cinema romeno

10 LANÇAMENTOS EM DVD, DE DIFERENTES GÊNEROS E ESTILOS

HERANÇA DE SANGUE

Antes de dirigir o oscarizado “Até o Último Homem”, Mel Gibson estrelou este western moderno, no papel de um ex-presidiário que vive solitário até receber uma ligação da filha, desaparecida há anos. Começa a busca de redenção do protagonista que, em busca da filha, ira enfrentar uma gangue de bandidos mexicanos. Baseado no romance de Peter Craig, o longa tem direção do francês Jean-François Richet (“Inimigo Público nº 1”).

THE AFFAIR – 1ª TEMPORADA

Premiada com o Globo de Ouro de melhor série e atriz dramática (Ruth Wilson), a produção surpreende com um roteiro inteligente, narrado por dois pontos de vista — primeiro pelo marido, e depois por sua amante. Na trama, um professor de Nova York (Dominic West) sai de férias com a esposa (Maura Tierney ) e os filhos para Long Island. Lá, ele se envolve com uma garçonete (Wilson), mas nada é o que parece ser em “The Affair”, pois cada um conta A SUA verdade.

SALA VERDE

Filme sensação entre o público do Festival de Toronto em 2015, este violento thriller de baixo orçamento marca uma das últimas aparições de Anton Yelchin (1989–2016) na telona, antes de sua trágica morte, aos 27 anos. O jovem ator de “Star Trek” interpreta Pat, líder de uma banda de punk rock que entra numa fria após apresentação em um boteco tomado por neonazistas. Os músicos presenciam um crime no camarim e tornam-se alvos do público.

O NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO (2016)

Exibido na 40ª Mostra Internacional de Cinema de SP e premiado no Festival de Sundance, este drama histórico de ressonância contemporânea foi escrito, dirigido e estrelado por Nate Parker. Ele conta a história de Nat Turner, um escravo letrado e também pregador que liderou uma rebelião que se tornou um dos mais influentes atos de resistência contra a escravidão nos EUA. Nos extras, “Ergam-se: o legado de Nat Turner” e comentários do diretor.

ROBIN E MARIAN

Mais de uma década depois de se enfrentarem no clássico “Moscou Contra 007”, Sean Connery e Robert Shaw interpretam, respectivamente, Robin Hood e o cruel Xerife de Nottingham (Robert Shaw) nesta versão mais madura do famoso arqueiro. Vinte anos depois de sua luta épica contra o Príncipe John, Robin retorna das Cruzadas para reencontrar sua amada Marian (Audrey Hepburn). A direção é de Richard Lester (“Os Reis do Ié-Ié-Ié“).

A CONEXÃO FRANCESA

O cinema francês tem uma longa tradição de filmes policiais, de Jean-Pierre Melville a produções como “Inimigo Público nº 1” (estrelado por Vincent Cassel). O mais recente exemplar no gênero é “A Conexão Francesa“, com Jean Dujardin no papel de Pierre Michel, juiz determinado a desbaratar uma articulada quadrilha de traficantes de heroína que domina Marselha — e o tráfico para os Estados Unidos — na década de 1970.

OS CAVALEIROS BRANCOS

Dirigida e coescrita por Joachim Lafosse (“A Economia do Amor”), esta coprodução entre França e Bélgica é baseada na história real de uma ONG que teve suas ações na África questionadas. Vincent Lindon (de “O Valor de um Homem“) vive Jacques Arnault, presidente de uma ONG que auxilia crianças em dificuldade. Seu plano é resgatar 300 órfãos, vítimas da guerra civil em um país africano. Mas na hora de executar o plano, nada é como o previsto.

BELOS SONHOS

O grande cineasta italiano Marco Bellocchio (“Vincere”) esteve na 40ª Mostra Internacional de Cinema de SP, em outubro passado, para divulgar este sensível relato de um homem atormentado desde a infância pela morte prematura da mãe. Baseado na autobiografia homônima de Massimo Gramellini, o filme alterna de forma poética o passado e o presente do jornalista, interpretado no filme por Valerio Mastandrea (de “A Primeira Coisa Bela”).

SIERANEVADA

Pré-selecionado pela Romênia para concorrer ao Oscar de filme estrangeiro, este é o mais recente trabalho do cineasta Cristi Puiu, vencedor da Palma de Ouro por “4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias” em 2007. Em “Sieranevada“, uma família se prepara para a cerimônia que marca os 40 dias da morte do patriarca, Emil. Enquanto aguardam a chegada de um padre da Igreja Ortodoxa, familiares de diferentes gerações discutem de banalidades a conflitos da sociedade atual.

BOYS

Realizado originalmente para a TV holandesa, o filme trata com sensibilidade do despertar da homossexualidade na adolescência. Sieger é um atleta de 15 anos de idade, em fase de treinamento para uma competição de revezamento. Sua rotina é alterada com a chegada de um novo membro da equipe, Marc. Os dois descobrem interesses em comum e se tornam amigos próximos, até perceberem que possuem sentimentos um pelo outro.

FILME ROMENO VENCE O FESTIVAL DE BERLIM

1

FAMOSO POR SEU CARÁTER POLITIZADO, O FESTIVAL DE BERLIM CONFIRMOU ESSA TENDÊNCIA EM SUA 63ª EDIÇÃO, QUE CHEGOU AO FIM NO ÚLTIMO SÁBADO (16/2). O DRAMA ROMENO CHILD’S POSE RECEBEU O PRÊMIO MÁXIMO, O URSO DE OURO.

Presidente do júri, o cineasta Wong Kar-Wai apresentou seu mais recente trabalho – o épico de artes marciais The Grandmaster – fora de competição no festival que privilegiou o realismo em produções de forte temática social, muitas delas destacando a força da mulher perante as mazelas da sociedade contemporânea.

Protagonista de "Memórias de uma Gueixa", Zhang Zi Yi estrela o novo filme de Wang Kar Wai, diretor conhecido pelo estilo visual exuberante de filmes como "Amor à Flor da  Pele" e "2046"

Protagonista de “Memórias de uma Gueixa”, Zhang Zi Yi estrela o épico “The Grandmaster”, novo trabalho de Wang Kar-Wai, diretor de filmes visualmente exuberantes como “Amor à Flor da Pele” e “2046”

O naturalismo do cinema do leste europeu marcou presença com o romeno Child’s Pose, vencedor do Urso de Ouro, e em An Episode in the Life of an Iron Picker, do sérvio Danis Tanovic (diretor de Terra de Ninguém), premiado com o Grande Prêmio do Júri e o Urso de Prata de melhor ator para Nazif Muji, cigano que nunca atuara antes.

Um dos filmes mais aclamados, não só pela crítica mas também pelo público, foi o chileno Gloria, que levou o Urso de Prata de melhor atriz para Paulina García, no papel de uma divorciada de meia idade à procura de amor e aventura. Segundo analistas, a comédia dramática de Sebastián Lelio tem tudo para conquistar o público internacional e virar um pequeno hit latino-americano.

Não houve filme mais aplaudido que Gloria, produção chilena sobre o renascer de uma mulher de 58 anos, e um dos poucos filmes "feel good" de um festival que privilegiou, mais uma vez, os desajustes e problemas do mundo. Na foto, a atriz , premiada com o Urso de Prata

Não houve filme mais aplaudido que Gloria, produção chilena sobre o renascer de uma divorciada de 58 anos, e um dos poucos filmes “feel good” e libertários de um festival que privilegiou, mais uma vez, os desajustes e problemas do mundo. Na foto, a atriz Paulina García, premiada com o Urso de Prata

O prêmio de melhor roteiro para Jafar Panahi, por seu filme-desabafo Pardé, foi mais uma prova do engajamento político da Berlinale, desta vez contra a opressão do governo do Irã, que mantém o cineasta em prisão domiciliar e proibido de filmar.

Claude Lanzmann, um dos maiores documentaristas da história, com o Urso de Prata especial pelo conjunto de sua carreira

O grande documentarista francês Claude Lanzmann, diretor do clássico “Shoah”, com o Urso de Ouro de Honra pela carreira

Conhecido mundialmente por seu trabalho de documentarista, o diretor e produtor francês Claude Lanzmann foi homenageado com o Urso de Ouro de Honra pela carreira.

Filho de pais judeus, ele documentou os horrores do nazismo, e do colaboracionismo, em mais de 350 horas de material condensadas no seminal Shoah, documentário lançado em DVD no Brasil no final de 2012, e reexibido em versão restaurada no Festival de Berlim deste ano. Então, se ainda não viu, é hora de conhecer uma das obras audiovisuais mais importantes do século  XX, dedicada à preservação da memória dos sobreviventes do Holocausto.

A seguir, a lista dos premiados do mais engajado festival do calendário cinematográfico mundial:

PRÊMIOS DO JÚRI INTERNACIONAL:

URSO DE OURO DE MELHOR FILME
Child’s Pose, de Calin Peter Netzer

Pôster do filme "Child's Pose", drama romeno sobre a complexa relação de interdependência entre uma mãe e seu filho, envolvido em um trágico acidente em Bucareste

Pôster do filme “Child’s Pose”, drama romeno sobre a complexa relação de interdependência entre uma mãe e seu filho, envolvido em um trágico acidente em Bucareste

URSO DE PRATA – GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
An Episode In The Life Of An Iron Picker, de Danis Tanovic

URSO DE PRATA DE MELHOR DIRETOR
David Gordon Green, por Prince Avalanche

E quem diria que o diretor de "Segurando as Pontas" e "Sua Alteza?" fosse reconhecido por um festival como o de Berlim? Pois David Gordon Green conseguiu, eleito pelo júri o melhor diretor pela dramédia "Prince Avalanche", com Emile Hirsch e Paul Rudd

E quem diria que o diretor de “Segurando as Pontas” e “Sua Alteza?” fosse reconhecido por um festival como o de Berlim? Pois David Gordon Green conseguiu, eleito pelo júri o melhor diretor pela dramédia “Prince Avalanche”, com Emile Hirsch e Paul Rudd

URSO DE PRATA DE MELHOR ATOR
Nazif Mujic, por An Episode In The Life Of An Iron Picker

URSO DE PRATA DE MELHOR ATRIZ
Paulina Garcia, por Gloria

URSO DE PRATA DE MELHOR ROTEIRO
Jafar Panahi, por Closed Curtain

Depois de contrabandear "Isto Não É um Filme" (disponível na 2001 Vídeo) dentro de um bolo para sua exibição internacional, Jafar Panahi volta a refletir sobre sua prisão domiciliar e isolamento no Irã no ainda mais experimental "Closed Curtain" (Cortina Fechada)

Depois de contrabandear “Isto Não É um Filme” (disponível na 2001 Vídeo) dentro de um bolo para sua exibição internacional, Jafar Panahi volta a refletir sobre sua prisão domiciliar e isolamento no Irã no ainda mais experimental “Closed Curtain” (Cortina Fechada)

URSO DE PRATA DE MELHOR CONTRIBUIÇÃO ARTÍSTICA
Aziz Zhambakiyev, pela fotografia do filme Harmony Lessons, de Emir Baigazin

PRÊMIO ALFRED BAUER EM MEMÓRIA DO FUNDADOR DO FESTIVAL
Vic & Flo Saw a Bear, de Denis Côté

Wong Kar-Wai entrega o prêmio Alfred Bauer para Denis Côté, pelo radical "Vic + Flo Saw a Bear"

Wong Kar-Wai entrega o prêmio Alfred Bauer para Denis Côté, pelo radical filme canadense “Vic + Flo Saw a Bear”

MENÇÕES ESPECIAIS
Promised Land, de Gus Van Sant, e Layla Fourie, de Pia Marais

MELHOR FILME DE ESTREIA 
The Rocket, de Kim Mordaunt

TEDDY AWARD
W imie (In the Name of), de Malgoska Szumowska

PRÊMIOS DA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE CRÍTICOS DE CINEMA – FIPRESCI:

COMPETIÇÃO
Child’s Pose, de Calin Peter Netzer

MOSTRA PANORAMA
Inch’Allah, de Anaïs Barbeau-Lavalette

O eterno conflito entre israelenses e palestinos volta à tona no festival na produção franco-canadense "Inch’Allah", de Anaïs Barbeau-Lavalette. Desta vez, as tragégias provenientes do conflito são testemunhadas por uma obstetra que trabalha em um campo de refugiados na cidade de Ramallah, na Palestina. Dos mesmos produtores do ótimo "Incêndios"

O eterno conflito entre israelenses e palestinos volta à tona no festival na produção franco-canadense “Inch’Allah”, de Anaïs Barbeau-Lavalette. Desta vez, as tragégias provenientes do conflito são testemunhadas por uma obstetra que trabalha em um campo de refugiados na cidade de Ramallah, na Palestina. Dos mesmos produtores do ótimo “Incêndios”

FÓRUM
Hélio Oiticica, de Cesar Oiticica Filho

PANORAMA AUDIENCE AWARD – FILMES DE FICÇÃO:

The Broken Circle Breakdown, de Felix van Groeningen (Bélgica, Holanda)

Dirigido pelo belga Felix van Groeningen, o drama "The Broken Circle Breakdow" foi elogiado por sua trágica história de amor entre um ateu e uma religiosa

Dirigido pelo belga Felix van Groeningen, o drama “The Broken Circle Breakdow” foi elogiado por sua trágica história de amor entre um ateu e uma religiosa, ficando com o principal prêmio da mostra Panorama

Segundo lugar – Reaching For The Moon, de Bruno Barreto (Brasil)

Além do documentário "Hélio Oiticica", premiado pela FIPRESCI na categoria Forum, "Flores Raras" (Reaching for the Moon, em inglês), do diretor Bruno Barreto, ficou em segundo lugar entre Centrado no relacionamento amoroso entre a escritora norte- americana Elisabeth Bishop (Miranda Otto) e a paisagista e urbanista brasileira Lota de Macedo Soares (Glória Pires) nos anos 50, o filme tem previsão de estreia em maio

Além do documentário “Hélio Oiticica”, premiado pela FIPRESCI na mostra alternativa Fórum, “Flores Raras” (Reaching for the Moon, em inglês), do diretor Bruno Barreto, ficou em segundo lugar na escolha do público da mostra Panorama. Centrado no relacionamento amoroso entre a escritora norte- americana Elisabeth Bishop (Miranda Otto) e a paisagista e urbanista brasileira Lota de Macedo Soares (Glória Pires) nos anos 50, o filme tem previsão de estreia em maio

Terceiro lugar – Inch’Allah, de Anaïs Barbeau-Lavalette (Canada/França)

PANORAMA AUDIENCE AWARD – DOCUMENTÁRIOS: 

1º lugar: The Act Of Killing, de Joshua Oppenheimer (Dinamarca, Noruega e Grã-Bretanha)

2º lugar: Salma, de Kim Longinotto (Grã-Bretanha)

3º lugar: A World Not Ours, de Mahdi Fleifel (Líbano, Grã-Bretanha e Dinamarca)

Juliette Binoche foi aclamada por sua atuação em "Camille Claudel, 1915", em que atinge a transcendência física e espiritual de mais uma personagem do controverso diretor de "O Pecado de Hadewijch", o controverso Bruno Dumont

Juliette Binoche foi aclamada por sua atuação em “Camille Claudel, 1915”, em que atinge a transcendência física e espiritual de mais uma personagem do controverso diretor de “O Pecado de Hadewijch”, o francês Bruno Dumont. Mas o prêmio de melhor atriz ficou mesmo com a chilena Paulina García, que brilhou em “Gloria”