homossexualidade no cinema

KABOOM! MAIS UMA CELEBRAÇÃO DA DIVERSIDADE SEXUAL E DA TRANSGRESSÃO POR GREGG ARAKI

Homossexual assumido, o cineasta norte-americano Gregg Araki fez sucesso junto a cinéfilos mais alternativos com o perturbador "Mistérios da Carne". Seus filmes são presença constante em festivais voltados ao público LGBT. "Kaboom" é mais um filme independente do cineasta - e uma orgia de sexo e drogas que faz o protagonista não distinguir mais a alucinação da realidade

Homossexual assumido, o cineasta norte-americano Gregg Araki fez sucesso junto a cinéfilos mais alternativos com o perturbador “Mistérios da Carne”, de 2004. Seus filmes são presença constante em festivais voltados ao público LGBT e “Kaboom” (disponível para locação e venda na 2001) é mais um trabalho independente. Nele, uma orgia de sexo e drogas faz o protagonista não distinguir mais alucinação da realidade

Kaboom
(Idem,  EUA/FRA, 2010, Cor, 86′)Vinny – Drama – 16 anos
Direção: Gregg Araki
Elenco: Thomas Dekker, Haley Bennett, Chris Zylka, Juno Temple

Sinopse: Smith passa seus dias na universidade à toa com sua melhor amiga, Stella. Depois de experimentar um biscoito temperado com alucinógenos, o rapaz começa a ter longas e estranhas viagens e, durante um de seus sonhos, vê uma garota ruiva ser assassinada. Sem saber se o que ele viu é real ou imaginário, ele decide descobrir a verdade por trás dessa alucinação.

 
Nascido em Los Angeles, Gregg Araki tornou-se um dos principais nomes da cena independente graças a filmes tematicamente ousados e carregados de homoerotismo como Geração Maldita (1995) e Mistérios da Carne (2004).

A confusão sexual, o desejo em ebulição e os distúrbios emocionais dos jovens retratados em sua perturbadora “trilogia adolescente do apocalipse” (formada por Totally F***ed Up, Geração Maldita e Nowhere) retornam em Kaboom (ou Ka-Boom, como descrito na capa do DVD).

Comédia teen com toques surreais de ficção-científica que lembram, por vezes, a atmosfera de Donnie Darko, o filme transcorre em um campus universitário no sul da Califórnia, onde o jovem Smith, dividido entre seu colega de quarto surfista e sua melhor amiga lésbica, experimenta os prazeres do sexo e uma série de inquietações. Sob influência de cookies alucinógenos, o estudante de cinema começa a sofrer delírios com assassinos usando máscaras de animais, uma seita de bruxas e até mesmo o fim do mundo.

No elenco, destaque para Juno Temple (à esquerda), jovem atriz inglesa que não tem medo de se expor em filmes transgressores - e que exploram a sexualidade - como "Killer Joe" e "Lovelace" (ainda inédito no Brasil). Ainda este ano, ela poderá ser vista em mais uma produção contra-indicada para estômagos mais sensíveis: a continuação de "Sin City".

No elenco, destaque para Juno Temple (à esquerda), jovem atriz inglesa que não tem medo de se expor em filmes transgressores – e que exploram a sexualidade – como “Killer Joe” e “Lovelace” (ainda inédito no Brasil). Ainda este ano, ela poderá ser vista em mais uma produção que promete carregar no sexo e na violência: a continuação de “Sin City”

As coisas se complicam a partir do momento em que o jovem – assim como o espectador – não consegue mais distinguir o que é real e o que é imaginado, pretexto para um caleidoscópio de personagens bizarros, imagens desconcertantes e cenas de sexo bem ao gosto do diretor.