA AINDA OS CINCO VOLUMES ANTERIORES, AGORA COM PREÇO PROMOCIONAL.

Além das coleções temáticas, do volume 1 ao 5, mais dois títulos da Versátil retornam ao catálogo em promoção: “Musashi – Trilogia Samurai“, uma das maiores sagas do cinema japonês – premiada com o Oscar de melhor filme estrangeiro (para a 1ª parte) -, e “Lobo Solitário“, a cinessérie completa baseada no mangá de Kazuo Koike e Goseki Kojima.

CINEMA SAMURAI 6

Box no formato digistack com 3 discos, reunindo 6 clássicos dirigidos por mestres do cinema japonês, como Kenji Mizoguchi (“47 Ronins”), Hideo Gosha (“Tirania”) e Kihachi Okamoto (“Espada da Maldição”), com Toshiro Mifune, Tatsuya Nakadai, Kinnosuke Nakamura, Sonny Chiba, entre outros, no elenco.

DISCO 1:

ESPADA DO DESESPERO (Hisshiken Torisashi, 2010, 114 min.)
De Hideyuki Hirayama. Com Etsushi Toyokawa, Chizuru Ikewaki, Koji Kikkawa.

Após cumprir prisão domiciliar por matar a consorte do seu senhor, um habilidoso samurai retorna ao seu clã. Um dos melhores chambaras dos últimos anos, baseado em romance do escritor de “O Samurai do Entardecer”.

O GRANDE ATENTADO (Dai Satsujin, 1964, 118 min.)
De Eiichi Kudo. Com Koutaro Satomi, Ryutaro Ohtomo, Mikijiro Hara, Toru Abe.

Um conselheiro conspira para o irmão do Xogum assumir o poder. Porém, um grupo de samurais tentará impedir o seu plano. Com “13 Assassinos” e “Onze Samurais”, este clássico forma a célebre Trilogia da Revolução Samurai.

DISCO 2:

LEÃO VERMELHO (Akage, 1969, 117 min.)
De Kihachi Okamoto. Com Toshiro Mifune, Shima Iwashita, Etsushi Takahashi.

No crepúsculo do xogunato, um camponês volta ao seu vilarejo após 10 anos, personificando um oficial do Império ao usar a “juba do leão vermelho”. O astro Toshiro Mifune num dos grandes papéis de sua carreira.

VINGANÇA (Adauchi, 1964, 104 min.)
De Tadashi Imai. Com Kinnosuke Nakamura, Tetsuro Tamba, Yoshiko Mita.

Após matar um oficial num duelo ilegal, um samurai de baixo escalão é desafiado pelo irmão do falecido. No estilo de “Juramento de Obediência” e “Harakiri”, este é mais um influente jidaigeki cruel de Tadashi Imai. Do mesmo roteirista de “Rashomon”.

DISCO 3:

CAÇADORES DAS TREVAS (Yami no Karyudo, 1979, 137 min.)
De Hideo Gosha. Com Tatsuya Nakadai, Sonny Chiba, Tetsuro Tamba, Keiko Kishi.

Japão, século XVIII. Um ronin caolho impressiona um chefe yakuza, que o contrata como guarda-costas. Hipnotizante mescla de chambara e de filme de yakuza dirigida pelo mestre Hideo Gosha. Conhecido também como “Hunter in the Dark”.

A ESPADA BIJOMARU (Meito Bijomaru, 1945, 64 min.)
De Kenji Mizoguchi. Com Shotaro Hanayagi, Kan Ishii, Eijiro Yanagi, Isuzu Yamada.

O ferreiro Kiyone oferece uma espada a Onoda, o seu benfeitor, mas a lâmina quebra durante um combate e o vexame traz graves consequências para os dois. Uma raridade do genial Kenji Mizoguchi (“Contos da Lua Vaga”).

EXTRAS:
* Depoimento de Kaneto Shindo sobre Mizoguchi (10 min).

COMPLETE SUA COLEÇÃO

(Em promoção por tempo limitado):

CINEMA SAMURAI

DISCO 1:
13 ASSASSINOS
A LANÇA ENSANGUENTADA

DISCO 2:
REBELIÃO
TRÊS SAMURAIS FORA DA LEI

DISCO 3:
OS SETE REBELDES
ASSASSINATO

CINEMA SAMURAI II

DISCO 1:
A ESPADA DA MALDIÇÃO
A LÂMINA DIABÓLICA

DISCO 2:
SAMURAI ASSASSINO
A ESPADA DO MAL

DISCO 3:
TIRANIA
O FILHO DO DESTINO

CINEMA SAMURAI III

DISCO 1:
OS ÚLTIMOS SAMURAIS
OS HOMENS QUE PISARAM NA CAUDA DO TIGRE

DISCO 2:
A CONSPIRAÇÃO DO CLÃ YAGYU
A TRAIÇÃO

DISCO 3:
HITOKIRI – O CASTIGO
HUMANIDADE E BALÕES DE PAPEL

CINEMA SAMURAI IV

DISCO 1:
A ÚLTIMA ESPADA
LOBO SAMURAI

DISCO 2:
JURAMENTO DE OBEDIÊNCIA
LOBO SAMURAI 2

DISCO 3:
CRÔNICAS DOS SHINSENGUMI
GUERRA DE ESPIÕES

CINEMA SAMURAI V

DISCO 1:
O SAMURAI DO ENTARDECER
O SEGREDO DA URNA

DISCO 2:
A ESPADA OCULTA
ONZE SAMURAIS

DISCO 3:
HONRA DE SAMURAI
ENCONTRO DE GIGANTES

E VEJA TAMBÉM:

MUSASHI – TRILOGIA SAMURAI

A mais famosa adaptação para o cinema do romance épico “Musashi”, de Eiji Yoshikawa, narra as aventuras do lendário samurai Miyamoto Musashi (1584-1645), um dos heróis nacionais do Japão. O grande ator Toshiro Mifune (“Rashomon”) interpreta Musashi nessa superprodução dirigida por Hiroshi Inagaki (de “O Homem do Riquixá”). A primeira parte da trilogia ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1956. Coleção com 3 discos.

LOBO SOLITÁRIO – A SÉRIE DE CINEMA COMPLETA

Mais um box da Versátil com 3 discos, reunindo 6 cultuados filmes dos anos 1970 baseados no clássico mangá de Kazuo Koike e Goseki Kojima. No Japão do século XVII, o samurai Itto Ogami – o executor oficial do Xogum – é vítima de uma conspiração do clã Yagyu e tem a esposa assassinada. Acusado de traição, ele cai em desgraça e, ao lado do filho Daigoro, sai em busca de vingança, tornando-se o mercenário Lobo Solitário. Esta cinessérie influenciou nomes como Quentin Tarantino, John Carpenter e Frank Miller.

COLEÇÃO NELSON PEREIRA DOS SANTOS – VOL.1, UM DOS LANÇAMENTOS DO ANO

COM 5 DISCOS E INÚMEROS EXTRAS, O BOX RESGATA OS PRIMEIROS TRABALHOS DO CINEASTA, REALIZADOS ENTRE 1956 A 1967, INCLUINDO “VIDAS SECAS” – UM DOS MAIORES FILMES BRASILEIROS DO SÉCULO 20 – E O RARO “EL JUSTICERO”, LONGA APREENDIDO PELA DITADURA MILITAR.


Nascido na capital paulista, em 1928, Nelson Pereira dos Santos é um dos fundadores do Cinema Novo, movimento cinematográfico brasileiro influenciado pelo neorrealismo italiano nos anos 1950. Amante da literatura brasileira, o artista construiu, ao longo de seis décadas, uma das carreiras mais produtivas e influentes de nosso cinema, com quase 30 títulos.

Diretor, produtor, roteirista, montador, ator e professor, Nelson soube explorar em seu trabalho o diálogo entre realidade e ficção. Influenciado pelo neorrealismo e pela leitura de Jorge Amado, colocava sempre na tela um Brasil da gente do povo, um país não só de desigualdades, mas de uma imensa riqueza cultural.

Restaurados pela Afinal Filmes, os longas da coleção vêm acompanhados de extras inéditos, como “O filme de Grande Otelo”, “Neorrealismo menor” e o curta “Meu Compadre Zé Ketti”, entre outros. A cópia do raro “El Justicero”, por exemplo, foi restaurada a partir de película em 16mm que sobreviveu à censura militar durante a ditadura.

Marco do Cinema Novo, “Rio 40 Graus” (1955), sua estreia na direção de longa, ficou de fora, pois seus negativos não foram encontrados, o que gerou um litígio entre Nelson e a Cinemateca Brasileira, onde estavam depositados para restauro. Com exceção de “Vidas Secas“, os filmes são inéditos em DVD, e mais três caixas com ciclos cronológicos – abrangendo a produção do cineasta de 1967 a 2012 – virão até o aniversário de 90 anos de Nelson, em 2018.

Homenageado na 50ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro deste ano, Nelson foi o primeiro cineasta eleito para integrar o grupo de imortais da Academia Brasileira de Letras, em 2006.

RIO, ZONA NORTE (1956, P&B, 86 min)

Livremente inspirado na vida do músico Zé Keti (amigo de Nelson), o longa é narrado em flashback e segue o compositor Espírito da Luz Soares (papel de Grande Otelo), que sonha ter um samba gravado por Angela Maria, a Rainha do Rádio.

Extras: O filme de Grande Otelo, Neorrealismo menor, “Meu compadre Zé Ketti” (curta, 11 min), filmografia.

MANDACARU VERMELHO (1960, P&B, 76 min)

Definido como um “nordestern” segundo Nelson Pereira dos Santos, o filme traz o próprio diretor no papel de um vaqueiro que se apaixona por uma moça nordestina. Como ela estava prometida a outro homem, os dois fogem e são perseguidos pela família vingativa da jovem.

Extras: Aprendizado, filmografia.

BOCA DE OURO (1963, P&B, 102 min)

Personagem criado por Nelson Rodrigues em peça homônima, o bicheiro – em interpretação marcante de Jece valadão – tem suas lendas desbravadas por um repórter que entrevista uma das amantes do malandro carioca, Guigui (Odete Lara). É ela quem conta três versões diferentes da vida do personagem.

Extras: Um desafio, O barulho da câmera, “Um moço de 74 anos” (doc. 11 min), biobibliografia de Nelson Rodrigues, filmografia.

VIDAS SECAS (1963, P&B, 103 min)

Clássico absoluto do Cinema Novo adaptado do livro de Graciliano Ramos. Uma família de retirantes zanza pelo Nordeste em busca de dignidade, comida e trabalho. Com expressiva fotografia de Luiz Carlos Barreto, o filme concorreu à Palma de Ouro em Cannes ao lado de “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1964) e levou o prêmio OCIC no mesmo festival. Um filme fundamental para entender o cinema brasileiro.

Extras: Como se morre no cinema, Auto-retrato aos 56 anos, filmografia.

EL JUSTICERO (1967, P&B, 80 min)

Banido durante a ditadura, este clássico “perdido” ataca abertamente o regime militar por meio da sátira social em torno de um playboy de Ipanema (e, mais importante, filho de um general) que se julga protetor das mulheres indefesas e dos fracos e oprimidos. Baseado em romance de João Bethencourt, o filme mostra Nelson influenciado pela Nouvelle vague, com cortes e descontinuidades narrativas atípicas até então em seu trabalho.

Extras: Um presente de Leon Hirszman, Censura na ditadura, Acontecia muita coisa, Nos tempos do Solar da Fossa, bibibliografia de João Bethencourt, filmografia.

DO MESMO DIRETOR NA 2001:
Memórias do Cárcere (1984)
A Luz do Tom (2013)
A Música Segundo Tom Jobim + A Luz do Tom (2012/2013)

INVASÃO ZUMBI NA 2001

DUAS GRANDES COLEÇÕES DA VERSÁTIL GANHAM AINDA MAIS RELEVÂNCIA APÓS A MORTE DE GEORGE A.ROMERO (EM 16 DE JULHO), CONSIDERADO O PAI DOS FILMES DE ZUMBI MODERNOS. ROMERO DIRIGIU E COESCREVEU “A NOITE DOS MORTOS VIVOS” — CLÁSSICO INCLUÍDO NO VOLUME 2 –, UM MARCO DESSE SUBGENÊRO DO CINEMA DE HORROR.

ZUMBIS NO CINEMA

O DVD duplo reúne 4 dos maiores filmes de zumbi de todos os tempos – incluindo “A Noite dos Mortos Vivos”, a seminal obra-prima de George A.Romero (1940-2017) –, todos em inéditas versões restauradas, mais uma hora de extras, com entrevistas com os diretores.

DISCO 1:

A NOITE DOS MORTOS VIVOS (“Night of the Living Dead”, 1968)
De George A. Romero. Com Duane Jones e Judith O’Dea.

No interior dos Estados Unidos, um grupo de pessoas se refugia numa casa de fazenda, tentando sobreviver ao ataque feroz de mortos vivos comedores de gente. Primeiro grande filme de zumbi da história – e um marco do cinema de horror.

NÃO SE DEVE PROFANAR O SONO DOS MORTOS” (“No profanar el sueño de los muertos”, 1974)
De Jorge Grau. Com Cristina Galbó, Ray Lovelock e Arthur Kennedy.

Um policial persegue dois jovens suspeitos de assassinatos. Porém, os verdadeiros culpados são mortos-vivos. Influenciado por “A Noite dos Mortos Vivos”, Jorge Grau realizou um clássico do horror europeu. Também conhecido como “Zumbi 3”.

DISCO 2:

A NOITE DO TERROR CEGO (“La Noche del Terror Ciego”, 1972)
De Armando de Ossorio. Com César Burner e Lone Fleming.

Um grupo de amigos passa o final de semana em Portugal, onde, nas ruínas de um mosteiro, são vítimas de mortos-vivos cegos, que foram antigos cavaleiros templários. Esse cult exploitation do mestre Ossorio é um dos mais originais filmes de zumbi da história.

A NOITE DOS ARREPIOS (“Night of the Creeps”, 1986)
De Fred Dekker. Com Jason Lively, Tom Atkins e Steve Marshall.

Jovens universitários são infectados por parasitas espaciais que se alimentam do cérebro dos hospedeiros e os transformam em zumbis. Um clássico dos anos 80, esse divertido filme de zumbi é uma grande homenagem aos filmes B dos anos 40 e 50.

EXTRAS:

* Conversa com George A. Romero (16 min.)
* Entrevista em áudio de Duane Jones (16 min.)
* Final alternativo de “A Noite dos Arrepios” (30 seg.)
* Trailer e Spots de TV de “A Noite dos Mortos Vivos” (3 min.)
* Depoimento de Jorge Grau (21 min.)
* Trailer de “Não se Deve Profanar o Sono dos Mortos” (4 min.)
* Entrevista de Armando de Ossorio (10 min.)
* Abertura alternativa de “A Noite do Terror Cego” (2 min.)
* Trailer de “A Noite do Terror Cego” (2 min.)
* Trailer de “A Noite dos Arrepios” (2 min.)

ZUMBIS NO CINEMA 2

DVD duplo reunindo quatro filmes realizados entre os anos 1970 e 80 – dois deles cults: “Enraivecida, na Fúria do Sexo” (1974), longa de David Cronenberg chamado de “terror venéreo”, com a ex-atriz pornô Marilyn Chamber, e “A Volta dos Mortos-Vivos”, dirigido por Dan O’Bannon (roteirista de “Alien, o Oitavo Passageiro”) – e uma homenagem ao cinema de George A. Romero, misturando cenas gore e humor negro.

DISCO 1:

A VOLTA DOS MORTOS-VIVOS (“The Return of the Living Dead”, 1985, 91 min.)
De Dan O’Bannon. Com Clu Gulager, James Karen e Don Calfa.

Dois funcionários de um armazém liberam acidentalmente um gás mortal no ar, reanimando os mortos de um cemitério próximo. Um dos maiores clássicos do horror nos anos 1980 e uma divertida homenagem ao mestre Romero.

ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO (“Rabid”, 1974, 91 min.)
De David Cronenberg. Com Marilyn Chambers, Frank Moore e Joe Silver.

Mulher sofre grave acidente e, após uma cirurgia experimental, é possuída por uma sede de sangue insaciável, espalhando um vírus mortal. Filme de zumbi venéreo do mestre David Cronenberg com a estrela pornô Marilyn Chambers.

DISCO 2:

PAVOR NA CIDADE DOS ZUMBIS (“Paura nella città dei morti viventi”, 1981, 93 min.)
De Lucio Fulci. Com Christopher George, Catriona MacColl e Carlo De Mejo.

Cidade de Dunwich. Uma força maligna é libertada após o suicídio de um padre, que se enforcou no cemitério da igreja. Primeiro filme da célebre Trilogia do Inferno do mestre absoluto do gore Lucio Fulci (“Terror nas Trevas”).

NOITES DE TERROR (“Le notti del terrore/Burial Ground”, 1981, 85 min.)
De Andrea Bianchi. Com Karin Well, Gianluigi Chirizzi e Simone Mattioli.

Durante uma escavação, um professor acidentalmente desperta zumbis etruscos que, famintos por carne humana, atacam um grupo de jovens na vizinhança. Deliciosa pérola trash do ciclo zumbi spaghetti do cinema italiano de horror.

EXTRAS:

* Making of de “Pavor na Cidade dos Zumbis” (32 min.)
* Making of de “A Volta dos Mortos-Vivos” (21 min.)
* Os zumbis de “A Volta dos Mortos-Vivos” (14 min.)
* Entrevista de David Cronenberg (21 min.)
* Trailers (20 min.)

SESSÃO NOSTALGIA, COM CLÁSSICOS DA VELHA GUARDA NA 2001

 

TEMPERO DO AMOR

Um dos vários sucessos de Doris Day (ainda viva, aos 95 anos) nos anos 1960. Na trama, a atriz interpreta uma dona-de-casa casada com o médico Gerald (James Garner, seu parceiro também em “Eu, Ela e a Outra“), até que sua vida pacata muda ao ser contratada para fazer comerciais de sabão na televisão, tornando-se uma celebridade televisiva. Para desgosto de seu competitivo marido, agora obrigado a fazer sua própria comida e a cuidar dos filhos.

DUAS MULHERES

Baseado em livro de Alberto Moravia, este clássico dirigido por Vittorio De Sica é um dos marcos do neorealismo italiano. Por sua avassaladora atuação como uma mulher que luta para sobreviver ao lado da filha adolescente, durante a Segunda Guerra Mundial, Sophia Loren conquistou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes e o Oscar da Academia. O filme é um vigoroso depoimento sobre os efeitos da guerra sobre as pessoas comuns.

…E O VENTO LEVOU 2

Produção para TV premiada com o Emmy, com dois atores britânicos, Joanne Whalley (“Escândalo”) e o ex-007 Timothy Dalton (“Penny Dreadful”), enfrentando o desafio de assumir os papéis de Vivien Leigh e Clark Gable no clássico de 1939. Escrita por Alexandra Ripley após a morte de Margaret Mitchell — autora do livro que deu origem a “…E o Vento Levou” –, esta continuação parte de onde a saga de Scarlett e Rhett terminou, com a protagonista tentando reconquistar seu amor do passado.

DÁ-ME UM BEIJO

Dirigido por George Sidney (“(Marujos do Amor”), o filme é uma adaptação do sucesso da Broadway “Kiss me Kate”, de 1948, por sua vez inspirado em “A Megera Domada” de William Shakespeare. Indicado ao Oscar de melhor trilha sonora, “Dá-me um Beijo” apresenta Howard Keel e Kathryn Grayson como intérpretes dos ex-cônjugues briguentos numa versão musical da peça do bardo inglês. Destaque ainda para a trilha com 14 canções de Cole Porter.

SUA MAJESTADE, O AVENTUREIRO

Uma das inúmeras aventuras estreladas por Burt Lancaster após o sucesso do capa e espada “O Gavião e a Flecha” (1950). O ator dá vida ao ambicioso Capitão David O’Keefe, que parte de Hong Kong para procurar a valiosa copra (polpa seca do coco) nos Mares do Sul, em 1870. Depois de enfrentar um motim, ele é abandonado por sua tripulação em um pequeno barco no meio do nada, até ser resgatado por habitantes de uma ilha da Polinésia.

UMA BATALHA NO INFERNO

Clássico de guerra dirigido por Ken Annakin (“O Mais Longo dos Dias”) e estrelado por grande elenco: Henry Fonda, Robert Shaw, Charles Bronson e Telly Savalas (indicado ao Globo de Ouro de ator coadjuvante). A história é ambientada no final da Segunda Guerra, quando remanescentes do exército nazista planejam um ataque surpresa às forças aliadas. Somente um experiente oficial americano alerta seus superiores sobre a possibilidade de uma última ofensiva em massa do inimigo.

A VOLTA AO PARAÍSO

Baseado no conto “Mr. Morgan”, do livro “Return to Paradise” de James A. Michener, o filme tem direção de Mark Robson (“A Caldeira do Diabo”, “A Morada da Sexta Felicidade”). Nele, Gary Cooper interpreta Morgan, um aventureiro americano que entra em choque com um missionário autoritário (Barry Jones) na ilha de Samoa, no Pacífico Sul. Coproduzido por Robert Wise, este clássico de 1953 tem trilha sonora de Dimitri Tiomkin.

ZORRO – 2º TEMPORADA COMPLETA

Mais uma temporada da clássica série de TV estrelada por Guy Williams (o Prof. John Robinson de “Perdidos no Espaço”) entre 1957 e 1961. O lendário vingador mascarado luta para corrigir as injustiças de seu povo, e sua identidade secreta é conhecida apenas por seu fiel criado, Bernardo. Ele mantém seu disfarce vivendo como o inofensivo Don Diego de la Vega, filho de um nobre local.

PAIXÃO DOS FORTES

O mítico tiroteio ocorrido na região de Tombstone (no famoso “O.K. Corral”) em 1881 — retratado depois em filmes como “Tombstone” (1993) e “Wyatt Earp” (1994) — ganha sua versão definitiva neste clássico do mestre John Ford. O enredo é centrado na figura de Wyatt Earp (Henry Fonda), que se torna xerife de Tombstone após o assassinato de um de seus três irmãos. Dividido entre o distintivo e sua fúria, ele e seu amigo Doc Holliday (Victor Mature) enfrentam a família fora-da-lei do Velho Clanton (Walter Brennan).

VEJA TAMBÉM:
Faroestes de John Ford

A MARCA DA FORCA

Oklahoma, 1873. Jed Cooper (Clint Eastwood) é confundido com um assassino e acaba linchado por um corrupto “homem-da-lei”, o Capitão Wilson (Ed Begley), e seu grupo de vigilantes. Em busca de justiça – e vingança -, Cooper aceita um trabalho de oficial local e caça, um a um, todos os nove homens que quase o mataram. Primeiro faroeste com Eastwood como protagonista no cinema americano — ele havia estrelado antes apenas a série “Rawhide” (1959-1965) e western spaguettis na Europa.

E:
Coleção Clássicos do Faroeste

 

“SAM PECKINPAH – O POETA DA VIOLÊNCIA”, COLEÇÃO COM 4 FILMES DO DIRETOR

“Sempre me criticam por incluir violência nos meus filmes. Mas, quando a abandono, ninguém sequer assiste ao filme”.

GRANDE INFLUÊNCIA DE CINEASTAS COMO QUENTIN TARANTINO, JOHN WOO E ROBERT RODRIGUEZ, SAM PECKINPAH (1925-1984) TEM QUATRO TRABALHOS DE SUA FASE FINAL REUNIDOS NO BOX QUE ACABA DE SAIR EM DVD NA 2001.

Apelidado pela crítica americana de “Bloody Sam” (em tradução livre, “Sam Sangrento”), devido ao excesso de violência em seus filmes, ele nasceu em 21/2/1925, em Fresno (Califórnia, EUA). Após se alistar na Marinha em 1943, retornou à sua terra natal, formando-se em Drama na Fresno State College. O curso criou nele o desejo de dirigir, fazendo-o mudar para Los Angeles, onde começou a trabalhar na TV, principalmente como assistente de direção na CBS, entre 1951 e 1953. No ano seguinte, passou a assistente e dialoguista de Don Siegel e, no final da década de 1950, já escrevia e dirigia episódios de O Homem do Rifle, entre outras séries de faroeste para TV.

Em 1961, Peckinpah estreou finalmente como diretor de longa-metragem com o western psicológico “Parceiros do Crime”, seguido pelo elogiado “Pistoleiros do Entardecer” (1962) – estrelado por Randolph Scott e Joel McCrea – e o fracasso comercial de “Juramento da Vingança” (1965), com Charlton Heston. Após ser demitido do filme “A Mesa do Diabo” (1965), ele daria a volta por cima com “Meu Ódio Será Sua Herança” (1969), reinventando o gênero western com realismo sem precedentes e cenas de violência em câmera lenta que marcariam para sempre sua carreira. Em seu cinema, não há mais mocinhos nem vilões, apenas personagens à beira do abismo, lutando contra o sistema e sua época.

Sam Peckinpah recebeu a única indicação ao Oscar de sua carreira pelo roteiro original de “Meu Ódio Será Sua Herança”, considerado um dos melhores faroestes da história do cinema

A fronteira do Texas com o México tornou-se o palco favorito de Peckinpah e, depois de mais um faroeste (o atípico “A Morte não Manda Recado“, 1970), ele passou a transitar entre outros gêneros, como o road movie “Tragam-me a Cabeça de Alfredo Garcia” (1974) – que influenciaria Quentin Tarantino (“Cães de Aluguel”) e Robert Rodriguez (“Era uma Vez no México”) –, a aventura “Elite de Assassinos” (1975), o filme de guerra “A Cruz de Ferro” (1977) e o thriller de espionagem “O Casal Osterman” (1983). Os quatro títulos estão incluídos na coleçãoSam Peckinpah – O Poeta da Violência“.

Segundo Elvis Mitchell, ex-crítico do jornal The New York Times, “Peckinpah fazia épicos sobre o fracasso”, com personagens lidando com suas falhas assim como o próprio cineasta fazia na sua vida pessoal e profissional. Em seus filmes, não há final feliz ou redentor, apenas o gosto amargo do fim.

Falecido em 28/12/1984, de ataque cardíaco, o diretor era alcoólatra e viciado em drogas. Em quase toda a carreira, enfrentou problemas com produtores, que impunham cortes significativos na montagem final de seus filmes. Homem de excessos, na tela e fora dela, Peckinpah viveu intensamente, como seus personagens, e conservou até o fim sua paixão pelo México e pelas raízes da cultura norte-americana.

SAM PECKINPAH – O POETA DA VIOLÊNCIA

Com quatro discos (e ótimo preço na 2001), a coleção reúne três trabalhos do diretor, produtor e roteirista nos anos 1970 — “Tragam-me a Cabeça de Alfredo Garcia” (1974), “Elite de Assassinos” (1975) e “A Cruz de Ferro” (1977) — mais seu último filme, “O Casal Osterman” (1983).

TRAGAM-ME A CABEÇA DE ALFREDO GARCIA

Alfredo Garcia engravida a filha de um latifundiário mexicano. Revoltado, o pai da moça oferece um milhão de dólares pela cabeça de Garcia. Faroeste moderno estrelado por Warren Oates (de “Meu Ódio Será Sua Herança”), o filme — com sua violência estilizada e tipos do submundo — adquiriu com o tempo status de cult e influenciou cineastas como Quentin Tarantino e Robert Rodriguez.

A CRUZ DE FERRO

Em 1943, no front de guerra do extremo leste soviético, o sargento alemão Steiner (James Coburn) é subordinado ao covarde comandante Stransky (Maximilan Schell). De família aristocrata alemã, este não mede esforços para obter a Cruz de Ferro –a mais alta comenda para um militar alemão–, nem que para isso tenha que sacrificar seus soldados. Um filme visceral sobre o o absurdo da guerra, citado por Tarantino como uma das principais influências de “Bastardos Inglórios” (2009).

ELITE DE ASSASSINOS

Durante uma missão, George (Robert Duvall) trai e fere a tiros Mike, que irá se vingar do antigo parceiro de trabalho. Os dois trabalhavam juntos em uma agência particular a serviço da CIA e outras empresas.  Antecipando a temática de “O Casal Osterman”, este thriller de ação é um intrincado jogo de gato e rato entre mercenários da CIA, com algumas perseguições e até lutas com artes marciais.

 CASAL OSTERMAN

Desde os tempos da faculdade, o jornalista John Tanner (Rutger Hauer) e mais três grandes amigos reúnem-se em um fim de semana no campo. Entretanto, o agente da CIA Lawrence Fassett (John Hurt) procura Tanner e lhe conta que seus amigos são, na verdade, espiões que trabalham para o governo russo. Único longa-metragem de Peckinpah na década de 1980, baseado no romance “A Visita do Casal Osterman”, escrito pelo mesmo autor de “A Identidade Bourne”, Robert Ludlum.

MAIS SAM PECKINPAH NA 2001:

Pat Garret e Billy The Kid (1973)
Dez Segundos de Perigo (1972)
Os Implacáveis (1972)
A Morte não Manda Recado (1970)
O Homem do Rifle (1958) episódios

EXPRESSIONISMO ALEMÃO, UM MARCO DO CINEMA

COM 3 DISCOS, O BOX REÚNE 5 CLÁSSICOS, MAIS CARDS E 2 HORAS DE EXTRAS INÉDITOS.

O Expressionismo Alemão é um dos mais importantes movimentos cinematográficos da história, e tem suas origens no grupo Die Brücke, fundado na Dresden de 1907. Seus integrantes, de áreas artísticas como a literatura, a pintura e o teatro, fizeram a ponte entre a vanguarda do século 20 e o futuro, influenciando anos depois artistas como F.W. Murnau e Robert Wiene. Esses e outros cineastas alemães anteviram a tragédia que cobriria o país com o advento de ideologias intolerantes como o nacional-socialismo.

O cinema expressionista alemão foi, sobretudo, um fenômeno cultural, espelhando em imagens distorcidas a crise moral, política e social da Alemanha do pós-guerra.

Segundo a historiadora alemã Lotte Eisner, o expressionista não vê, mas tem visões. Em outras palavras, os filmes do movimento não pretendem retratar a realidade imediata. Ecos do cinema expressionista podem ser identificados na filmografia de uma profusão de diretores, de Ingmar Bergman a David Cronenberg e Tim Burton.

Com 3 discos, o box apresenta 5 clássicos da escola alemã, cards e mais de 2 horas extras, que incluem o documentário “From Caligari to Hitler”.

DISCO 1:

FAUSTO (Faust: Eine deutsche Volkssage, 1926, 107 min.)
De Friedrich Wilhelm Murnau. Com Gösta Ekman, Emil Jannings, Camilla Horn.

Um velho alquimista vê sua cidade ser assolada pela peste negra. Ele começa a pensar sobre sua própria finitude e então evoca Mefistofeles, a quem pede sua juventude de volta e vida eterna. Clássico baseado na famosa peça de Goethe.

O CASTELO VOGELOD (Schloß Vogelöd, 1921, 81 min.)
De Friedrich Wilhelm Murnau. Com Arnold Korff, Lulu Kyser-Korff, Lothar Mehnert.

No castelo Vogeloed, alguns aristocratas esperam a baronesa Safferstätt. Acontece que o Conde Oetsch aparece na propriedade sem ser convidado e a situação se complica. Todos acreditam que ele assassinou a três anos atrás seu próprio cunhado, o primeiro marido da baronesa.

DISCO 2:

A CAIXA DE PANDORA (Die Büchse der Pandora, 1929, 131 min.)
De Georg Wilhelm Pabst. Com Louise Brooks, Fritz Kortner, Francis Lederer.

Lulu é uma dançarina que se envolve com um rico dono de jornal. Os dois acabam sendo flagrados pela noiva dele, que rompe o compromisso. Para que sua honra não seja jogada na lama, o homem resolve se casar com a dançarina.

A MORTE CANSADA (Der müde Tod, 1921, 98 min.)
De Fritz Lang. Com Lil Dagover, Walter Janssen, Bernhard Goetzke.

Num vilarejo europeu do século 19, a Morte leva um jovem quando ele está prestes a se casar. Sua noiva suplica que devolva a vida dele e a Morte prometendo trazê-lo com uma condição: se ela conseguir evitar que três pessoas morram.

DISCO 3:

O GABINETE DO DR. CALIGARI (Das Cabinet des Dr. Caligari, 1920, 77 min.)
De Robert Wiene. Com Werner Krauss, Conrad Veidt, Friedrich Feher.

Num pequeno vilarejo da fronteira holandesa, o Dr. Caligari – um misterioso hipnotizador – chega acompanhado do sonâmbulo Cesare que, supostamente, estaria adormecido por mais de 20 anos. Um dos filmes mais importantes e influentes da história do cinema.

EXTRAS: Mais de 2 horas de extras, incluindo o inédito documentário “From Caligari to Hitler” que explora o impacto social e cultural do cinema alemão no período da “República de Weimar”.