George A. Romero

EDGAR ALLAN POE E H.P.LOVECRAFT, DOIS MESTRES DO HORROR NA 2001

DOIS GRANDES ESCRITORES, RESGATADOS EM TRÊS COLEÇÕES DA VERSÁTIL COM CLÁSSICOS E CULTS DE DIRETORES COMO FEDERICO FELLINI, GEORGE A.ROMERO, JOHN CARPENTER E ROGER CORMAN.

EDGAR ALLAN POE NO CINEMA

DVD duplo com quatro clássicos dirigidos por Roger Corman e inspirados na obra de Edgar Allan Poe (1809-1849), um mestre da literatura gótica. Esta Edição Especial traz os filmes em inéditas versões restauradas e mais de duas horas de extras.

DISCO 1:

MURALHAS DO PAVOR (“Tales of Terror”, 1962, 89 min.)
De Roger Corman. Com Vincent Price, Peter Lorre e Basil Rathbone.

Quatro contos de Poe em três episódios. Em “Morella”, um jovem descobre que seu pai conserva o cadáver da esposa. O segundo episódio condensa “O Gato Preto” e “O Barril de Amontillado” e o último traz “O Caso do Sr. Valdemar”.

OBSESSÃO MACABRA (“Premature Burial”, 1962, 81 min.)
De Roger Corman. Com Ray Milland, Hazel Court e Richard Ney.

No terceiro filme de Corman baseado em Poe, Ray Milland (“Farrapo Humano”) interpreta um homem que tem medo de ser enterrado vivo, como aconteceu com seu pai.

DISCO 2:

O POÇO E O PÊNDULO (“The Pit and the Pendulum”, 1961, 81 min.)
De Roger Corman. Com Vincent Price, Barbara Steele e John Kerr.

Ao saber da repentina morte de sua irmã, Francis Barnard vai ao castelo de seu cunhado, Nicholas Medina, o atormentado filho de um carrasco da Inquisição espanhola. Também conhecido como “A Mansão do Terror”.

O TÚMULO SINISTRO (“The Tomb of Ligeia”, 1964, 81 min.)
De Roger Corman. Com Vincent Price e Elizabeth Shepherd.

Anos após ter enterrado sua amada esposa Ligeia, Verden Fell aceita a se casar com outra mulher. Porém, seu novo casamento é assombrado pela lembrança da falecida. Último filme do ciclo de Corman dedicado à obra de Poe.

EXTRAS:
* Uma noite com Edgar Allan Poe (52 min.) * Depoimento de Roger Corman sobre “Obsessão Macabra” (10 min.)
* Depoimento de Joe Dante sobre “Obsessão Macabra” (10 min.)
* Trailers dos quatro filmes (11 min.)
* Poe no Cinema (28 min.)
* Making of de “O Poço e o Pêndulo” (43 min.)
* Cena excluída de “O Poço e o Pêndulo” (5 min.)

EDGAR ALLAN POE NO CINEMA – VOL. 2

Bela edição com quatro clássicos inspirados na obra de Poe, em inéditas versões restauradas acompanhadas de muitos extras.

O box traz o cult “Histórias Extraordinárias”, composto por três segmentos, dirigidos por Federico Fellini, Roger Vadim e Louis Malle. “Toby Dammit”, de Fellini, é considerado um dos melhores trabalhos do mestre iltaiano – e uma crítica bem humorada e atual ao culto às celebridades.

DISCO 1:

DOIS OLHOS SATÂNICOS (Due occhi diabolici/Two Evil Eyes, 1990, 120 min.)
De George A. Romero e Dario Argento.
Com Adrienne Barbeau, Harvey Keitel, Ramy Zada.

Dois dos maiores mestres do horror no cinema, George A. Romero e Dario Argento, dirigem duas horripilantes histórias baseadas em contos de Poe: “O Estranho Caso do Sr. Valdemar” e “O Gato Preto”.

HISTÓRIAS EXTRAORDINÁRIAS (Histories Extraordinaires, 1968, 120 min.)
De Federico Fellini, Roger Vadim, Louis Malle.
Com Jane Fonda, Brigitte Bardot, Alain Delon.

Os grandes diretores europeus Federico Fellini, Roger Vadim e Louis Malle dirigem três histórias: “Metzengerstein”, “William Wilson” e “Toby Dammit”.

DISCO 2:

O CORVO (The Raven, 1963, 86 min.)
De Roger Corman
Com Vincent Price, Boris Karloff, Peter Lorre.

Inspirado livremente no célebre poema de Poe, O Corvo é o mais divertido dos filmes do ciclo de Roger Corman dedicado ao escritor. Dois bruxos duelam pela supremacia da do mundo da magia.

GATO NEGRO (Gatto Nero, 1981, 92 min.)
De Lucio Fulci
Com Patrick Magee, Mimsy Farmer, David Warbeck.

Os moradores de um vilarejo inglês começam a morrer numa série de acidentes horríveis e um investigador da Scotland Yard passa a investigar o caso. O encontro de Poe com Lucio Fulci, o mestre do gore.

EXTRAS:
* Especial sobre “Dois Olhos Satânicos” (30 min.)
* Depoimentos (17 min.)
* Trailers (10 min)

LOVECRAFT NO CINEMA

Coleção com três clássicos inspirados na obra de H. P. Lovecraft (1890-1937), um dos grandes mestres da literatura de horror, em inéditas versões restauradas, além de um documentário sobre o escritor e quase duas horas de vídeos extras. Lovecraft é um dos escritores favoritos – e influência assumida – de cineastas como Dan O’Bannon (“A Volta dos Mortos Vivos”) e Guillermo del Toro (“O Labirinto do Fauno”).

DISCO 1:

RE-ANIMATOR: A HORA DOS MORTOS-VIVOS (“Re-Animator”, 1985, 86 min.)
De Stuart Gordon. Com Jeffrey Combs, Bruce Abbott, Barbara Crampton.

Baseando-se livremente no conto “Herbert West: Reanimador”, Stuart Gordon criou uma obra-prima do horror, com muito sangue e cenas escatológicas. Inédita versão restaurada com vários extras, incluindo making of e cenas excluídas. Um dos títulos seminais dos anos 1980.

DO ALÉM (“From Beyond”, 1986, 86 min.)
De Stuart Gordon. Com Jeffrey Combs, Barbara Crampton e Ted Sorel.

A partir do conto homônimo de poucas páginas, Stuart Gordon volta ao universo lovecraftiano para mostrar até onde a tecnologia pode transformar o ser humano. O resultado é uma visceral e alucinante mistura de ficção científica e horror, com cenas desconcertantes.

DISCO 2:

À BEIRA DA LOUCURA (“In the Mouth of Madness”, 1994, 95 min.)
De John Carpenter. Com Sam Neill, Julie Carmen e Jürgen Prochnow.

O investigador John Trent é contratado para achar Sutter Cane, um escritor de histórias de terror que, após terminar seu último livro, misteriosamente desapareceu. Brilhante homenagem de Carpenter ao universo literário de Lovecraft.

LOVECRAFT: MEDO DO DESCONHECIDO (Lovecraft: Fear of the Unknown, 2008, 89 min.)
De Frank H. Woodward. Com Neil Gaiman, Guillermo Del Toro e John Carpenter.

Lovecraft é considerado por muitos o pai do horror moderno. A mitologia aterradora criada por ele influencia milhares de criações do gênero até hoje. Este documentário faz uma crônica sobre a vida, a obra e as ideias do autor de “O chamado de Cthulhu”.

EXTRAS:
* Making of de “Re-Animator” (69 min.)
* Trailers (18 min.)
* Cenas excluídas de “Re-Animator” (26 min.)
* Depoimento de Stuart Gordon sobre “Do Além” (9 min.)

INVASÃO ZUMBI NA 2001

DUAS GRANDES COLEÇÕES DA VERSÁTIL GANHAM AINDA MAIS RELEVÂNCIA APÓS A MORTE DE GEORGE A.ROMERO (EM 16 DE JULHO), CONSIDERADO O PAI DOS FILMES DE ZUMBI MODERNOS. ROMERO DIRIGIU E COESCREVEU “A NOITE DOS MORTOS VIVOS” — CLÁSSICO INCLUÍDO NO VOLUME 2 –, UM MARCO DESSE SUBGENÊRO DO CINEMA DE HORROR.

ZUMBIS NO CINEMA

O DVD duplo reúne 4 dos maiores filmes de zumbi de todos os tempos – incluindo “A Noite dos Mortos Vivos”, a seminal obra-prima de George A.Romero (1940-2017) –, todos em inéditas versões restauradas, mais uma hora de extras, com entrevistas com os diretores.

DISCO 1:

A NOITE DOS MORTOS VIVOS (“Night of the Living Dead”, 1968)
De George A. Romero. Com Duane Jones e Judith O’Dea.

No interior dos Estados Unidos, um grupo de pessoas se refugia numa casa de fazenda, tentando sobreviver ao ataque feroz de mortos vivos comedores de gente. Primeiro grande filme de zumbi da história – e um marco do cinema de horror.

NÃO SE DEVE PROFANAR O SONO DOS MORTOS” (“No profanar el sueño de los muertos”, 1974)
De Jorge Grau. Com Cristina Galbó, Ray Lovelock e Arthur Kennedy.

Um policial persegue dois jovens suspeitos de assassinatos. Porém, os verdadeiros culpados são mortos-vivos. Influenciado por “A Noite dos Mortos Vivos”, Jorge Grau realizou um clássico do horror europeu. Também conhecido como “Zumbi 3”.

DISCO 2:

A NOITE DO TERROR CEGO (“La Noche del Terror Ciego”, 1972)
De Armando de Ossorio. Com César Burner e Lone Fleming.

Um grupo de amigos passa o final de semana em Portugal, onde, nas ruínas de um mosteiro, são vítimas de mortos-vivos cegos, que foram antigos cavaleiros templários. Esse cult exploitation do mestre Ossorio é um dos mais originais filmes de zumbi da história.

A NOITE DOS ARREPIOS (“Night of the Creeps”, 1986)
De Fred Dekker. Com Jason Lively, Tom Atkins e Steve Marshall.

Jovens universitários são infectados por parasitas espaciais que se alimentam do cérebro dos hospedeiros e os transformam em zumbis. Um clássico dos anos 80, esse divertido filme de zumbi é uma grande homenagem aos filmes B dos anos 40 e 50.

EXTRAS:

* Conversa com George A. Romero (16 min.)
* Entrevista em áudio de Duane Jones (16 min.)
* Final alternativo de “A Noite dos Arrepios” (30 seg.)
* Trailer e Spots de TV de “A Noite dos Mortos Vivos” (3 min.)
* Depoimento de Jorge Grau (21 min.)
* Trailer de “Não se Deve Profanar o Sono dos Mortos” (4 min.)
* Entrevista de Armando de Ossorio (10 min.)
* Abertura alternativa de “A Noite do Terror Cego” (2 min.)
* Trailer de “A Noite do Terror Cego” (2 min.)
* Trailer de “A Noite dos Arrepios” (2 min.)

ZUMBIS NO CINEMA 2

DVD duplo reunindo quatro filmes realizados entre os anos 1970 e 80 – dois deles cults: “Enraivecida, na Fúria do Sexo” (1974), longa de David Cronenberg chamado de “terror venéreo”, com a ex-atriz pornô Marilyn Chamber, e “A Volta dos Mortos-Vivos”, dirigido por Dan O’Bannon (roteirista de “Alien, o Oitavo Passageiro”) – e uma homenagem ao cinema de George A. Romero, misturando cenas gore e humor negro.

DISCO 1:

A VOLTA DOS MORTOS-VIVOS (“The Return of the Living Dead”, 1985, 91 min.)
De Dan O’Bannon. Com Clu Gulager, James Karen e Don Calfa.

Dois funcionários de um armazém liberam acidentalmente um gás mortal no ar, reanimando os mortos de um cemitério próximo. Um dos maiores clássicos do horror nos anos 1980 e uma divertida homenagem ao mestre Romero.

ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO (“Rabid”, 1974, 91 min.)
De David Cronenberg. Com Marilyn Chambers, Frank Moore e Joe Silver.

Mulher sofre grave acidente e, após uma cirurgia experimental, é possuída por uma sede de sangue insaciável, espalhando um vírus mortal. Filme de zumbi venéreo do mestre David Cronenberg com a estrela pornô Marilyn Chambers.

DISCO 2:

PAVOR NA CIDADE DOS ZUMBIS (“Paura nella città dei morti viventi”, 1981, 93 min.)
De Lucio Fulci. Com Christopher George, Catriona MacColl e Carlo De Mejo.

Cidade de Dunwich. Uma força maligna é libertada após o suicídio de um padre, que se enforcou no cemitério da igreja. Primeiro filme da célebre Trilogia do Inferno do mestre absoluto do gore Lucio Fulci (“Terror nas Trevas”).

NOITES DE TERROR (“Le notti del terrore/Burial Ground”, 1981, 85 min.)
De Andrea Bianchi. Com Karin Well, Gianluigi Chirizzi e Simone Mattioli.

Durante uma escavação, um professor acidentalmente desperta zumbis etruscos que, famintos por carne humana, atacam um grupo de jovens na vizinhança. Deliciosa pérola trash do ciclo zumbi spaghetti do cinema italiano de horror.

EXTRAS:

* Making of de “Pavor na Cidade dos Zumbis” (32 min.)
* Making of de “A Volta dos Mortos-Vivos” (21 min.)
* Os zumbis de “A Volta dos Mortos-Vivos” (14 min.)
* Entrevista de David Cronenberg (21 min.)
* Trailers (20 min.)

STEPHEN KING NA 2001: O MESTRE DO HORROR MODERNO

“Monstros são reais e fantasmas são reais também. Vivem dentro de nós e, às vezes, vencem.” Stephen King

NASCIDO EM PORTLAND, NO ESTADO DO MAINE, EM 1947, STEPHEN EDWIN KING TORNOU-SE PARTE DA HISTÓRIA DA CULTURA POP, COM MAIS DE 50 LIVROS PUBLICADOS, E 300 MILHÕES DE EXEMPLARES VENDIDOS SÓ NOS EUA.

Autor de inúmeros best-sellers, quase todos nos gêneros terror e fantasia, King é um dos escritores mais adaptados para o cinema e a televisão. “Sou um escritor visual, e isso atrai cineastas”, afirmou certa vez, e uma prova disso são as mais de 200 adaptações de sua obra listadas no site www.imdb.com

Com a estreia de mais uma transposição da obra de King nos cinemas — “A Torre Negra”, com Idris Elba e Matthew McConaughey no elenco –, confira a seguir uma amostra do universo do autor na tela. Destaque para duas minisséries em pré-venda na 2001: “O Iluminado” (1997) e “A Tempestade do Século” (1999).

Bons sustos!

A TEMPESTADE DO SÉCULO – A MINISSÉRIE COMPLETA

DVD Duplo

Minissérie em 3 episódios escrita originalmente para a televisão por Stephen King. Ao contrário da maioria das obras do autor, esta não foi lançada primeiro como livro e depois adaptada.

Uma de suas histórias mais assustadoras, sem monstros ou seres fantásticos, com a ênfase no suspense psicológico. Na trama, Little Tall, uma pequena cidade localizada em uma ilha, está prestes a sofrer uma violenta tempestade de neve. O misterioso Andre Linoge (Colm Feore, de “Titus”) chega ao local e cria pânico entre os moradores. O forasteiro conhece os segredos – inclusive os mais obscuros – de todos os habitantes, gerando caos e medo na comunidade que, presa pela tempestade, não tem como fugir dele.

O ILUMINADO – A MINISSÉRIE COMPLETA

3 Discos

Insatisfeito com a versão de Stanley Kubrick, lançada em 1980 com Jack Nicholson, King resolveu produzir sua própria adaptação, com 3 episódios que foram ao ar pela primeira vez na televisão americana em 1997.

Steven Weber interpreta o protagonista, Jack Torrance, um escritor fracassado que assume o trabalho de zelador do Overlook Hotel. O local fica fechado no inverno por quase cinco meses, deixando Jack isolado ao lado do filho Danny (Courtney Mead) e da esposa Wendy (Rebecca de Mornay). Pouco a pouco, a atmosfera do hotel aumenta as ansiedades e inseguranças dele e tudo explodirá em uma espiral de loucura e violência.

Dirigida por Mick Garris, responsável por outras duas adaptações da obra de King para TV – “A Dança da Morte” e “Saco de Ossos” – , a minissérie é considerada mais fiel ao livro do que o clássico de Kubrick.

Curiosidade: King escreveu uma continuação do livro chamada “Doutor Sono”, que se passa mais de 30 anos depois de “O Iluminado“.

A HORA DA ZONA MORTA

Uma das melhores transposições da obra de King para o cinema, com atmosfera inquietante que é a marca do diretor David Cronenberg. Christopher Walken vive o atormentado Johnny Smith, professor secundário que entra em coma após um terrível acidente de carro. Cinco anos depois, ele acorda e tenta reconstruir sua vida, descobrindo no caminho o poder de prever o futuro. Em um trabalho mais comercial (e comportado), Cronenberg exibe sua assinatura nas assustadoras sequências de previsão do personagem.

COLHEITA MALDITA

Jovem casal (Peter Norton e Linda Hamilton) presencia um assassinato horrendo e parte para Gatlin, a cidade mais próxima, para avisar as autoridades. O local, contudo, parece abandonado e logo eles são aprisionados por um terrível menino, Isaac, que controla todas as crianças da região. Baseado no conto “As Crianças do Milharal”, presente no livro “Sombras da Noite” – primeira coletânea de contos lançada por Stephen King -, o filme teve várias continuações e uma refilmagem em 2009.

A HORA DO LOBISOMEM

Na pequena cidade de Tarker’s Mill, acontecem violentos assassinatos e o jovem Marty (Corey Haim, de “Os Garotos Perdidos”) acredita que o responsável não é um ser humano, mas sim um lobisomem. Terror indicado ao prêmio máximo do Fantasporto, o maior festival de cinema dedicado a filmes do gênero fantástico. Produzido por Dino De Laurentiis (“A Hora da Zona Morta“), “A Hora do Lobisomem” tem o roteiro escrito pelo próprio Stephen King.

O SOBREVIVENTE

Bem antes de “Jogos Vorazes” e similares, King escreveu — sob o pseudônimo de Richard Bachman — esta crítica ao sensacionalismo televisivo. Um dos violentos longas de ação que fizeram a fama de Arnold Schwarzenegger nos anos 1980, o filme se passa, curiosamente, em 2017, com os Estados Unidos transformados em um regime totalitário que patrocina um jogo mortal no qual condenados pela Justiça lutam pela sobrevivência até que apenas um permaneça vivo.

O CEMITÉRIO MALDITO

Louis Creed, um jovem médico de Chicago, muda-se com a família para uma pequena cidade do Maine. Em um passeio pela região, eles conhecem um cemitério onde gerações de crianças enterraram seus animais de estimação. Quando o gato da família morre, Judd Crandall, um vizinho, leva Louis para um cemitério indígena capaz de ressuscitar os animais. Terror dirigido por Mary Lambert (“Marcas de uma Paixão”) com roteiro escrito por King a partir de seu livro “O Cemitério”.

A METADE NEGRA

O tema do duplo, eternizado na obra de Fiódor Dostoievski, é uma constante na obra de King, que se vale da figura do escritor para refletir sobre o uso do pseudônimo – ou outro “eu”. Durante anos o próprio autor escreveu sob o pseudônimo de Richard Bachman. Em “A Metade Negra”, é Thad Beaumont (Timothy Hutton) que usa outro nome para assinar seus violentos best sellers criminais, até que alguém descobre seu segredo e passa a chantageá-lo. Direção do mestre George A. Romero, que nos deixou no último dia 16 de julho, aos 77 anos.

À ESPERA DE UM MILAGRE

Diretor e roteirista de “Um Sonho de Liberdade“, Frank Darabont retorna cinco anos depois com mais uma adaptação da obra de King. Volta a brutalidade de uma penitenciária americana, agora nos anos 1930, onde John Coffey (Michael Clarke Duncan), um gigantesco condenado à morte, desperta a simpatia do carcereiro Paul Edgecombe (Tom Hanks). Indicado ao Oscar de melhor filme, ator coadjuvante (Duncan), roteiro adaptado e som, o longa é baseado em obra originalmente publicada em seis partes com o título de “O Corredor da Morte”.

CARRIE, A ESTRANHA (2013)

Diretora de “Meninos não Choram”, Kimberly Peirce atualiza o primeiro sucesso de vendas de King, levado primeiro para a telona por Brian De Palma em 1976. Na nova versão, Carrie (Chloë Grace Moretz, de “Kick-ass”), além de lidar com sua mãe fanática religiosa (Julianne Moore), precisa enfrentar novas formas de bullying – como a exposição de fotos comprometedoras na internet. Nesta refilmagem, a profusão de efeitos especiais coloca em primeiro plano a paranormalidade da protagonista.

UNDER THE DOME – 1ª TEMPORADA

A intrigante história dos moradores de Chester’s Mill, uma pequena cidade que explicavelmente se vê presa sob uma redoma enorme e transparente. Liderados por um veterano da Guerra do Iraque (Mike Vogel), os moradores unem-se para manter a ordem e lutar contra a barreira que os isola do resto do mundo. Série baseada em obra de King lançada em 2009 após vinte anos de trabalho do escritor. Entre os extras do box, estão cenas inéditas e erros de gravação.

E VEJA TAMBÉM:

Under the Dome – A Série Completa (1 – 3)

SUSPENSE E TERROR É COM A VERSÁTIL!

ALÉM DAS BELÍSSIMAS EDIÇÕES DE “OBRAS-PRIMAS DO TERROR”, A VERSÁTIL CAPRICHA MAIS UMA VEZ COM TRÊS LANÇAMENTOS: “ARMADILHA MORTAL“, A COLEÇÃO “VAMPIROS NO CINEMA” E A MINISSÉRIE “OS VAMPIROS DE SALEM“.

ARMADILHA MORTAL

010

Dirigido pelo mestre Sidney Lumet (de “Serpico” e “Rede de Intrigas”), o filme é baseado numa peça do escritor Ira Levin (autor de “O Bebê de Rosemary”) e traz no elenco os astros Michael Caine (“O Homem que Queria Ser Rei”) e Christopher Reeve (“Em Algum Lugar do Passado”) num duelo de interpretação.

Na trama, um especialista em peças de mistério, o renomado dramaturgo Sidney Bruhl (Caine), amarga uma fase de decadência. Ao receber a primeira peça de um jovem autor, a qual considera genial, Sidney planeja com a esposa convidar o rapaz para visitar sua casa, a fim de matá-­lo e se apropriar de sua peça. É o início de uma trama surpreendente, repleta de reviravoltas.

Metalinguístico e mordaz, “Armadilha Mortal” é um verdadeiro tour de force de Lumet e seus atores, ao estilo teatral do clássico “Trama Diabólica” (1972), de Joseph L. Mankiewicz.

VAMPIROS NO CINEMA

unnamed

No formato digistack, o DVD duplo reúne 4 clássicos de vampiro, todos em versões restauradas, além de mais de duas horas de extras, incluindo documentários e depoimento de Guillermo Del Toro.

DISCO 1:

NOSFERATU (“Nosferatu, eine Symphonie des Grauens”, 1922)
De F. W. Murnau. Com Max Schreck e Greta Schröder.

A obra-prima de Murnau é apresentada em inédita versão restaurada, acompanhada de um excelente documentário sobre a produção.

CRONOS (Idem, 1993)
De Guillermo Del Toro. Com Federico Luppi e Ron Perlman.

Cultuada estreia de Guillermo Del Toro (de “O Labirinto do Fauno”) na direção, “Cronos” é um filme de vampiro sombrio e muito original.

DISCO 2:

QUANDO CHEGA A ESCURIDÃO (“Near Dark”, 1987)
De Kathryn Bigelow. Com Jenny Wright, Lance Henriksen e Bill Paxton.

Após ser mordido por uma garota, o filho de um fazendeiro entra para um grupo de vampiros que viaja pelos EUA atrás de sangue fresco. Direção de Kathryn Bigelow (“Guerra ao Terror”).

A NOITE DOS DEMÔNIOS (“La Notte dei Diavoli”, 1972)
De Giorgio Ferroni. Com Gianni Garko e Agostina Belli.

Brilhante adaptação do conto que deu origem ao episódio “O Wurdalak” de “As Três Máscaras do Terror”, de Mario Bava.

EXTRAS: Documentário “Nosferatu – a Linguagem das Sombras” (53 min.), Trailers (5 min.), Cena excluída de “Quando Chega a Escuridão” (2 min.), Making of de “Quando Chega a Escuridão” (47 min.), Depoimento de Guillermo Del Toro (17 min.)

OS VAMPIROS DE SALEM

00

Dirigida pelo especialista Tobe Hooper (de “O Massacre da Serra Elétrica”), a minissérie é baseada em “A Hora do Vampiro” (1975), o segundo romance de Stephen King. No elenco, estão David Soul (da série “Starsky & Hutch – Justiça em Dobro”) e James Mason (“Cinco Dedos”).

Quando menino, Ben Mears ficou traumatizado com os horrores escondidos na mansão Marsten, localizada em sua cidade natal, Salem’s Lot. Agora adulto e escritor, Ben resolve voltar à cidade para escrever um livro sobre a mansão, a fim de superar seus antigos medos. Mas ele não desconfia que agora a mansão seja habitada por vampiros.

Com ótima direção de Hooper, atmosfera de terror muito bem construída e diversas cenas antológicas, “Os Vampiros de Salem” é mais uma adaptação da obra de King que merece ser conhecida, especialmente pelos fãs do escritor de “Carrie” e “O Iluminado”.

E VEJA TAMBÉM: 

ZUMBIS NO CINEMA

00

DVD duplo com 4 dos maiores filmes de zumbi de todos os tempos, todos em inéditas versões restauradas, além de uma hora de extras, incluindo entrevistas com os diretores.

DISCO 1:

A NOITE DOS MORTOS VIVOS (“Night of the Living Dead”, 1968)
De George A. Romero. Com Duane Jones e Judith O’Dea.

NÃO SE DEVE PROFANAR O SONO DOS MORTOS (“No profanar el sueño de los muertos”, 1974)
De Jorge Grau. Com Cristina Galbó, Ray Lovelock e Arthur Kennedy.

DISCO 2:

A NOITE DO TERROR CEGO (“La Noche del Terror Ciego”, 1972)
De Armando de Ossorio. Com César Burner e Lone Fleming.

A NOITE DOS ARREPIOS (“Night of the Creeps”, 1986)
De Fred Dekker. Com Jason Lively, Tom Atkins e Steve Marshall.

A ARTE DE MARIO BAVA

A-Arte-de-Mario-Bava-3D1

Além dos volumes 1 e 2 de “OBRAS-PRIMAS DO TERROR“, os fãs do cinema de horror podem conhecer o trabalho de um dos maiores cineastas do gênero, Mario Bava. No formato digistack, o DVD duplo reúne quatro obras-primas em versões restauradas do visionário diretor italiano, além de quase duas horas de extras, incluindo um documentário com depoimentos de Tim Burton, Joe Dante e John Carpenter.

ATENÇÃO: Edição Limitada com 4 cards.

DISCO 1:

A MALDIÇÃO DO DEMÔNIO (“La Maschera del Demonio”, 1960)
Com Barbara Steele, John Richardson e Andrea Checchi.

O ALERTA VERMELHO DA LOUCURA (“Il Rosso Segno della Follia/Hatchet for the Honeymoon”, 1970)
Com Stephen Forsyth, Dagmar Lassander e Laura Betti.

DISCO 2:

A GAROTA QUE SABIA DEMAIS (“La Ragazza che Sapeva Troppo”, 1965)
Com Letícia Román, John Saxon e Valentina Cortese.

CÃES RAIVOSOS (“Cani Arrabbiati”, 1974)
Com Riccardo Cucciolla, Don Backy e Lea Lander.

EXTRAS: Documentário “Mario Bava – Maestro do Macabro” (60 min.), Comentário em áudio de Tim Lucas para “A Maldição do Demônio” (87 min.), Introdução de Alan Jones para “A Maldição do Demônio” (3 min.), Entrevista com a atriz Barbara Steele (9 min.), Cena excluída de “A Maldição do Demônio” (4 min.), Trailers de “A Maldição do Demônio” (11 min.), Spot de TV de “A Maldição” (1 min.), Especial sobre “A Garota que Sabia Demais” (21 min.), Trailer de “O Alerta Vermelho da Loucura” (3 min.)

 

E, EM HOMENAGEM A CHRISTOPHER LEE, FALECIDO NO ÚLTIMO DIA 7, RELEMBRE O ATOR INGLÊS NO CLÁSSICO “O CHICOTE E O CORPO” (1963), TAMBÉM DIRIGIDO POR MARIO BAVA E INCLUÍDO NO BOX “OBRAS-PRIMAS DO TERROR“.

Christopher Lee (1922-2015) em cena

Em cena de “O Chicote e o Corpo”, Christopher Lee (1922-2015), lenda do terror e um dos maiores vilões da história do cinema

OBRAS-PRIMAS DO TERROR

DISCO 1:

O CHICOTE E O CORPO (La frusta e il corpo, 1963)
De Mario Bava. Com Christopher Lee e Daliah Lavi.

A ORGIA DA MORTE (The masque of the red death, 1964)
De Roger Corman. Com Vincent Price e Jane Asher.

DISCO 2:

O TÚMULO VAZIO (The body snatcher, 1945)
De Robert Wise. Com Bela Lugosi, Boris Karloff e Henry Daniell.

NA SOLIDÃO DA NOITE (Dead of night, 1945)
De Alberto Cavalcanti e outros. Com Michael Redgrave e Mervyn Johns.

DISCO 3:

A NOITE DO DEMÔNIO (Night of the demon, 1957)
De Jacques Tourneur. Com Dana Andrews e Peggy Cummings.

A ALDEIA DOS AMALDIÇOADOS (Village of the damned, 1960)
De Wolf Rilla. Com George Sanders e Barbara Shelley.

OBRAS-PRIMAS DO TERROR – VOL.2

DISCO 1:

O CICLO DO PAVOR (Operazione Paura, 1966)
De Mario Bava. Com Giacomo Rossi­Stuart e Erika Blanc.

LISA E O DIABO (Lisa e il Diavolo, 1973)
De Mario Bava. Com Elke Sommer, Telly Savalas e Sylva Koscina.

DISCO 2:

A MANSÃO DO INFERNO (Inferno, 1980)
De Dario Argento. Com Leigh McCloskey, Irene Miracle e Eleonora Giorgi.

MARTIN (Idem, 1976)
De George Romero. Com John Amplas, Lincoln Maazel e Christine Forrest.

DISCO 3:

PELO AMOR E PELA MORTE (Dellamorte Dellamore, 1993)
De Michele Soavi. Com Rupert Everett e François Hadji­Lazaro.

TERROR NAS TREVAS (…E tu vivrai nel terrore! L’aldilà, 1981)
De Lucio Fulci. Com Catriona MacColl, David Warbeck e Cinzia Monreale.

10649449_802092579847935_6998303698150094449_n

OPINIÃO: “JUAN DOS MORTOS”

Criado em Cuba, o diretor argentino Alejandro Brugués  mistura comédia e terror em "Juan dos Mortos", brincando com a situação econômica do país

Criado em Cuba, o diretor argentino Alejandro Brugués mistura comédia e terror em “Juan dos Mortos”, com diversas alusões à situação socioeconômica do país. O filme acaba de sair em DVD para locação e venda na 2001, tornando-se obrigatório para os fãs de “Zumbilândia”, “Todo Mundo Quase Morto” ou mesmo produções com mortos vivos levados a sério

Juan dos Mortos*
(Juan de los Muertos, CUB/ESP, 2011, Cor, 92′)
Imovision – Cinema Latino-Americano – 14 anos
Direção: Alejandro Brugués
Elenco: Alexis Díaz de Villegas, Jorge Molina, Andrea Duro, Andros Perugorría, Jazz Vilá

Sinopse: Certo dia, Juan, um sujeito de 40 anos que vive de bicos, se depara com uma misteriosa infecção que está transformando os habitantes de Havana em mortos vivos. Como bom cubano, Juan decide tirar vantagem da situação e começa um rentável negócio a partir do assassinato de zumbis.

* Prêmio Goya de melhor filme íbero-americano. Melhor ator (Alexis Díaz de Villegas) e roteiro (Alejandro Brugués)

Dirigido e escrito pelo argentino Alejandro Brugués (do inédito Personal Belongings), Juan dos Mortos é um dos melhores filmes de zumbi que assisti nos últimos tempos! Para quem gostou de sátiras do gênero, como Zumbilândia (2009) e Todo Mundo Quase Morto (2004), o longa tem muito mais camadas, principalmente de crítica social. Cinquenta anos depois da Revolução Cubana, o maniqueísmo político ainda ecoa numa Havana tomada por mortos-vivos que seriam, segundo o governo, dissidentes pagos pelos EUA.

É a história de Juan (Alexis Díaz de Villegas), um cara sem futuro nem perspectiva alguma: separado, com uma bela filha e um grupo de amigos pra lá de bizarros, ele vive como pode em Havana, até que uma epidemia começa a transformar a população em zumbis. Na televisão, o governo caracteriza os zumbis como inimigos políticos, uma espécie de “manifestantes psicopatas”.

Juan e seu exército brancaleone: por um preço "matamos seus entes queridos"

Juan e seu exército brancaleone: por um preço, “matamos seus entes queridos”

Esperto, o protagonista enxerga na situação uma oportunidade de ganhar dinheiro rápido e organiza, com a ajuda de seu divertido amigo Lazaro, um grupo de extermínio contratado para matar zumbis. Esse inusitado grupo de anti-heróis inclui a filha de Juan, um jovem maconheiro e um casal de amigos formado por um travesti e seu namorado bombado, que passa mal quando vê sangue. O serviço busca tornar mais fácil a morte de parentes contaminados, já que seria emocionalmente difícil – e ao mesmo tempo perigoso – tentar cortar a cabeça da própria mãe zumbi!

Filmado em locações em Havana, Juan é uma ótima paródia que homenageia toda uma tradição de filmes de zumbi e produções trash que tem em George A. Romero (A Noite dos Mortos Vivos) o seu maior representante. O melhor é que, além da sátira, o filme é um drama apocalíptico muito bem feito: a produção é de baixo orçamento, mas extremamente criativa em criar momentos surpreendentes – e por vezes chocantemente divertidos, com tomadas de câmera ousadas e mortes em profusão. Seja pela violência escatológica ou por suas criticas sociais e politicas, Juan dos Mortos tem tudo para tornar-se um novo cult do gênero.

Comentário de Marcello Alves
Consultor de filmes da 2001 Vídeo Jardins
Rua Estados Unidos, 1324, Jd.América, São Paulo – SP