cinema policial

CINEMA POLICIAL É NA 2001, COM 4 COLEÇÕES DA VERSÁTIL

OS BOXES CINEMA POLICIAL VOL.1 E 2 REÚNEM, EM 2 DISCOS CADA, CLÁSSICOS DO GÊNERO COMO “CAÇADOR DE MORTE” E OS CULTS BRITÂNICOS “CARTER, O VINGADOR” E “CAÇADA NA NOITE”. E NÃO PERCA TAMBÉM OS 2 VOLUMES DE BLAXPLOITATION, SEMINAL MOVIMENTO PROTAGONIZADO POR ARTISTAS AFRO-AMERICANOS NOS ANOS 1970.

CINEMA POLICIAL

O DVD duplo reúne 4 clássicos dirigidos por nomes como Michael Mann, Walter Hill, Peter Yates e Don Siegel e estrelados por astros como Robert Mitchum, James Caan e Walter Matthau, além de uma hora de vídeos extras.

DISCO 1:

PROFISSÃO: LADRÃO (Thief, 1981, 125 min.)
De Michael Mann. Com James Caan, Tuesday Weld, Willie Nelson, James Belushi.

Decidido a mudar de vida, um ladrão especialista em roubar joias resolve participar de um último crime, aceitando a proposta de uma quadrilha. Indicado à Palma de Ouro no Festival de Cannes, este policial neo-noir foi aclamado pela crítica e pôs no mapa de Hollywood o nome de Michael Mann.

CAÇADOR DE MORTE (Driver, 1978, 91 min.)
De Walter Hill. Com Ryan O’Neal, Bruce Dern, Isabelle Adjani.

Em clima de filme noir, detetive obcecado persegue especialista em dirigir carros para quadrilhas durante assaltos. Com ótimo roteiro e eletrizantes perseguições de carro, este policial do especialista Walter Hill (“48 Horas”) foi uma das inspirações do cult “Drive” (2011) com Ryan Gosling.

DISCO 2:

O HOMEM QUE BURLOU A MÁFIA (Charley Varrick, 1973, 110 min.)
De Don Siegel. Com Walter Matthau, Joe Don Baker, Felicia Farr.

Charley Varrick e seus amigos roubam um banco de uma cidadezinha e ficam surpresos com a quantidade de dinheiro. Mal imaginam que o dinheiro é da Máfia. Atmosférico e tenso policial do mestre Don Siegel (“Perseguidor Implacável”).

OS AMIGOS DE EDDIE COYLE (The Friends of Eddie Coyle, 1973, 102 min.)
De Peter Yates. Com Robert Mitchum, Peter Boyle, Richard Jordan.

Para diminuir o tempo de sua pena, um criminoso de Boston decide entregar seus comparsas. Peter Yates, o diretor de “Bullitt”, realiza um drama policial revisionista com grande atuação de Robert Mitchum (“Fuga do Passado”).

EXTRAS:
* Especiais sobre os filmes (56 min.)
* Trailers (4 min.)

CINEMA POLICIAL VOL. 2 – ED. LIMITADA COM 4 CARDs

No formato digistack, o box traz 4 filmes policiais inéditos estrelados por astros como Michael Caine, Walter Matthau, Bob Hoskins e Roy Scheider, além de quase uma hora de vídeos extras. Destaque para dois policiais ingleses: “Carter, o Vingador” e “Caçada na Noite”, que figuram em inúmeras listas de melhores filmes britânicos de todos os tempos.

DISCO 1:

CARTER, O VINGADOR (Get Carter, 1971, 112 min.)
De Mike Hodges. Com Michael Caine, Ian Hendry, Britt Ekland.

Quando seu irmão morre em circunstâncias misteriosas num acidente de carro, Jack Carter, um gângster de Londres, viaja a Newcastle para investigar. Marco do cinema inglês, o filme virou cult e imortalizou Michael Caine no papel-título.

O SEQUESTRO DO METRÔ (The Taking of Pelham 1 2 3, 1974, 104 min.)
De Joseph Sargent. Com Walter Matthau, Robert Shaw, Martin Balsam.

Em Nova York, homens armados sequestram um vagão do metrô e exigem um resgate para libertar os passageiros. Um dos pontos altos do cinema policial dos anos 1970, o filme foi refilmado com Denzel Washington em 2009, sob o título “O Sequestro do Metrô 123”.

DISCO 2:

ESQUADRÃO IMPLACÁVEL (The Seven-Ups, 1973, 103 min.)
De Philip D’Antoni. Com Roy Scheider, Tony Lo Bianco, Victor Arnold.

Ao sair no encalço de quem matou seu parceiro, detetive de um esquadrão de elite da polícia de Nova York descobre uma conspiração. Dirigido pelo produtor de Operação França, o filme merece ser conhecido, sobretudo pelas sensacionais perseguições de carro.

CAÇADA NA NOITE (The Long Good Friday, 1980, 114 min.)
De John Mackenzie. Com Bob Hoskins, Helen Mirren, Paul Freeman.

Um poderoso gângster londrino tem seu império ameaçado pelo surgimento de um rival desconhecido e poderoso. Brutal e com ecos shakespearianos, essa obra-prima do cinema inglês conta com grandes atuações de Bob Hoskins e Helen Mirren.

EXTRAS:
* Especiais sobre os filmes (38 min.)
* Trailers (11 min.)

EDIÇÃO LIMITADA COM 4 CARDs:

BLAXPLOITATION

DVD duplo com clássicos do pulsante cinema negro norte-americano dos anos 1970 em inéditas versões restauradas, além de uma hora de vídeos extras, incluindo documentário sobre o gênero e uma entrevista com a icônica Pam Grier.

Espécie de subgênero, cinema “blaxploitation” surgiu sintonizado com as transformações sociais e políticas captadas pela Nova Hollywood, tendo como publico alvo, principalmente, os negros norte-americanos. A palavra é uma junção de black (“negro”) e explotaition (“exploração”).

DISCO 1:

A MÁFIA NUNCA PERDOA (Across 110th Street, 1972, 101 min.)
De Barry Shear. Com Anthony Quinn, Yaphet Kotto, Anthony Franciosa.

Uma dupla policial de Nova York persegue dois bandidos amadores que tentam roubar a máfia e com isso gerar uma guerra entre gangues. O sensacional tema musical de Bobby Womack para o filme foi utilizado por Quentin Tarantino em “Jackie Brown”.

TRUCK TURNER (Idem, 1974, 91 min.)
De Jonathan Kaplan. Com Isaac Hayes, Yaphet Kotto, Alan Weeks.

Após uma perseguição que termina na morte de um criminoso, o caçador de recompensas Truck passa a ser perseguido pela viúva da vítima. O cantor Isaac Hayes estrela esse clássico blaxploitation super estiloso.

DISCO 2:

COFFY: EM BUSCA DA VINGANÇA (Coffy, 1973, 91 min.)
De Jack Hill. Com Pam Grier, Booker Bradshaw, Robert DoQui.

Coffy é uma enfermeira que, após presenciar a morte de sua irmã mais nova por causa das drogas, sai pelas ruas em busca de vingança, caçando traficantes, policiais corruptos e cafetões. Um dos mais icônicos filmes do movimento blaxploitation.

O CHEFÃO DO GUETO (Black Caesar, 1973, 87 min.)
De Larry Cohen. Com Fred Williamson, Gloria Hendry, Art Lund.

A trajetória de Tommy Gibbs, um jovem negro que se torna um dos mais temidos chefes do crime em Manhattan, enfrentando a máfia italiana. Um dos melhores trabalhos do talentoso Larry Cohen (“Nasce um Monstro”).

EXTRAS:
* Documentário sobre Blaxploitation (29 min.)
* Especiais e trailers (39 min.)

BLAXPLOITATION VOL.2 – ED. LIMITADA COM 4 CARDs

Os filmes blaxploitation eram protagonizados e realizados por atores e diretores negros, ao som dos melhores artistas da soul music do período (Curtis Mayfield, Isaac Hayes, Marvin Gaye). Quatro deles estão reunidos na coleção com 2 discos e 4 cards.

DISCO 1:

RIFIFI NO HARLEM (Cotton Comes to Harlem, 1970, 97 min.)
De Ossie Davies. Com Godfrey Cambridge, Raymond St. Jacques, Calvin Lockhart.

Dois detetives investigam um reverendo envolvido em lavagem de dinheiro e outros crimes. Baseada em obra do escritor negro Chester Himes, essa mistura de humor e ação deu origem à onda blaxploitation.

O TERRÍVEL MISTER T (Trouble Man, 1972, 99 min.)
De Ivan Dixon. Com Robert Hooks, Paul Winfield, Ralph Waite.

Mister T é um homem durão que trabalha “resolvendo os problemas” no seu bairro, fazendo o trabalho que a polícia e os advogados não conseguem realizar. Clássico com trilha sonora icônica do genial Marvin Gaye.

DISCO 2:

FOXY BROWN (Idem, 1974, 92 min.)
De Jack Hill. Com Pam Grier, Antonio Fargas, Peter Brown.

A sensual Foxy Brown começa a trabalhar como prostituta de luxo para se vingar dos mafiosos que mataram seu namorado. A estrela Pam Grier – resgatada por Quentin Tarantino em “Jackie Brown” (1997) – reúne-se novamente com o diretor Jack Hill nessa“continuação” de “Coffy” (1973).

WILLIE DYNAMITE (Idem, 1974, 102 min.)
De Gilbert Moses. Com Roscoe Orman, Diana Sands, Thalmus Rasulala.

Um cafetão enfrenta a polícia e rivais nas violentas ruas de Manhattan. Mas uma velha amiga, agora assistente social, tenta fazê-lo mudar de vida. Com forte comentário social, esse é um dos clássicos esquecidos da blaxploitation.

EXTRAS:
* Especiais sobre Blaxploitation (49 min.)
* Trailers (8 min.)

EDIÇÃO LIMITADA COM 4 CARDs:

CINEMA POLICIAL: MAIS UMA COLEÇÃO DE FILME NOIR E O PREMIADO “HANA-BI – FOGOS DE ARTIFÍCIO”

O JOGO DE LUZ E SOMBRAS. ANTI-HERÓIS CÍNICOS. FEMME-FATALES E AS TRAMAS INTRINCADAS DO CINEMA NOIR ESTÃO DE VOLTA EM MAIS UMA INCRÍVEL COLEÇÃO DA VERSÁTIL. E FÃS DO CINEMA POLICIAL NÃO PODEM PERDER “HANA-BI – FOGOS DE ARTIFÍCIO“, CULT JAPONÊS DIRIGIDO, ESCRITO E ESTRELADO POR TAKESHI KITANO.

Previsão de entrega: 29/8

Já disponível

FILME NOIR – VOL. 6

A coleção reúne seis clássicos do gênero dirigidos por mestres como Nicholas Ray e Anthony Mann, incluindo inéditas versões restauradas do icônico “No Silêncio da Noite”, com Humphrey Bogart, e “Até a Vista, Querida”, baseado em romance de Raymond Chandler. Mais quase duas horas de extras, incluindo um excelente documentário sobre a história do filme noir, e seis cards.

Curiosidade: dos seis filmes, três são estrelados por Dick Powell (1904-1963).

DISCO 1:

NO SILÊNCIO DA NOITE (“In a Lonely Place”, 1950, 94 min.)
De Nicholas Ray. Com Humphrey Bogart, Gloria Grahame, Frank Lovejoy.

001

Roteirista é suspeito em um caso de homicídio até que o testemunho de sua vizinha o inocenta. Os dois se apaixonam, mas as suspeitas assombram o relacionamento. Clássico de Ray e um dos maiores filmes noir de todos os tempos.

O CAMINHO DA TENTAÇÃO (“Pitfall”, 1948, 86 min.)
De André De Toth. Com Dick Powell, Lizabeth Scott, Raymond Burr.

002

Um corretor de seguros vive um casamento aparentemente feliz até se apaixonar por uma femme fatale cujo namorado está na prisão. Subversivo e tenso filme noir dirigido por De Toth (“Cidade Tenebrosa”).

DISCO 2:

ATÉ A VISTA, QUERIDA (“Murder, my Sweet”, 1944, 95 min.)
De Edward Dmytryk. Com Dick Powell, Claire Trevor, Anne Shirley.

003

Contratado por um trapaceiro para descobrir o paradeiro de sua antiga namorada, o detetive Philip Marlowe se envolve numa complexa trama. Adaptação do clássico hard boiled de Raymond Chandler com atuação icônica de Dick Powell.

O INVENCÍVEL (“Champion”, 1949, 100 min.)
De Mark Robson. Com Kirk Douglas, Arthur Kennedy, Marilyn Maxwell.

004

O inescrupuloso boxeador Midge Kelly faz qualquer coisa para alcançar a fama. Filme noir sobre o mundo do boxe vencedor do Oscar de melhor montagem e o primeiro grande papel do astro Kirk Douglas.

DISCO 3:

LÁGRIMAS TARDIAS (“Too Late for Tears”, 1949, 101 min.)
De Byron Haskin. Com Lizabeth Scott, Dan Duryea, Don DeFore.

005

Por um lance de sorte, uma mulher gananciosa encontra uma mala com 60 mil dólares e decide ficar com ela a qualquer custo. No papel principal, a diva Lizabeth Scott vive uma das femme fatales mais sórdidas do cinema.

CONSPIRAÇÃO (“The Tall Target”, 1951, 77 min.)
De Anthony Mann. Com Dick Powell, Paula Raymond, Adolphe Menjou.

006

Um detetive embarca em um trem que leva o presidente Abraham Lincoln, pois acredita que há uma conspiração para matá-lo. Eletrizante noir histórico dirigido por Anthony Mann (“O Caminho do Diabo”).

EXTRAS:
* Documentário sobre filme noir (67 min.)
* Especiais sobre “Lágrimas Tardias” e “No Silêncio da Noite” (37 min.)
* Trailers (8 min.)

hana-bi - dvd versatil

Já disponível

HANA-BI – FOGOS DE ARTIFÍCIO

Versão restaurada do cult policial do aclamado ator, diretor e roteirista japonês Takeshi Kitano (de “Brother” e “Dolls”), premiado com o Leão de Ouro no Festival de Veneza em 1997.

Na trama, Nichi (Kitano) é um policial cujo melhor amigo é emboscado pela Yakuza. Ele quer vingá-lo e também aliviar o sofrimento da mulher dele, que sofre de uma doença terminal.

007

Com uma direção muito autoral de Kitano, que brilha também no papel do protagonista, “Hana-Bi” é um filme extremamente sensível e, ao mesmo tempo, brutal, como só os asiáticos sabem fazer.

Indicado ao César (França) e ao Independent Spirit Awards (EUA) de melhor filme estrangeiro.

EXTRAS:
* Entrevista com Takeshi Kitano (15 min.)

“FILME NOIR – VOL.5”: MAIS UMA COLEÇÃO IMPERDÍVEL, COM CLÁSSICOS DOS ANOS 40 E 50

editors-pick-the-naked-city

O JOGO DE LUZ E SOMBRAS. ANTI-HERÓIS CÍNICOS. FEMME-FATALES. AS TRAMAS INTRINCADAS DO CINEMA NOIR ESTÃO DE VOLTA, EM MAIS UMA INCRÍVEL COLEÇÃO DA VERSÁTIL.

Filme Noir 5 3D

Previsão de entrega: 28/3

Edição limitada com 6 cards e mais de 4 horas de extras.

FILME NOIR VOL. 5

O box reúne seis clássicos – incluindo “Cidade Nua”, um dos maiores filmes do gênero -dirigido por Jules Dassin-, e, nos extras, “Uma Carta para Elia”, documentário de Martin Scorsese exibido na Mostra Internacional de Cinema de SP. O diretor de “Taxi Driver” e “Touro Indomável” apresenta ao espectador a carreira de Elia Kazan (1909-2003) através de sua própria vida, e por sua percepção de que havia um artista atrás das câmeras, alguém “que me conhecia, talvez mais do que a mim mesmo”.

DISCO 1:

CIDADE NUA (The Naked City, 1948, 96 min.)
De Jules Dassin. Com Barry Fitzgerald, Howard Duff, Dorothy Hart.

111

Nova York. A morte de uma modelo faz com que um detetive e seu ajudante mergulhem nas ruas da cidade para resolver o crime. O neorrealismo italiano encontra o filme noir nessa obra-prima do mestre Dassin (“Rififi”).

PÂNICO NAS RUAS (Panic in the Streets, 1950, 96 min.)
De Elia Kazan. Com Richard Widmark, Jack Palance, Barbara Bel Geddes.

5

Nova Orleans. O corpo de um imigrante ilegal é descoberto contendo uma doença contagiosa e mortal. Para evitar uma epidemia na cidade, um médico tem 48 horas para encontrar os assassinos. Oscar de Melhor Roteiro.

DISCO 2:

A CIDADE QUE NÃO DORME (City that Never Sleeps, 1953, 91 min.)
De John H. Auer. Com Gig Young, Mala Powers, William Talman.

000000

Chicago. A própria cidade narra uma noite de corrupção e crime na vida de alguns de seus moradores, incluindo policiais, bandidos e mulheres fatais. Fábula urbana noir com deslumbrante fotografia de John L. Russell (de “Psicose”).

CIDADE TENEBROSA (Crime Wave, 1954, 74 min.)
De André De Toth. Com Sterling Hayden, Gene Nelson, Charles Bronson.

1111

Los Angeles. Um ex-detento se vê envolvido numa investigação de assassinato e tem que escolher entre a lei ou seus ex-comparsas. Pérola noir do grande De Toth que serviu de inspiração para “Los Angeles, Cidade Proibida”.

DISCO 3:

CIDADE DO VÍCIO (The Phenix City Story, 1955, 100 min.)
De Phil Karlson. Com John McIntire, Richard Kiley, Kathryn Grant.

222

Phenix City, Alabama. Um advogado e seu pai decidem enfrentar os mafiosos que controlam o jogo e a prostituição numa cidadezinha do sul dos EUA. Admirado por Martin Scorsese, este é um filme noir violento e realista.

O SÁDICO SELVAGEM (The Lineup, 1958, 86 min.)
De Don Siegel. Com Eli Wallach, Robert Keith, Richard Jaeckel.

333

San Francisco. Um psicopata e seu mentor chegam à cidade para recuperar pacotes de heroína que viajantes trouxeram sem saber. Com direção brilhante de Siegel, este tenso policial tem uma das mais sensacionais perseguições do gênero.

EXTRAS INCLUÍDOS NA COLEÇÃO:

* “Uma Carta para Elia”, de Martin Scorsese (60 min.)
* Comentários em áudio de “Pânico nas Ruas” e “Cidade Tenebrosa” (170 min.)
* Especiais e depoimentos sobre “Cidade Nua”, “Cidade Tenebrosa” e “O Sádico Selvagem” (41 min.)
* Trailers da coleção (7 min.)

EDIÇÃO LIMITADA COM 6 CARDS:

cards

COMPLETE SUA COLEÇÃO:
Filme Noir – Vol. 1
Filme Noir – Vol. 2
Filme Noir – Vol. 3
Filme Noir – Vol. 4

O GÊNERO POLICIAL GANHA FÔLEGO NA 2001 COM “OS INFRATORES” E “MARCADOS PARA MORRER”

Exibido no Festival de Cannes no ano passado, "Os Infratores" é um forte policial de época ambientado durante o período da Lei Seca nos EUA, nos anos 1920

Exibido no Festival de Cannes no ano passado, “Os Infratores” é um forte policial de época ambientado em 1930, com a Lei Seca ainda em vigor nos EUA

Os Infratores
(Lawless, EUA, 2012, Cor, 116′)
Imagem – Policial – 16 anos
Direção: John Hillcoat
Elenco: Tom Hardy, Shia LaBeouf, Guy Pearce, Jason Clarke, Jessica Chastain, Mia Wasikowska, Gary Oldman

Sinopse: Na década de 1930, em plena Lei Seca, os irmãos Bondurant ganham a vida vendendo bebidas alcoólicas ilegalmente. Só que Charlie Rakes, um policial enviado de Chicago, está disposto a usar todos os meios possíveis para destruí-los.

 
Os Infratores ressuscita a era da Grande Depressão americana, período marcado pela pobreza extrema da população e pela explosão da criminalidade durante a famosa Lei Seca. É nesse panorama que os irmãos Forrest (Tom Hardy, mais uma vez intimidador), Howard (Jason Clarke, de “A Hora Mias Escura”) e o caçula Jack (Shia LaBeouf) Bondurant prosperam ao produzir bebidas alcoólicas clandestinamente na cidade de Franklin (Virgínia, EUA). Tudo vai bem até que Forrest, o mais forte e temido dos três, se recusa a pagar propina para um promotor. Um policial corrupto e sádico (Guy Pearce, de Amnésia) decide pôr um fim à supremacia dos Bondurant, transformando o enredo em um banho de sangue ao gosto do diretor australiano John Hillcoat.

Um dos pontos altos do filme é o elenco, formado por três grande atores: Guy Pearce (de "Amnésia"), no papel do vilão, e dois atores em ascensão meteórica em Hollywood - Tom Hardy (o Bane de "O Cavaleiro das Trevas Ressurge") e a ruiva Jessica Chastain (revelada em "Árvore da Vida"), indicada ao Oscar de melhor atriz por "A Hora Mais Escura"

Um dos pontos altos do filme é o elenco, formado por três nomes importantes: Guy Pearce (de “Amnésia”), no papel do vilão, e (na foto) dois atores em ascensão meteórica em Hollywood – Tom Hardy (o Bane de “O Cavaleiro das Trevas Ressurge”) e a ruiva Jessica Chastain (revelada em “Árvore da Vida”), indicada ao Oscar de melhor atriz este ano por “A Hora Mais Escura”

Acostumado a explorar a violência inerente ao homem em filmes angustiantes como A Proposta (2005) e A Estrada (2009), Hillcoat escreveu Os Infratores ao lado de seu parceiro habitual, o músico Nick Cave, também autor da trilha sonora que inclui uma versão country de White Light / White Heat de Lou Reed.

Baseado no romance histórico The Wettest County in the World, escrito por Matt Bondurant (neto do personagem de LaBeouf), o violento policial de época é um retrato sem retoques da rivalidade entre vilões e mocinhos difíceis de distinguir em sua brutalidade.

Mais moderninho, "Marcados para Morrer" é um policial com a cara da geração "Youtube", misturando a estética das ruas com a obsessão atual de transformar o cotidiano em reality show

Mais moderninho, “Marcados para Morrer” é um policial com a cara da geração “Youtube”, misturando a estética das ruas com a obsessão atual de transformar o cotidiano em reality show

Marcados para Morrer
(End of Watch, ESP, 2012, Cor, 109′)
California – Policial – 14 anos
Direção: David Ayer
Elenco: Jake Gyllenhaal, Michael Peña, Anna Kendrick, Frank Grillo

Sinopse: Brian Taylor e Mike Zavala formam uma dupla policial que patrulha as áreas mais ameaçadoras da região centro-sul de Los Angeles. Ao se depararem com uma terrível descoberta envolvendo o cartel de drogas que comanda a região, colocam suas vidas em perigo.

 
Roteirista de Velozes e Furiosos (2001), Dia de Treinamento (2001) e Tempos de Violência (2005), David Ayer vem tornando-se um especialista em histórias policiais ambientadas em Los Angeles.

Em Marcados para Morrer, ele quer transportar o espectador para o ponto de vista dos policiais e consegue, por meio de artifício cada vez mais comum. Na sociedade midiática atual, na qual o cotidiano de qualquer um parece servir a um reality show, a dupla policial vivida por Jake Gyllenhaal e Michael Pena filma a todo momento suas ações por meio de câmeras digitais. É o pretexto para o diretor-roteirista adotar, com exceção de algumas tomadas aéreas, o estilo cinema verité (verdade) em quase todas as cenas filmadas com câmera na mão.

fffff

A dura rotina de dois policiais de Los Angeles, vividos por Michael Peña (indicado ao Independent Spirit Award de melhor ator coadjuvante) e Jake Gyllenhaal, é retratada com realismo sem precedentes pelas câmeras e edição nervosa do filme

Esse recurso confere realismo e ritmo claustrofóbico à narrativa, que reproduz a estética e linguagem das ruas ao seguir as batidas policiais, as discussões e os perigos enfrentados no dia a dia dos protagonistas. Pais de família, os dois sabem se promover usando as câmeras, mas a recém-adquirida notoriedade os torna alvo ainda maior dos bandidos.

OPINIÃO: O ASSASSINO EM MIM

Capa de O Assassino em Mim, um dos lançamentos em DVD e Blu-ray de maio nas lojas da 2001

Blu-ray para locação

Manuais de roteiro, gente do ramo e o próprio público têm o senso comum de que é preciso que o espectador tenha simpatia pelo personagem principal para que um filme dê certo. Mesmo vilões e criminosos tem características que fazem aquele personagem ser admirado de alguma forma. No caso do personagem Lou Ford em O Assassino em Mim as coisas ficam um pouco mais complicadas, já que é difícil ter simpatia pelo personagem interpretado por Casey Affleck, um policial que comete atrocidades sem o mínimo de culpa, nos anos 1950. Em cenas que chocaram o público dos festivais onde passou, o filme mostra a sua maior crueza, reproduzindo a visão de uma mente perturbada – o que torna o longa tão interessante e diferente de outras obras por aí.

O mestre Stanley Kubrick considerava o livro que deu origem ao filme uma das mais perturbadoras histórias já feitas sobre uma mente criminosa. Vários nomes tentaram levar para as telas o livro de Jim Thompson (também roteirista de O Grande Golpe e Glória Feita de Sangue, ambos de Kubrick): nos anos 1950 quase foi realizada uma adaptação com Marilyn Monroe e Marlon Brando. Após uma versão pouco conhecida feita nos anos 1970, Tom Cruise esteve ligado ao projeto no anos 1980 e nos anos 1990 foi a vez de Quentin Tarantino tentar filmá-lo após o sucesso de Pulp Fiction. Nessa última década, o filme quase se concretizou com Andrew Dominik, diretor de O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford), quando finalmente o eclético inglês Michael Winterbottom (9 Canções, Código 46, O Caminho para Guantánamo) conseguiu transpor o filme novamente para o cinema no ano passado.

Pôster original americano

O Assassino em Mim não é fácil de ser visto, mas quem tiver estômago forte poderá conferir um intenso conto de perversão e imoralidade que ainda conta com grandes atuações, principalmente do irmão mais novo de Ben Affleck, no papel principal.

Os três vértices do perturbador triângulo amoroso de O Assassino em Mim: Kate Hudson, Casey Affleck e Jessica Alba

Comentário de
Rene Hendrick
Colaborador da 2001 Vídeo Moema
Av. Jurema, 262, Moema – São Paulo – SP