cinema verdade

É TUDO VERDADE! EM VÁRIOS DOCUMENTÁRIOS RECÉM-LANÇADOS NA 2001

NO PACOTE DE DOCUMENTÁRIOS QUE ACABA DE CHEGAR NA 2001, DESCUBRA O OLHAR DE DIFERENTES CINEASTAS PARA ASSUNTOS QUE VÃO DAS ARTES PLÁSTICAS À REALIDADE DO SISTEMA JUDICIAL BRASILEIRO.

Conheça o trabalho de Marina Abramovic e Ai Weiwei – dois dos mais importantes nomes da arte contemporânea -, as diferentes vertentes da música caribenha, os bastidores de quatro peças de teatro aqui no Brasil, a história da fotografia, e muito mais. É a força do cinema documentário na 2001.

A ARTISTA ESTÁ PRESENTE

1

Dirigido por Mathews Akers, o documentário apresenta cenas de bastidores e o trabalho da celebrada artista sérvia Marina Abramovic. A partir de retrospectiva de sua obra organizada pelo Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA), em 2010, entenda porque Marina é considerada a mais importante e relevante artista performática da atualidade. Vencedor da categoria “Escolha da audiência” da mostra Panorama no Festival de Berlim em 2012.

AI WEIWEI – SEM PERDÃO

2

Premiado no Festival de Sundance, o filme de Alison Klayman acompanha três anos da vida do artista e ativista chinês Ai Weiwei, famoso por usar as mídias sociais e sua arte para inspirar protestos contra a ditadura em seu país. Como resultado, teve seu blog cancelado e seu estúdio destruído, foi espancado e preso. É a história, vista de perto, de um dissidente da era digital que inspira o público e confunde os limites entre arte e política global.

NOSTALGIA DA LUZ

3

Dirigido pelo chileno Patricio Guzmán (“A Batalha do Chile”), o documentário é considerado um dos melhores filmes latino-americanos da última década. No deserto de Atacama, astrônomos de todo o mundo se reúnem para observar as estrelas. Ao mesmo tempo em que eles pesquisam as galáxias em busca de vida extraterrestre, um grupo de mulheres procura os corpos de seus parentes, desaparecidos durante a ditadura militar sob o regime de Pinochet.

MÚSICA LIBRE

4

Minissérie documental com cinco episódios que revelam o universo musical de países do Caribe. Filmada em Cuba, Jamaica, Haiti, República Dominicana e Trinidad & Tobago, a produção traz um panorama da cena de cada país, mostrando ritmos tradicionais e contemporâneos através de memoráveis performances e entrevistas com grandes músicos como Chucho Valdés, Omara Portuondo, Sly Dunbar, entre outros. Direção de Carolina Sá.

O HOMEM QUE ENGARRAFAVA NUVENS

5

Dirigido pelo pernambucano Lírio Ferreira (“Baile Perfumado”, “Sangue Azul“), o longa relata a história do músico Humberto Teixeira. Precursor da criação do Baião, criou clássicos como “Kalú”, “Asa Branca”, “Juazeiro” e, junto com Luiz Gonzaga, revolucionou a música popular brasileira. Depoimentos de, entre outros, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Maria Bethania, Gal Costa, Fagner, Belchior, Lenine, Otto, Bebel Gilberto e David Byrne.

OS DIAS COM ELE

6

Dirigido por Maria Clara Escobar, o filme tem como eixo a sua relação com o pai, o filósofo, dramaturgo e professor Carlos Henrique Escobar. As descobertas e frustrações de acessar a memória de um homem – e de um período negro da história brasileira – permeiam a narrativa que caminha entre o campo afetivo e a investigação do passado. Melhor Filme do Festival de Cinema de Tiradentes e vencedor da Menção Honrosa no Festival de Cinema de Havana.

TERCEIRO SINAL

7

A fotógrafa e documentarista Sandra Delgado dirige esta série que mostra os bastidores de quatro peças teatrais, dirigidas por Aderbal Freire-Filho (“Hamlet”), José Celso Martinez Corrêa (“Estrela Brazyleira a Vagar – Cacilda!!”), Domingos Oliveira (“Do Fundo do Lago Escuro”) e Amir Haddad (“As Meninas”). Delgado acompanhou cerca de 6 horas de ensaios diários das produções, de 2008 a 2010, elaborando um fascinante making of para os fãs de teatro.

ROMANCE DE FORMAÇÃO

6

O documentário da jovem Julia De Simone mergulha no cotidiano de quatro estudantes brasileiros em algumas das escolas mais renomadas do mundo. Jovens que carregam consigo a responsabilidade de crescer dentro de grandes instituições acadêmicas, com seus sonhos e anseios. Nesse percurso, eles alcançam muitas conquistas e deixam para trás várias ilusões.

JUSTIÇA & JUÍZO

8

Dois aclamados – e premiados – documentários de Maria Augusta Ramos. Em “Justiça” (2004), ela pousa sua câmera no Tribunal de Justiça no Rio de Janeiro, acompanhando o cotidiano tanto daqueles que trabalham ali (defensores públicos, juízes, promotores) como daqueles ali de passagem (réus). Já em “Juízo” (2007), Ramos mostra a trajetória de menores de 18 anos diante da lei, desde o instante da prisão até seu julgamento por roubo, tráfico ou homicídio.

CONTATOS 1 – A GRANDE TRADIÇÃO DO FOTOJORNALISMO

9

Primeiro de uma série de três volumes na qual um conjunto de imagens são comentadas por seus autores a fim de analisar o processo criativo da fotografia. Doze fotógrafos discutem seus métodos de trabalho – como quem organiza um livro de memórias ou retorna ao acontecimento enquadrado, com a ajuda destes blocos de notas visuais. Inclui o livreto “O Presente Infinito”. Filmes incluídos no DVD:

1. Henri Cartier-Bresson, de Robert Delpire (França, 1994. 12’)

2. William Klein, de William Klein (França, 1990. 15’)

3. Raymond Depardon, de Raymond Depardon e Roger Ikhlef (França, 1990. 13’)

4. Josef Koudelka, de Robert Delpire (França, 1990. 12’)

5. Robert Doisneau, de Sylvain Roumette (França, 1990. 15’)

6. Edouard Boubat, de Roger Ikhlef (França, 1994. 15’)

7. Elliott Erwitt, de Elliott Erwitt (França, 2002. 12’)

8. Marc Riboud, de Alain Taieb (França, 1990. 13’)

9. Leonard Freed, de Alain Taieb e Leonard Freed (França, 1990. 13’)

10. Mario Giacomelli, de Yervant Gianikian e Angela Ricci Lucchi (França, 1994. 14’)

11. Helmut Newton, de Philippe Collin (França, 1990. 12’)

12. Don McCullin, de Sylvain Roumette (França, 1993. 14’)

CONTATOS 2 – A RENOVAÇÃO DA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

10

Segundo volume da série baseada em ideia de William Klein, com onze fotógrafos discutindo seus métodos de trabalho. Inclui os filmes:

1. Sophie Calle, de Jean-Pierre Krief (França, 1997. 13′)

2. Nan Goldin, de Jean-Pierre Krief (França, 1999. 13′)

3. Duane Michals, de Dominique Dubosc (França, 1993. 13′)

4. Sarah Moon, de Sarah Moon (França, 1994. 13′)

5. Nobuyoshi Araki, de Jean-Pierre Krief (França, 2000. 14′)

6. Hiroshi Sugimoto, de Jean-Pierre Krief (França, 2000. 14′)

7. Andreas Gursky, de Sylvain Roumette (França, 1999. 13′)

8. Thomas Ruff, de Jean-Pierre Krief (Franca, 1997. 13′)

9. Jeff Wall de Jean-Pierre Krief (França, 2000. 14′)

10. Lewis Baltz, de Sylvain Roumette (França, 1997. 13′)

11. Jean-Marc Bustamante, de Marie-Dominique Dhelsing (França, 2000. 13′).

CONTATOS 3 – A FOTOGRAFIA CONCEITUAL

12

Desta vez, dez fotógrafos discutem seu processo de trabalho nos seguintes vídeos:

1. John Baldessari, de Jean-Pierre Krief (França, 2002. 14’)

2. Bernd & Hilla Becher, de Jean-Pierre Krief (França, 2002. 15’)

3. Christian Boltanski, de Alain Fleischer (França, 2002. 12’)

4. Alain Fleischer, de Alain Fleischer (França, 2002. 14’)

5. John Hilliard, de Jean-Pierre Krief (França, 2002. 14’)

6. Roni Horn, de Jean-Pierre Krief (França, 2004. 13’)

7. Martin Parr, de Françoise Marie e Jean-Pierre Krief (França, 2002. 15’)

8. Georges Rousse, de Jean-Pierre Krief (França, 2002. 14’)

9. Thomas Struth, de Jean-Pierre Krief (França, 2002. 15’)

10. Wolfgang Tillmans, de Jean-Pierre Krief (França, 2004. 13’)

“1932: HISTÓRIAS DE UMA GUERRA” E MAIS DOCUMENTÁRIOS PARA O FERIADO DE 9 DE JULHO

DESDE 1997, O DIA 9 DE JULHO PASSOU A SER FERIADO CIVIL NO ESTADO DE SÃO PAULO. TRATA-SE DA CELEBRAÇÃO DA DATA MAGNA DO ESTADO, EM MEMÓRIA AO DIA EM QUE OS PAULISTAS PEGARAM EM ARMAS PARA LUTAR PELO REGIME DEMOCRÁTICO NO PAÍS, DEFLAGRANDO A REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932.

Sancionado pelo então governador Mário Covas, em 1997, o feriado de 9 de Julho no estado foi criado para lembrar os mais de 35 mil paulistas que lutaram, com pelo menos 890 mortos, nos combates que marcaram a Revolução de 1932. Motivados pela data comemorativa, selecionamos “1932: Histórias de uma Guerra” e outros documentários com pano de fundo político.

1932: HISTÓRIAS DE UMA GUERRA

3

Dirigido e produzido por Thiago Montelli, com pesquisa e apresentação dos historiadores André Cezaretto e Thiago Castro, o filme procura desconstruir as versões oficiais em torno da Revolução de 32, por meio de entrevistas com especialistas e veteranos de guerra. Os depoimentos ajudam a entender o porque de suas atitudes, revelando não só os acontecimentos, mas a memória do conflito ao longo dos últimos 80 anos. Edição repleta de extras.

O DIA QUE DUROU 21 ANOS

2

O documentário reconstitui, por meio de minuciosa pesquisa histórica, a influência do governo dos Estados Unidos no golpe de Estado que eclodiu no Brasil em 1964. Com documentos secretos e gravações originais da época – incluindo áudios inéditos da Casa Branca, o filme mostra como os presidentes John F. Kennedy e Lyndon Johnson organizaram-se para tirar o presidente João Goulart do poder.

Um dos documentários mais vendidos da história da 2001.

CINEMATECA SYLVIO BACK – VOL.2

6

Com 3 DVDs, a coleção traz seis filmes de Sylvio Back, um dos maiores diretores do cinema brasileiro contemporâneo. Uma seleção especial que inclui longas de ficção e os documentários “República Guarani” (1978), “Revolução de 30” (1980) – filme-colagem sobre o movimento tenentista -, “O Contestado – Restos Mortais” (2010) e “O Universo Graciliano” (2014).

HÉRCULES 56

30

Em 1969, em plena ditadura no Brasil, duas organizações revolucionárias raptaram o embaixador americano Charles Elbrick e exigiram a libertação de quinze presos políticos, levados ao México no avião Hércules, prefixo 56. Neste documentário, os nove remanescentes do grupo e cinco membros da organização responsáveis pelo sequestro discutem as causas e consequências da luta armada contra o regime militar. Exibido no festival É Tudo Verdade em 2007.

CONTERRÂNEOS VELHOS DE GUERRA

32

Com a estreia do longa de ficção “O Outro Lado do Paraíso” (de André Ristum) nos cinemas, vale a pena conhecer este premiado documentário de Vladimir Carvalho. “Conterrâneos…” acompanha as histórias de luta de diversos trabalhadores que migraram para Brasília em 1959, a fim de trabalhar na construção da futura capital brasileira. Premiado pela APCA e vencedor do prêmio especial do júri do Festival de Gramado.

UM SONHO INTENSO

4

Dirigido por José Mariani, o documentário analisa o processo histórico, social e econômico do Brasil dos anos 1930 anos até os dias de hoje. Um painel inteligente e surpreendente do processo de desenvolvimento do país visto pelo olhar crítico de economistas, sociólogos e historiadores. Depoimentos de nomes como Celso Amorim, Francisco de Oliveira, José Murilo de Carvalho, entre outros.

SARTRE NO CINEMA

9

Além da minissérie “Sartre: A Era das Paixões”, este DVD duplo apresenta “Sartre por ele mesmo” (1976), documentário com mais de três horas em que o escritor e filósofo fala de sua obra e de suas ideias. Um depoimento autobiográfico em que Sartre fala sobre suas experiências pessoais, refletindo também sobre o universo político que o cerca.

CORAÇÕES E MENTES

7

Dirigido por Peter Davis, o filme é considerado um dos melhores documentários de todos os tempos. A partir de extenso material de arquivo, Davis mostra com olhar crítico o confronto dos Estados Unidos no Vietnã, e os efeitos desastrosos de uma guerra. Vencedor do Oscar de melhor documentário em 1975, “Corações e Mentes” pode ser conferido em versão remasterizada com mais de duas horas de extras, além de livreto especial de 48 páginas.

O FASCISMO DE TODOS OS DIAS

10

Intercalando imagens de 1965 e material capturado do arquivo do Ministério de Propaganda do III Reich – da coleção pessoal de Hitler e de fotografias apreendidas de soldados alemães da SS -, o cineasta russo Mikhail Romm desenvolve uma reflexão sobre a natureza do fascismo, enquanto reconstrói a trajetória de sua ascensão e queda.

ADEUS, CAMARADAS! 

22

Minissérie do canal francês ARTE sobre o apogeu e a queda da União Soviética e do bloco comunista, entre os anos de 1975 e 1991. Versão integral em DVD duplo com mais de cinco horas de duração, alternando entrevistas, músicas e imagens raras de arquivo. E a direção é do renomado documentarista russo Andrei Nekrasov, que foi assistente do mestre Andrei Tarkovski em “O Sacrifício“.

CINEMA-VERDADE NA 2001: A MELHOR SELEÇÃO DE DOCUMENTÁRIOS EM DVD

tudo-verdade

MAIOR FESTIVAL DE DOCUMENTÁRIOS DA AMÉRICA LATINA, O É TUDO VERDADE CHEGA À SUA 21ª EDIÇÃO, DE 7 A 17 DE ABRIL EM SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO. E, NA 2001, SÃO MAIS DE 300 TÍTULOS EM DVD, DE CLÁSSICOS DO GÊNERO A PRODUÇÕES RECENTES.

Em virtude da realização desse que é o principal evento dedicado à cultura do documentário na América Latina, selecionamos uma pequena amostra do gênero disponível para venda no acervo da 2001.

No meio de tantas estreias nos cinemas toda semana, é difícil ter espaço para documentários que, quando conseguem uma brecha na programação, entram e saem de cartaz em pouco tempo. Eventuais lançamentos do gênero em DVD acabam sendo uma forma de conhecer e apreciar trabalhos importantes, e de relevância histórica, como “Malala“, sobre a jovem ativista paquistanesa atacada por membros do Talibã em 2012; “Simone de Beauvoir e o Feminismo“, obrigatório para entender a condição feminina, ontem e hoje; e “O Dia que Durou 21 Anos“, sobre o golpe de Estado que eclodiu no Brasil em 1964. Sem falar nos clássicos, entre eles o aguardado “Imagens do Inconsciente“, de Leon Hirszman, sobre o incrível trabalho da psiquiatra Nise da Silveira.

As possibilidades da narrativa no documentário são infinitas. Assim como a diversidade do gênero no site da 2001, com cerca de 300 títulos para venda.

Porque É Tudo Verdade.
Equipe 2001

CINEMATECA SYLVIO BACK – VOL.2

3333

Com 3 DVDs, a coleção traz seis filmes de Sylvio Back, um dos maiores diretores do cinema brasileiro contemporâneo. Uma seleção especial que inclui longas de ficção e os documentários “República Guarani” (1978), “Revolução de 30” (1980), “O Contestado – Restos Mortais” (2010) e “O Universo Graciliano” (2014).

O DIA QUE DUROU 21 ANOS

2

O documentário reconstitui, por meio de minuciosa pesquisa, a influência do governo dos Estados Unidos no golpe de Estado que eclodiu no Brasil em 1964. Com documentos secretos e gravações originais da época, o filme mostra como os presidentes John F. Kennedy e Lyndon Johnson se organizaram para tirar o presidente João Goulart do poder.

JUNHO – O MÊS QUE ABALOU O BRASIL

3

Com imagens captadas nas ruas, “Junho” mostra como as manifestações contra o aumento das tarifas de transporte público em São Paulo, em junho de 2013, ganharam dimensão nacional e atingiram centenas de cidades. O filme é um registro histórico de um Brasil em transformação, com revolta generalizada contra a corrupção, a falta de serviços públicos e o excesso de gastos com o Mundial de Futebol.

IMAGENS DO INCONSCIENTE (DVD Duplo)

00000000000000

Realizado entre 1983 e 1986 por Leon Hirszman (“Eles não usam Black Tie”), o filme é um documentário em episódios, com pinturas, desenhos e modelagens que expressam o mundo interior de três artistas: Fernando Diniz, Adelina Gomes e Carlos Pertuis. Cada filme aborda um caso clínico da psiquiatra Nise da Silveira, que, inspirada pelas teorias de Carl Jung, revolucionou o tratamento de pacientes com sua abordagem humanista e a cura através da arte.

CARL GUSTAV JUNG – QUESTÃO DO CORAÇÃO

4

Escrito pela especialista Suzanne Wagner, o documentário reconstitui a trajetória do genial psiquiatra suíço por meio de imagens raras de arquivo, e depoimentos de seus amigos e colaboradores, como o escritor Laurens van der Post e os analistas Marie-Louise von Franz e Joseph Henderson. DVD com quase uma hora de extras, incluindo entrevista rara com o próprio Jung, gravada pela BBC em 1959 (“Face a Face com Jung”).

JACQUES LACAN E A PSICANÁLISE

5

O DVD reúne três documentários inéditos com raras entrevistas com o célebre psicanalista francês, além de discussões sobre sua vida, sua obra e suas principais teorias: “Um Encontro com Lacan” (2011), “Lacan: A Psicanálise Reinventada” (2001) e “Jacques Lacan Fala” (1972), este último com uma histórica gravação de palestra polêmica de Lacan na Universidade Católica de Louvain.

A VERDADE SOBRE MARLON BRANDO

6

Inédito nos cinemas brasileiros, o documentário de Stevan Riley teve acesso a mais de 200 horas de vídeos e áudios do acervo pessoal de Brando, realizando um desejo do próprio homenageado, que planejava lançar um filme autobiográfico antes de falecer, em 2004. A produção apresenta diferentes fases da vida do polêmico, dando voz ao astro, por meio de antigas gravações de áudio que conduzem a narrativa.

MALALA

7

Dirigido por Davis Guggenheim (“Uma Verdade Inconveniente”), este importante documentário mostra os desafios de Malala Yousafzai, jovem ativista paquistanesa que ficou conhecida após sofrer um atentado por parte do Talibã em 2012. Aos 17 anos, Malala tornou-se a pessoa mais jovem a ganhar um Prêmio Nobel, o da Paz, em 2014.

SIMONE DE BEAUVOIR E O FEMINISMO

8

Recém-lançado pela Versátil, o DVD traz três documentários inéditos com raras entrevistas com a filósofa, escritora e ativista política francesa. Em “Uma Mulher Atual” (2007), Dominique Gros traça panorama de sua vida e obra; em “Porque Sou Feminista” (1975), Jean-Louis Servan-Schreiber entrevista Beauvoir para o programa “Questionnaire”; e “Simone de Beauvoir Fala” mostra uma rara entrevista filmada em Paris pela Radio-Canada.

SARTRE NO CINEMA

9

Além da minissérie “Sartre: A Era das Paixões”, este DVD duplo apresenta “Sartre por ele mesmo” (1976), documentário com mais de três horas em que o escritor e filósofo fala de sua obra e de suas ideias. Um depoimento autobiográfico em que Sartre fala sobre suas experiências pessoais, refletindo também sobre o universo político que o cerca.

O FASCISMO DE TODOS OS DIAS

10

Intercalando imagens de 1965 e material capturado do arquivo do Ministério de Propaganda do III Reich – da coleção pessoal de Hitler e de fotografias apreendidas de soldados alemães da SS -, o cineasta russo Mikhail Romm desenvolve uma reflexão sobre a natureza do fascismo, enquanto reconstrói a trajetória de sua ascensão e queda.

O RENASCIMENTO DO PARTO

11

Dirigido por Eduardo Chauvet, o longa investiga a grave realidade obstétrica mundial e sobretudo brasileira, caracterizada por um número alarmante de cesarianas ou de partos com intervenções traumáticas – e desnecessárias. Por meio dos relatos de alguns dos maiores especialistas na área e das mais recentes descobertas científicas, questiona-se o modelo obstétrico atual.

CHANTAL ACKERMAN, DE CÁ / A CASA DE SANDRO

21

No documentário dirigido por Gustavo Beck, o jornalista Leonardo Luiz Ferreira conduz entrevista com a diretora belga do seminal “Jeanne Dielman”, na qual ela reflete sobre o cinema, a vida e sua obra. A ideia de realizar o filme surgiu da admiração dos dois brasileiros pelo trabalho da cineasta, que esteve por aqui para participar de mostra sobre sua carreira, no Centro Cultural Banco do Brasil, em 2009.

DAFT PUNK UNCHAINED

91

Depois de inspirarem a trama principal do longa francês “Eden”, Thomas Bangalter e Guy-Manuel De Homem-Christo -a dupla do Daft Punk (do hit “Get Lucky”) – é tema deste documentário inédito produzido pela BBC. Os dois aparecem de cara limpa (sem os famosos capacetes) em uma imagem de arquivo do início da carreira nos anos 1990. O filme ainda conta com depoimentos de nomes como Giorgio Moroder, Kanye West e Pharrell.

DIOR E EU

12

Dirigido pelo francês Frédéric Tcheng (de “Valentino: The Last Emperor”), o documentário estreou no Festival de Tribeca e mostra os bastidores do primeiro desfile de Raf Simons como diretor criativo da grife Dior, em julho de 2012. Com pleno acesso ao dia a dia da equipe, as câmeras registram as dificuldades e tensões existentes ao longo da elaboração de um badalado desfile de alta costura.

MARGARET MEE E A FLOR DA LUA

13

Documentário sobre a vida e a obra da ilustradora botânica Margaret Mee, que viveu no Brasil por 36 anos, onde realizou 15 expedições à floresta amazônica e deixou valioso legado iconográfico e artístico. Suas ilustrações são até hoje uma fonte preciosa de pesquisa para a ciência botânica. O filme refaz os caminhos de Margaret até a flor da lua e mostra o amor da artista pela natureza, sua militância ecológica e seu pioneirismo.

ELEVADO 3.5

14

Um filme sobre o mundo de pessoas que se cruzam ao longo dos 3.5 km do Minhocão, via expressa construída na região central de São Paulo, durante a ditadura militar. Do nível da rua ao último andar, o espectador é conduzido por diferentes pontos de vista, mergulhando nas histórias dos personagens que ali vivem e/ou trabalham. Prêmio ‘Janela para o Contemporâneo’ de melhor documentário no Festival É TUDO VERDADE.

A LUZ DO TOM

15

Baseado no livro “Antonio Carlos Jobim – o Homem Iluminado”, o documentário apresenta um retrato afetivo do artista por meio de três pontos de vista: Helena Jobim, a irmã querida e parceira do primeiro piano; Thereza Hermanny (1ª esposa), companheira da juventude e testemunha do processo de criação do compositor desde a juventude; e Ana Lontra Jobim, fotógrafa da natureza, a companheira de seus últimos anos.

AS CANÇÕES

16

Exibido na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e premiado no Festival do Rio, o documentário prossegue a linha de pesquisa de outros trabalhos de Eduardo Coutinho (“Edifício Master”, “Jogo de Cena”), reunindo o depoimento de 18 pessoas selecionadas nas ruas do Rio de Janeiro. Em um set de filmagem, cada uma fala sobre a canção que marcou sua vida. Nos extras, faixa comentada por João Moreira Salles, Coutinho e Eucanaã Ferraz.

HERBERT DE PERTO

17

Documentário sobre a vida do cantor e compositor Herbert Vianna, líder dos Paralamas do Sucesso, desde o início da banda até o trágico acidente que mudou a vida do artista. Um olhar afetuoso para o vocalista, contando um pouco de sua vida a partir de depoimentos de familiares, amigos e de seus companheiros de banda. Projeto iniciado em 2001, logo após o acidente de ultraleve que deixou o artista paraplégico.

LIFE STORY – A JORNADA PELA VIDA (BBC EARTH)

143

Narrado por David Attenborough, mostra como os animais tentam superar os desafios que surgem nos seis estágios cruciais da vida. Os animais devem sobreviver aos perigos de ser jovem e indefeso, aprender como sobreviver no mundo adulto, achar um lar, escalar a escada social a uma posição de poder, ganhar um par, tornar-se pai e entregar a próxima geração ao mundo.

VIDA ABAIXO DE ZERO (BBC EARTH)

18

O que é necessário para sobreviver em um ambiente extremo? Siga o drama e as dificuldades enfrentadas por diferentes famílias do Alasca vivendo no meio do nada, a quilômetros de distância da estrada mais próxima, enfrentando tempestades de neve, ursos famintos, terrenos congelados e recursos escassos através de um impiedoso inverno.

NATAL NA 2001: É TUDO VERDADE EM “DIOR E EU” E “A VERDADE SOBRE MARLON BRANDO”

DOIS LANÇAMENTOS NA 2001 CONFIRMAM A FORÇA DO CINEMA NÃO-FICCIONAL: “DIOR E EU“, PARA OS FASHIONISTAS DE PLANTÃO E AMANTES DA MODA, E “A VERDADE SOBRE MARLON BRANDO“,  UM DOS 15 FILMES PRÉ-SELECIONADOS PARA DISPUTAR O OSCAR 2016 DE MELHOR DOCUMENTÁRIO.

Já disponível

Já disponível

DIOR E EU

Dirigido pelo francês Frédéric Tcheng (de “Valentino: The Last Emperor”), o documentário fez sua estreia no Festival de Tribeca no ano passado, e mostra os bastidores do primeiro desfile de Raf Simons como diretor criativo da grife Dior, em julho de 2012.

Com pleno acesso ao dia a dia da equipe, as câmeras registram as dificuldades e tensões existentes ao longo da elaboração de um badalado desfile de alta costura, e Tcheng resgata as palavras do próprio Christian Dior da década de 1940 a fim de refletir sobre a indústria da moda.

Descubra o que há por trás dos manequins de um desfile e o que faz da Casa Dior um ícone. O acesso ao backstage está liberado em “Dior e Eu“.

Já disponível

Já disponível

A VERDADE SOBRE MARLON BRANDO

Inédito nos cinemas brasileiros, o documentário de Stevan Riley teve acesso a mais de 200 horas de vídeos e áudios do acervo pessoal de Brando, realizando um desejo do próprio homenageado, que planejava lançar um filme autobiográfico antes de falecer, em 2004.

A produção apresenta diferentes fases da vida do polêmico ator, desde a infância até a carreira consolidada no cinema, além de abordar sua relação com a auto-hipnose. Só que, ao invés dos tradicionais depoimentos de amigos e familiares, o filme dá voz apenas ao astro, por meio de antigas gravações de áudio que conduzem a narrativa.

Um dos 15 pré-selecionados da lista que irá apontar os cinco indicados ao Oscar de melhor documentário. Os finalistas serão anunciados junto aos outros indicados da Academia em 14 de janeiro do ano que vem.

002

EXTRAS: 

* Making of
* Digitalizando Marlon

O GÊNERO POLICIAL GANHA FÔLEGO NA 2001 COM “OS INFRATORES” E “MARCADOS PARA MORRER”

Exibido no Festival de Cannes no ano passado, "Os Infratores" é um forte policial de época ambientado durante o período da Lei Seca nos EUA, nos anos 1920

Exibido no Festival de Cannes no ano passado, “Os Infratores” é um forte policial de época ambientado em 1930, com a Lei Seca ainda em vigor nos EUA

Os Infratores
(Lawless, EUA, 2012, Cor, 116′)
Imagem – Policial – 16 anos
Direção: John Hillcoat
Elenco: Tom Hardy, Shia LaBeouf, Guy Pearce, Jason Clarke, Jessica Chastain, Mia Wasikowska, Gary Oldman

Sinopse: Na década de 1930, em plena Lei Seca, os irmãos Bondurant ganham a vida vendendo bebidas alcoólicas ilegalmente. Só que Charlie Rakes, um policial enviado de Chicago, está disposto a usar todos os meios possíveis para destruí-los.

 
Os Infratores ressuscita a era da Grande Depressão americana, período marcado pela pobreza extrema da população e pela explosão da criminalidade durante a famosa Lei Seca. É nesse panorama que os irmãos Forrest (Tom Hardy, mais uma vez intimidador), Howard (Jason Clarke, de “A Hora Mias Escura”) e o caçula Jack (Shia LaBeouf) Bondurant prosperam ao produzir bebidas alcoólicas clandestinamente na cidade de Franklin (Virgínia, EUA). Tudo vai bem até que Forrest, o mais forte e temido dos três, se recusa a pagar propina para um promotor. Um policial corrupto e sádico (Guy Pearce, de Amnésia) decide pôr um fim à supremacia dos Bondurant, transformando o enredo em um banho de sangue ao gosto do diretor australiano John Hillcoat.

Um dos pontos altos do filme é o elenco, formado por três grande atores: Guy Pearce (de "Amnésia"), no papel do vilão, e dois atores em ascensão meteórica em Hollywood - Tom Hardy (o Bane de "O Cavaleiro das Trevas Ressurge") e a ruiva Jessica Chastain (revelada em "Árvore da Vida"), indicada ao Oscar de melhor atriz por "A Hora Mais Escura"

Um dos pontos altos do filme é o elenco, formado por três nomes importantes: Guy Pearce (de “Amnésia”), no papel do vilão, e (na foto) dois atores em ascensão meteórica em Hollywood – Tom Hardy (o Bane de “O Cavaleiro das Trevas Ressurge”) e a ruiva Jessica Chastain (revelada em “Árvore da Vida”), indicada ao Oscar de melhor atriz este ano por “A Hora Mais Escura”

Acostumado a explorar a violência inerente ao homem em filmes angustiantes como A Proposta (2005) e A Estrada (2009), Hillcoat escreveu Os Infratores ao lado de seu parceiro habitual, o músico Nick Cave, também autor da trilha sonora que inclui uma versão country de White Light / White Heat de Lou Reed.

Baseado no romance histórico The Wettest County in the World, escrito por Matt Bondurant (neto do personagem de LaBeouf), o violento policial de época é um retrato sem retoques da rivalidade entre vilões e mocinhos difíceis de distinguir em sua brutalidade.

Mais moderninho, "Marcados para Morrer" é um policial com a cara da geração "Youtube", misturando a estética das ruas com a obsessão atual de transformar o cotidiano em reality show

Mais moderninho, “Marcados para Morrer” é um policial com a cara da geração “Youtube”, misturando a estética das ruas com a obsessão atual de transformar o cotidiano em reality show

Marcados para Morrer
(End of Watch, ESP, 2012, Cor, 109′)
California – Policial – 14 anos
Direção: David Ayer
Elenco: Jake Gyllenhaal, Michael Peña, Anna Kendrick, Frank Grillo

Sinopse: Brian Taylor e Mike Zavala formam uma dupla policial que patrulha as áreas mais ameaçadoras da região centro-sul de Los Angeles. Ao se depararem com uma terrível descoberta envolvendo o cartel de drogas que comanda a região, colocam suas vidas em perigo.

 
Roteirista de Velozes e Furiosos (2001), Dia de Treinamento (2001) e Tempos de Violência (2005), David Ayer vem tornando-se um especialista em histórias policiais ambientadas em Los Angeles.

Em Marcados para Morrer, ele quer transportar o espectador para o ponto de vista dos policiais e consegue, por meio de artifício cada vez mais comum. Na sociedade midiática atual, na qual o cotidiano de qualquer um parece servir a um reality show, a dupla policial vivida por Jake Gyllenhaal e Michael Pena filma a todo momento suas ações por meio de câmeras digitais. É o pretexto para o diretor-roteirista adotar, com exceção de algumas tomadas aéreas, o estilo cinema verité (verdade) em quase todas as cenas filmadas com câmera na mão.

fffff

A dura rotina de dois policiais de Los Angeles, vividos por Michael Peña (indicado ao Independent Spirit Award de melhor ator coadjuvante) e Jake Gyllenhaal, é retratada com realismo sem precedentes pelas câmeras e edição nervosa do filme

Esse recurso confere realismo e ritmo claustrofóbico à narrativa, que reproduz a estética e linguagem das ruas ao seguir as batidas policiais, as discussões e os perigos enfrentados no dia a dia dos protagonistas. Pais de família, os dois sabem se promover usando as câmeras, mas a recém-adquirida notoriedade os torna alvo ainda maior dos bandidos.

OPINIÃO: CINEMA VERITE

Produção original da HBO, Cinema Verite é um contundente retrato das mudanças comportamentais em voga nos anos 1970

Ao transitar entre a ficção e cenas reais, Cinema Verite, dos diretores Shari Springer Berman e Robert Pulcini (O Anti-Herói Americano), retrata os bastidores do primeiro reality show televisivo nos EUA, produzido pela rede PBS nos anos 1970.

O cotidiano de uma família de classe média norte-americana, que revela todos os seus conflitos e dramas na frente das câmeras, torna-se ainda mais interessante ao discutir ética profissional, exploração de imagem, divórcio e homossexualidade.

James Gandolfini interpreta o produtor do programa, e Diane Lane e Tim Robbins, o casal que decide abrir a intimidade da família em rede nacional

A desmistificação da família que vive o ideal do american way of life (o sonho americano), assim como a exploração comercial em cima das nuances de seus dramas pessoais, faz do filme não apenas uma ferramenta de entretenimento, mas também uma reflexão sobre a sociedade na qual vivemos.

 

Comentário de
Patrícia Simões
Colaboradora da 2001 Vídeo Jardins
Rua Estados Unidos, 1324, Jd. América – São Paulo – SP