CHEGOU “O DESTINO DE UMA NAÇÃO”, COM GARY OLDMAN PREMIADO COM O OSCAR

CONFIRA EM DVD E BLU-RAY NA 2001 A INCRÍVEL TRANSFORMAÇÃO DO CAMALEÃO INGLÊS EM WINSTON CHURCHILL, PAPEL QUE LHE VALEU O OSCAR, O GLOBO DE OURO E O BAFTA DE MELHOR ATOR. O LENDÁRIO PRIMEIRO-MINISTRO BRITÂNICO, UM DOS PRINCIPAIS ESTRATEGISTAS DO DIA D, GANHA VIDA NA TELA TAMBÉM EM “CHURCHILL“, COM BRIAN COX E MIRANDA RICHARDSON.   

Recorte de um período-chave da vida de Winston Churchill (1874-1965), o drama histórico recebeu as estatuetas de melhor ator (Gary Oldman) e maquiagem, além de indicações a melhor filme, fotografia, design de produção e figurino. Oldman concorreu ao Oscar antes por “O Espião Que Sabia Demais”, em 2012. Pelo papel de Churchill em “O Destino de uma Nação“, o ator inglês de 60 anos conquistou os principais prêmios de atuação da temporada (Bafta, Globo de Ouro, Oscar, SAG).

O filme mostra a atuação política de Churchill desde sua controversa nomeação a primeiro-ministro da Inglaterra, passando pelo resgate dos soldados britânicos na praia francesa de Dunkirk, e finalmente seu célebre discurso “We shall fight on the beaches” (“Nós lutaremos nas praias”), proclamado em 4 de junho de 1940. O mesmo discurso encerra outro longa do Oscar 2018 sobre a II Guerra: “Dunkirk“, de Christopher Nolan, produção centrada em um dos maiores feitos políticos de Churchill.

Com a ascensão do exército nazista sobre a Europa, crescia a pressão no Parlamento inglês para Churchill negociar um tratado de paz com Hitler, mas ele seguiu com suas convicções até o fim, firmando-se como a principal liderança contra a invasão alemã durante a II Guerra.

Dirigido por Joe Wright (“Orgulho e Preconceito“, “Desejo e Reparação”), “O Destino de uma Nação” é um típico filme britânico à moda antiga, com produção e atuações impecáveis, com ênfase no indivíduo – ao humanizar seu biografado – ao invés do escopo épico. As cenas de guerra são tímidas, pois as verdadeiras batalhas são travadas nos bastidores do poder – no terreno da política.

Ben Mendelsohn (“Una“), Lily James (“Em Ritmo de Fuga”), Kristin Scott Thomas (“O Paciente Inglês”) e Stephen Dillane (“As Horas”) completam o elenco.

Curiosidade: Oldman precisou usar várias próteses que pesavam quase a metade de seu próprio peso, em horas de sessões de maquiagem, para chegar à silhueta de Churchill. Por motivos de saúde, o ator não quis ganhar sobrepeso para compor o personagem.

EXTRAS:

* Comentário em áudio
* Por dentro de “O Destino de Uma Nação
* Gary Oldman: Tornando-se Churchill

E VEJA TAMBÉM:Lançado pouco antes de “O Destino de uma Nação”, o filme dirigido por Jonathan Teplitzky (de “Uma Longa Viagem”, 2014) recebeu muitos elogios para seu elenco. Depois de Simon Ward encarnar a juventude de Churchill em “As Garras do Leão” (1972), Albert Finney ganhar inúmeros prêmios pelo telefilme “The Gathering Storm” (2002), John Lithgow brilhar na série “The Crown” (2016) e Gary Oldman levar o Oscar, chegou a vez de Brian Cox personificar o lendário primeiro-ministro.

Escrito pela historiadora Alex Von Tunzelmann, “Churchill” mostra o primeiro-ministro momentos antes do fatídico Dia D, receoso em relação aos planos de invasão da Normandia, em 6 de junho de 1944. O filme poderia perfeitamente servir como uma sequência não-oficial de “O Destino de uma Nação“, já que dá sequência aos fatos do longa vencedor do Oscar.

Assombrado por imagens de massacres do passado, ele teme que a operação militar repita o mesmo erro que, em 1915, levou ao massacre de centenas de milhares de soldados em Galípoli. É um Churchill hesitante e menos heroico, um pouco distante de sua imagem idealizada na História.

No elenco, Miranda Richardson (“Perdas e Danos”) vive a esposa de Churchill, John Slattery (“Mad Men”) é Dwight Eisenhower e James Purefoy (“The Following”) interpreta o Rei George VI.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *