Jerry Lewis

“PLANETA DOS MACACOS – A GUERRA” E MAIS LANÇAMENTOS PRA FECHAR O MÊS

PLANETA DOS MACACOS – A GUERRA

Terceiro capítulo da franquia iniciada em 2011 com “Planeta dos Macacos: A Origem”, o filme novamente conta com Matt Reeves (“Planeta dos Macacos: O Confronto) na direção e Andy Serkis – em mais um espetacular trabalho de captura de performance – no papel de César. Na trama, César e seus grupo de macacos são forçados a um conflito mortal contra um exército de seres humanos liderado pelo cruel coronel interpretado por Woody Harrelson. Considerado um dos melhores filmes do ano, é um forte concorrente ao Oscar 2018 de melhores efeitos visuais. Em DVD, Blu-ray e BD 3D na 2001.

VIKINGS – 4ª TEMPORADA – VOL.2

Escrita por Michael Hirst (“The Tudors”, “Camelot”), a produção épica é a série de maior sucesso da história do History Channel. Após a tentativa de invasão da cidade de Paris, Ragnar Lothbrok (Travis Fimmel) é atingido por uma doença que coloca sua vida em risco. É o começo da decadência do protagonista, que dá o tom da temporada, marcada ainda pela trajetória de seus descendentes, como Ivar (Alex Hogh Andersen) e Bjorn (Alexander Ludwig). Confira nos extras do box: comentários, cenas deletadas e featurettes. Em DVD e Blu-ray na 2001.

THE WALKING DEAD – 7ª TEMPORADA

Baseada na história em quadrinhos criada por Robert Kirkman, Tony Moore e Charlie Adlard, a produção seriada foi desenvolvida para a televisão por Frank Darabont (roteirista e diretor de “Um Sonho de Liberdade“) e chega à sétima temporada com Rick (Andrew Lincoln) ainda mais devastado psicologicamente. Agora, ele é obrigado a trabalhar para o vilão Negan (Jeffrey Dean Morgan, de “Watchmen – O Filme”) em troca de sua vida e a de cada um de seu grupo. Nos extras, making of dos episódios. Em DVD e Blu-ray na 2001.

UMA NOITE COM VINCENT PRICE

Coleção com 6 discos reunindo clássicos estrelados pelo astro entre os anos 1950 e 70. O box inclui A CASA DOS MAUS ESPÍRITOS (1958), de William Castle; A MANSÃO DO MORCEGO (1959); NOS DOMÍNIOS DO TERROR (1963), antologia com três histórias macabras; O CORVO (1963), baseado no poema de Edgar Allan Poe, com um antológico duelo com Boris Karloff; O CASTELO ASSOMBRADO (1963), mais uma adaptação da obra de Poe dirigida por Roger Corman; e TEATRO DA MORTE (1973), terror satírico lançado no Brasil como “As 7 Máscaras da Morte”.

O MUNDO BIZARRO DE MARIO BAVA

DVD duplo com dois clássicos de influência gótica dirigidos pelo mestre do horror italiano nos anos 1960. Em BLACK SUNDAY – A MÁSCARA DE SATÃ, longa baseado em curta de Nicolai Gogol, a diabólica Princesa Asa (Barbara Steele) é condenada à morte por bruxaria e vampirismo, na Moldávia do século 17, e ressuscita 200 anos depois. Já BLACK SABBATH – AS TRÊS MÁSCARAS DO TERROR é uma antologia de três histórias de terror baseada em contos de Aleksei Tolstói, Ivan Chekhov e F. G. Snyder, com o lendário Boris Karloff em “O Wurdalak”.

RAZORBACK – AS GARRAS DO TERROR

Exibido nos cinemas brasileiros com o título “O Corte da Navalha”, este thriller de 1984 é considerado um dos melhores filmes australianos da década de 1980 e revelou Russell Mulcahy, que depois dirigiria o sucesso “Highlander: O Guerreiro Imortal” (1986). Em “Razorback”, uma jornalista americana viaja ao interior da Austrália para documentar a caça ilegal de animais selvagens e descobre a existência de uma criatura descomunal e assassina. Após o desaparecimento da mulher, seu marido viaja ao país em busca do paradeiro dela.

A MOSCA 2

Coescrito por Frank Darabont, um dos responsáveis pela série “The Walking Dead”, o longa dá prosseguimento ao enredo do hit “A Mosca” (1986), agora com Eric Stoltz (“Pulp Fiction”) no papel de Martin, fruto da relação entre Seth Brundle (Jeff Goldblum) e Veronica (Geena Davis) no primeiro filme. Aos cinco anos, Martin apresenta físico de um adulto e mente avançada, vivendo cercado de cuidados em um laboratório médico. Dirigido por Chris Walas, vencedor do Oscar pela maquiagem de “A Mosca”, esta sequência capricha nos efeitos especiais e sequências de gore.

ATÉ NUNCA MAIS

O renomado diretor francês Benoît Jacquot (“Adeus, Minha Rainha”) dirige Mathieu Amalric nesta densa versão do livro “A Artista do Corpo”, de Don DeLillo (autor de “Cosmópolis”). Uma espécie de romance metafísico, com Laura (Julia Roy, também corroteirista do filme), uma atriz performática vivendo uma relação obsessiva com Jacques (Amalric, de “O Escafandro e a Borboleta”), um cineasta. Paixão e criação artística se confundem neste drama autoral, exibido no Festival de Veneza, que merece ser conhecido.

BYE BYE ALEMANHA

Mais recente trabalho de Sam Garbarski, diretor de “O Tango de Rashevski” (2003) e “Irina Palm” (2007), o filme trata com humor peculiar um tema sério: o recomeço dos alemães logo após o final da Segunda Guerra. Em Frankfurt, 1946, o judeu David Berman (Moritz Bleibtreu, de “Corra, Lola, Corra“) e seus seis amigos têm apenas um propósito em mente: conseguir finalmente deixar o país. Mas, em tempos de crise, eles precisam de muito dinheiro para realizar seu sonho de partir para os EUA, e partem para um negócio inusitado.

DIAS E NOITES

Ator de séries como “Dexter” e “Penny Dreadful”, Christian Camargo dirige esta transposição da peça “A Gaivota”, de Anton Tchekhov, para a Zona rural da Nova Inglaterra (EUA), em 1984. Inspirados na obra do dramaturgo russo, William Hurt, Allison Janney, Jean Reno, Mark Rylance, Katie Holmes e Ben Whishaw, entre outros, dão vida aos personagens, reunidos para o feriado do Memorial Day durante um final de semana repleto de disputas em família.

BRAÇO DE DIAMANTE

Um dos maiores sucessos da história do cinema russo, o filme é uma comédia de erros iniciada por Semyon Gorbunkov (papel de Yuriy Nikulin), cidadão soviético que retorna a seu país após um cruzeiro marítimo. Sem saber que traz consigo jóias escondidas por engano no gesso colocado em torno de seu braço esquerdo, depois de uma queda em Istambul. Enquanto os contrabandistas tentam recuperar as pedras preciosas, um capitão da polícia russa usa Gorbunkov como isca para pegar os criminosos.

BAGUNCEIRO ARRUMADINHO

Jerry Lewis interpreta mais um de seus adoráveis atrapalhados, Jerome Littlefield, que trabalha como atendente em uma clínica. Ele sonha em se tornar médico, mas é muito sensível aos problemas dos pacientes, o que o faz se meter em inúmeras confusões, para desespero da administradora do hospital. Entre as cenas que entraram para a antologia de gags nonsense de Lewis, destaque para uma incrível sequência de perseguição envolvendo uma ambulância desgovernada e um homem sobre uma maca hospitalar desgovernada.

E NÃO PERCA, COM O ATOR, EM PRÉ-VENDA NA 2001:
Jerry Lewis – O Gênio da Comédia (Coleção com 4 filmes)
Rabo de Foguete
Uma Família Fuleira

ADEUS JERRY LEWIS (1926-2017), “O REI DA COMÉDIA”

“Seguramente existem muitas razões para os divórcios, mas a principal é e sempre será o casamento.”  Jerry Lewis (1926–2017)

UM DOS MAIORES COMEDIANTES DA HISTÓRIA DO CINEMA, O ATOR FALECEU NA MANHÃ DE DOMINGO (20/8), AOS 91 ANOS. NO BRASIL, SEUS FILMES FICARAM IMORTALIZADOS NA “SESSÃO DA TARDE”, DA REDE GLOBO, E, ALÉM DE DIRETOR, PRODUTOR E ROTEIRISTA, ELE PARTICIPOU DE INÚMERAS CAUSAS SOCIAIS.

Comparado a Charlie Chaplin e Buster Keaton pela crítica francesa, Jerry Lewis morreu em sua casa em Los Angeles, de causas naturais, após longo histórico de doenças, incluindo ataques cardíacos, problemas pulmonares e dor crônica nas costas.

Descendente de judeus ortodoxos, Joseph Levitch nasceu em Newark (New Jersey, EUA) em 16 de março de 1926. Aos 5 anos, estreou no vaudeville cantando com seu pai, Danny Lewis, a canção “Brother, Can You Spare A Dime?” no famoso New York’s Borscht Circuit.

A associação com Dean Martin começou em julho de 1946 e a dupla virou um sucesso. Durante uma apresentação no Copacabana em Nova York, o produtor hollywoodiano Hal Wallis estava na plateia e ofereceu para a dupla um contrato com a Paramount Pictures. Lewis e Martin realizaram seu primeiro filme em 1949: “Amiga da Onça”.  O auge da dupla ocorreu sob a direção de Norman Taurog (“O Meninão“, 1955) e Franklin Tashlin (“Artistas e Modelos”, 1955).

Tashlin realizaria vários clássicos cômicos com Lewis, já sem Dean Martin, como “Bancando a Ama-Seca” (1958) e “Errado Pra Cachorro” (1964) — quem não se lembra da inesquecível cena com o ator fingindo usar uma máquina de escrever?. Já “O Mensageiro Trapalhão”, de 1960, marcou sua estreia na direção, e, em 1963, o astro voltaria a ficar atrás das câmeras (e a estrelar) “O Professor Aloprado”, deliciosa reinvenção do clássico “O Médico e o Monstro”, de Robert Louis Stevenson.

Lewis seguiu sua carreira sendo um dos mais bem pagos astros do show business norte-americano. Apesar disso, seu talento sempre foi mais reconhecido fora de seu país, principalmente na França. Jean-Luc Godard, por exemplo, disse certa vez: “Jerry Lewis é o único diretor americano que fez filmes numa escala progressiva, ele é muito melhor que Chaplin e Keaton”.

Mas a carreira do “rei da Sessão da Tarde” – seus filmes ficaram imortalizados no Brasil no horário vespertino da Rede Globo – não ficou restrita apenas às comédias. Em 1971, Lewis produziu, dirigiu e estrelou “O Dia em que o Palhaço Chorou”, drama  sobre um palhaço decadente que diverte as crianças de um campo de concentração na Segunda Guerra Mundial. O filme passou por vários problemas técnicos e financeiros, permanecendo — por decisão do astro — inédito até hoje.

“O Rei da Comédia” (1982)

Em 1982, Lewis foi muito elogiado por seu papel dramático em “O Rei da Comédia”, longa de Martin Scorsese com Robert De Niro no papel de um fã obcecado pelo personagem-título. Na década seguinte, estrelou o terno “Arizona Dream – Um Sonho Americano”, ao lado de Johnny Depp e Faye Dunaway.

Famoso também por suas ações sociais, ele chegou a ser indicado ao Prêmio Nobel da Paz, tendo arrecadado cerca de 2 bilhões de dólares para pesquisas sobre a distrofia muscular, doença que acometeu um de seus sete filhos, Christopher. Em 2009 recebeu um Oscar especial por seu trabalho humanitário.

Entre seus últimos trabalhos, estão uma aparição na comédia brasileira “Até Que a Sorte Nos Separe 2″(2013) e o drama policial “A Sacada” (2016), com Nicolas Cage.

CONFIRA NA 2001 ALGUNS DE SEUS INÚMEROS SUCESSOS NOS ANOS 50 E 60:

A BARBADA DO BIRUTA

Uma das inúmeras parcerias de Jerry Lewis e Dean Martin nos anos 1950. Lewis vive mais um de seus personagens atrapalhados, primo de Herman (Martin), uma apostador endividado que precisa se arriscar numa corrida de cavalos a fim de pagar uma dívida. Primeiro filme em cores da dupla.

FARRA DOS MALANDROS

A repórter Wally Cook (Janet Leigh, de “Psicose”) vai até Fim do Mundo, um pequeno lugarejo no Novo México, e cai na farsa de Homer (Jerry Lewis), jovem que trabalha na estação ferroviária. Ela decide leva-lo para Nova York pois acredita que Homer esteja morrendo vítima de radiação. Lá, um médico (Dean Martin) já descobriu que ele não tem nada, mas mantém a mentira por estar atraído por Wally.

O REI DO LAÇO

Slim Mosely Sr. (Dean Martin) e Wade Kingsley Sr. (Jerry Lewis) são dois amigos fazendeiros que sempre lutaram por suas terras. Os anos passam e cabe a seus próprios filhos – também interpretados por Martin e Lewis -, finalmente se unirem a fim de vingar seus pais e lutar contra todos que querem se apoderar da velha fazenda. Paródia do gênero western dirigida por Norman Taurog (“Saudades de um Pracinha”).

O REI DOS MÁGICOS

O Grande Wooley (Lewis) é um mágico desajeitado que, sem emprego e dinheiro, aceita uma oferta do governo e das Forças Armadas norte-americanas para viajar ao Japão com o objetivo de entreter as tropas enviadas ao país. Sofrendo com as diferenças culturais entre EUA e Japão, ele arruma várias confusões com militares e com outros artistas, até que Matsuo, um tristonho garotinho japonês, se encanta com o mágico e inicia uma bela amizade.

SESSÃO ESPECIAL JERRY LEWIS & DEAN MARTIN

DVD duplo com:

O MENINÃO (You’re Never Too Young, 1955, 102 min.)
Direção: Norman Taurog. Com Jerry Lewis, Dean Martin, Diana Lynn, Nina Foch, Raymond Burr.

Assistente de barbeiro, Wilbur (Lewis) é obrigado a se fingir de criança para escapar de um bandido que o persegue. Ele vai parar em uma escola só de moças, onde cai nas boas graças de uma professora. Roteiro do escritor Sidney Sheldon (“O Outro Lado da Meia-Noite”).

OU VAI OU RACHA (Hollywood or Bust, 1956, 94 min.)
Direção: Frank Tashlin. Com Dean Martin, Jerry Lewis, Pat Crowley, Maxie Rosenbloom, Anita Ekberg.

Steve (Martin) passa a perna em Malcolm (Lewis), que sonha em ir a Hollywood para conhecer Anita Ekberg. Último trabalho da dupla, sob a direção de Frank Tashlin (“Bancando a Ama-Seca“, “Errado pra Cachorro“), amigo pessoal de Lewis, com quem trabalhou em oito filmes.

EXTRAS:
* Show de Stand-up com Jerry Lewis e Dean Martin

BANCANDO A AMA-SECA

Um dos melhores filmes de Jerry Lewis nos anos 1950, exibido em sessão dupla com “A Canoa Furou” nos EUA, em 1963. O comediante dá vida a Clayton Poole, um atrapalhado “faz tudo”, ainda apaixonado por uma amiga de infância – Carla Naples (Marilyn Maxwell), agora uma atriz de sucesso. Ao descobrir que está grávida, e que a notícia pode arruinar sua carreira, Carla lembra do velho amigo, e Clayton aceita cuidar do bebê, até descobrir que, na verdade, ela teve trigêmeos!

Com cenas hilárias, entre elas a de Lewis com uma mangueira de jardim eoutra em que seu personagem encena programas dentro do tubo de uma televisão, o filme sai em DVD com a dublagem clássica da TV brasileira, com Nelson Batista fazendo a voz do inesquecível comediante.

EXTRAS:
* Entrevista com Jerry Lewis

ERRADO PRA CACHORRO

Um dos clássicos mais queridos da “Sessão da Tarde” da TV Globo – e um dos melhores do comediante nos anos 1960, com sequências impagáveis como a simulação da máquina de escrever ou Lewis debatendo-se contra um aspirador de pó descontrolado que, literalmente, destrói a loja onde ele trabalha. No filme, de 1963, seu personagem põe a loja da sogra de cabeça pra baixo.

Interpretada por Agnes Moorehead (a Endora da série “A Feiticeira”), Phoebe Tuttle é dona de uma grande rede de lojas de departamento. Ao descobrir que sua filha está apaixonada pelo pobre (e desmiolado) Norman Phiffier (papel de Lewis), ela decide contratá-lo para trabalhar na empresa, dando-lhe tarefas complicadas a fim de humilhá-lo.

BAGUNCEIRO ARRUMADINHO

Clássico de 1964 dirigido e coescrito por Frank Tashlin, em sua última parceria com Jerry Lewis, que interpreta mais um de seus adoráveis atrapalhados, Jerome Littlefield, atendente em uma clínica. Aspirante a médico, ele não consegue estudar Medicina, pois é muito sensível aos problemas dos pacientes. Assim, mesmo com a ajuda de sua namorada, Jerome acaba criando as maiores confusões, para desespero da administradora do hospital, a Dra. Jean Howard (Glenda Farrell).

Entre as cenas que entraram para a antologia de gags nonsense de Lewis, destaque para uma incrível perseguição com ambulâncias, um paciente sobre uma maca e a destruição de um supermercado.

DETETIVE MIXURUCA

Uma das inúmeras parcerias entre Jerry Lewis e o diretor Frank Tashlin (“Errado pra Cachorro”, “Bancando a Ama-Seca“), com o comediante no papel de um órfão de 25 anos que trabalha como reparador de eletrodomésticos. Quando seu melhor amigo, um detetive, trabalha num caso sobre o desaparecimento do sobrinho de Cecilia (Mae Questel), ele decide elucidar o mistério e receber a recompensa de 100 mil dólares.

DE CANIÇO E SAMBURÁ

Finalmente os cinéfilos podem conferir um clássico estrelado pelo grande Jerry Lewis, depois de anos sem lançamentos em DVD com o comediante. Nesta comédia de 1969, Lewis vive Peter Ingersoll, um pai de família bem sucedido que parece ter a vida perfeita até saber, por seu médico e melhor amigo Scott Carter (Peter Lawford), que seus dias estão contados. Por insistência da esposa, ele então aproveita seus últimos momentos viajando e gastando todo o seu dinheiro.

EM EDIÇÕES ESPECIAIS, O HUMOR DE JERRY LEWIS, BILL MURRAY FAZENDO DRAMA E UM CULT DE WONG KAR-WAI

NESTE MÊS, O SELO “OBRAS-PRIMAS” APRESENTA DUAS COMÉDIAS COM JERRY LEWIS E DEAN MARTIN, A REFILMAGEM DO CLÁSSICO “O FIO DA NAVALHA” DE 1946, E UM CULT DO ACLAMADO DIRETOR DE “AMOR À FLOR DA PELE”

SESSÃO ESPECIAL JERRY LEWIS & DEAN MARTIN

Eterno astro da Sessão da Tarde da Rede Globo, Jerry Lewis iniciou a parceria com o ator e cantor Dean Martin nos anos 1940, apresentando-se em casas de shows, na TV e no rádio. A estreia da dupla no cinema, em 1949, com “Amiga da Onça”, deu início a uma série de sucessos — sempre com Martin no papel de galã e Lewis no do amigo desastrado. Fizeram juntos 16 longas, dois deles reunidos agora neste lançamento do selo Obras-Primas.

DVD duplo com luva e a dublagem em português da TV.

DVD 1:

O MENINÃO (You’re Never Too Young, 1955, 102 min.)
Direção: Norman Taurog. Com Jerry Lewis, Dean Martin, Diana Lynn, Nina Foch, Raymond Burr.

Assistente de barbeiro, Wilbur (Lewis) é obrigado a se fingir de criança para escapar de um bandido que o persegue. Ele vai parar em uma escola só de moças, onde cai nas boas graças de uma professora. Roteiro do escritor Sidney Sheldon (“O Outro Lado da Meia-Noite”).

DVD 2:

OU VAI OU RACHA (Hollywood or Bust, 1956, 94 min.)
Direção: Frank Tashlin. Com Dean Martin, Jerry Lewis, Pat Crowley, Maxie Rosenbloom, Anita Ekberg.

Steve (Martin) passa a perna em Malcolm (Lewis), que sonha em ir a Hollywood para conhecer Anita Ekberg. Último trabalho da dupla, sob a direção de Frank Tashlin (“Bancando a Ama-Seca”, “Errado pra Cachorro”).

EXTRAS:
* Show de Stand-up com Jerry Lewis e Dean Martin

MAIS JERRY LEWIS NA 2001:
A Barbada do Biruta (1953)
Bancando a Ama-Seca (1958)
Errado pra Cachorro (1963)
Bagunceiro Arrumadinho (1964)
Uma Família Fuleira (1965)
De Caniço e Samburá (1969)

O FIO DA NAVALHA (1984)

Segunda adaptação cinematográfica do romance homônimo escrito pelo britânico W. Somerset Maugham, filmado anteriormente por Edmund Goulding em 1946.

Uma das histórias de busca espiritual mais famosas da literatura mundial, sobre a jornada de Larry Darrell (Bill Murray, no papel que foi de Tyrone Power), ex-combatente americano que começa a reavaliar sua vida após lutar na Primeira Guerra. Ele decide viajar para outro país e cultura, abandonando a noiva e a superficialidade de seus amigos em Chicago.

CURIOSIDADE: Em alta nos anos 1980 graças a sucessos como “Clube dos Pilantras” e “Recrutas da Pesada”, Murray fez um acordo com a Columbia Pictures na época. Ele estrelaria “Os Caça-Fantasmas” somente se o estúdio financiasse a refilmagem de “O Fio da Navalha” com ele como protagonista. Assim, esse foi o primeiro papel dramático de destaque do ator.

EXTRAS:
* Trecho de entrevista com Bill Murray
* Trailer Original

ANJOS CAÍDOS

Cult da década de 1990 dirigido por Wong Kar-Wai, considerado um dos grandes nomes do cinema contemporâneo. O diretor chinês é responsável por uma das obras-primas do século 21, “Amor à Flor da Pele” (2000).

Na trama de “Anjos Caídos“, um assassino de aluguel desiludido e cansado da vida parte para seu último trabalho, ao mesmo tempo em que se vê atraído por sua sócia de crimes. Tomado pela dúvida em se envolver ou não com a parceira, ele segue pela noite de Hong-Kong e cruza com Ho, um jovem mudo que invade lojas fingindo ser um vendedor.

Com elementos marcantes na filmografia de Kar-Wai – enquadramentos ousados, cores fortes, muitos filtros, luzes e texturas –, o longa é uma das inúmeras parcerias do cineasta com o aclamado diretor de fotografia Christopher Doyle (“Amor à Flor da Pele”, “2046”).

Como outros trabalhos de Kar-Wai, é um filme sobre relacionamentos e o fim do afeto nas cidades modernas.

EXTRAS:
* Only You – Por trás das cenas
* Entrevista com Christopher Doyle
* Trailer

CLÁSSICOS MAIS NOVIDADES DO CINEMA EUROPEU

VAIDOSA

Bette Davis recebeu sua oitava indicação ao Oscar de melhor atriz pelo papel de Fanny, nova-iorquina manipuladora e sedutora que se depara com uma doença que lhe rouba a beleza. Coestrelado por Claude Rains, seu parceiro em “A Estranha Passageira” (1942), o filme traz um dos melhores diálogos de Bette na tela: “Uma mulher é bela quando ela é amada. Apenas assim.”

AS IRMÃS

Anatole Litvak (“A Noite dos Generais“) dirige Errol Flynn e Bette Davis neste melodrama de 1938 sobre três jovens e seus conturbados casamentos, no início do século XX. As irmãs Louise (Bette Davis), Helen (Anita Louise) e Grace (Jane Bryan) perseguem seus sonhos e amores, em meio a tragédias familiares e até um terremoto em São Francisco.

A BARBADA DO BIRUTA

Uma das inúmeras parcerias de Jerry Lewis e Dean Martin nos anos 1950. Lewis vive mais um de seus personagens atrapalhados, primo de Herman (Martin), uma apostador endividado que precisa se arriscar numa corrida de cavalos a fim de pagar uma dívida. Primeiro filme em cores da dupla.

DURANGO KID – INVASÃO SANGRENTA

Ao investigar uma série de ataques realizados pelos índios, Durango Kid (Charles Starrett) descobre uma rede de corrupção que envolve o mais alto escalão da cidade. Clássica sessão de matinê dirigida por um especialista do gênero, Ray Nazarro (“The Range Rider”, “O Poder da Vingança”).

O MAIS BANDIDO DOS BANDIDOS

Faroeste satírico dirigido por Burt Kennedy (de “Gigantes em Luta“), com Frank Sinatra no papel de Dingus Magee, um fora-da-lei que poucos levam a sério. Ele e seu antigo rival, Hoke (George Kennedy) se revezam tanto como homens da lei ou bandidos, dependendo das circunstâncias.

TUDO EM FAMÍLIA

Escrita por W.D. Richter (“Os Aventureiros do Bairro Proibido“), esta comédia dramática gira em torno de George Dupler (Gene Hackman), executivo que surta após perder uma promoção no trabalho. Rebaixado a gerente noturno de uma loja, ele tenta se entender com o filho (Dennis Quaid), que tem um caso com uma prima casada (Barbra Streisand).

IMPREVISTOS DE UMA NOITE EM PARIS

Dirigida, estrelada e escrita por Edouard Baer, esta comédia de erros à francesa acompanha as peripécias de Luigi, que tem apenas uma noite para salvar um prestigiado teatro em Paris, pagar os salários atrasados de seus funcionários e encontrar um macaco de verdade para usar na peça. Audrey Tautou interpreta sua fiel assistente, Nawel.

OS ANARQUISTAS

Filme de abertura da Semana da Crítica do Festival de Cannes em 2015, o drama francês narra a história de amor entre Jean (Tahar Rahim, revelado em “O Profeta”) — um policial infiltrado — e Judith (Adèle Exarchopoulos, de “Azul é a Cor Mais Quente”), namorada do líder de uma célula anarquista em Paris, no final do século XIX.

O MEDO

Durante a Primeira Guerra Mundial, um jovem soldado francês (Nino Rocher) imerso em seus pensamentos — entre a desilusão, o medo e o ódio –, sobrevive através das cartas que envia para sua amante. Baseado no livro de Gabriel Chevallier, o longa, vencedor do prêmio Jean Vigo, é um relato intimista da guerra a partir das sensações do protagonista.

ESTADOS UNIDOS PELO AMOR

Ganhador do prêmio de melhor roteiro no Festival de Berlim em 2016, o filme acompanha o impacto da abertura política, na Polônia dos anos 1990, sobre quatro mulheres: Agata (Julia Kijowska), Renata (Dorota Kolak), Marzena (Marta Nieradkiewicz) e Iza (Magdalena Cielecka). Elas decidem que é hora de mudar suas vidas, lutar por sua felicidade e realizar seus desejos.

EM EDIÇÕES ESPECIAIS, JERRY LEWIS, ERNST LUBITSCH E “SANGUE DE PANTERA”

CINÉFILOS E COLECIONADORES NÃO PODEM PERDER O LANÇAMENTO DE TRÊS CLÁSSICOS EM JANEIRO: “BANCANDO A AMA-SECA“, COMÉDIA ESTRELADA POR JERRY LEWIS; “SER OU NÃO SER“, A CLÁSSICA VERSÃO DE 1942 DIRIGIDA POR ERNST LUBITSCH; E “SANGUE DE PANTERA“, CULT QUE SE TORNOU REFERÊNCIA DO CINEMA DE HORROR. CADA DVD VEM ACOMPANHADO DE 1 CARD MAIS EXTRAS.

BANCANDO A AMA-SECA

Um dos melhores filmes de Jerry Lewis nos anos 1950 – e uma raridade, já que quase todos os DVDs com o ator estão fora de catálogo no Brasil. Só recentemente foi lançado “De Caniço e Samburá” (1969), também disponível na 2001.

Exibido em sessão dupla com “A Canoa Furou” nos EUA, em 1963, a comédia tem direção e roteiro de Frank Tashlin, amigo pessoal de Lewis. O diretor e o astro trabalharam juntos em oito filmes, incluindo clássicos como “Cinderelo Sem Sapato” (Cinderfella, 1960) e “Errado pra Cachorro”(1963) – que traz a antológica cena em que Lewis simula usar uma máquina de escrever.

No clássico da Sessão da Tarde “Bancando a Ama-Seca”, Lewis dá vida à Clayton Poole, um atrapalhado “faz tudo”, ainda apaixonado por uma amiga de infância – Carla Naples (Marilyn Maxwell), agora uma atriz de sucesso.
Ao descobrir que está grávida, e que a notícia pode arruinar sua carreira, Carla lembra do velho amigo, que prometera fazer tudo por ela. Ingenuamente, Clayton aceita cuidar do bebê, até descobrir que, na verdade, ela teve trigêmeos!

Com cenas hilárias, entre elas a de Lewis com uma mangueira de jardim eoutra em que seu personagem encena programas dentro do tubo de uma televisão, o filme sai em DVD com a dublagem clássica da TV brasileira, com Nelson Batista fazendo a voz do inesquecível comediante.

EXTRAS:
* Entrevista com Jerry Lewis

SER OU NÃO SER

Dirigido por um mestre da farsa sofisticada, Ernst Lubitsch, este clássico da comédia americana foi lançado em março de 1942, logo após a morte da protagonista Carole Lombard em um acidente aéreo. O título é inspirado no famoso solilóquio de Shakespeare e o filme sai em versão remasterizada com mais de 1 hora e meia de extras.

Durante a Segunda Guerra Mundial, na Polônia ocupada pelos nazistas, um grupo de atores de teatro precisa evitar que um espião, que possui informação sobre a resistência polonesa, a entregue para os alemães.

Eleito pelo American Film Institute como uma das 100 melhores comédias de todos os tempos, “Ser ou não Ser” ganhou uma refilmagem em 1983, com Mel Brooks e Anne Bancroft.

EXTRAS:
* “Palácio Pinkus” (44 minutos), inédito curta-metragem de 1916 dirigido e estrelado por Ernst Lubitsch
* Documentário sobre a carreira do diretor (53 minutos)

SANGUE DE PANTERA

Dirigido por Jacques Tourneur (“Fuga do Passado“, “O Homem Leopardo“) e estrelado por Simone Simon, Kent Smith e Tom Conway, o longa marca a primeira parceria do cineasta com o lendário produtor de filmes de horror Val Lewton.

Na trama, Simon interpreta Irena Dubrovna, uma sérvia que trabalha com desenho de moda. Ela e o americano Oliver Reed conhecem-se num zoológico, se apaixonam e se casam. Contudo, começam a ter problemas quando Irena passa a acreditar ser descendente de uma raça diferente de mulheres. Ela acredita possuir o “sangue de pantera”, que a faz mudar de forma ao vivenciar emoções fortes, colocando a vida de todos em perigo.

Produção de baixo orçamento, o filme virou objeto de culto entre cinéfilos e cineastas, tornando-se uma referência na construção de atmosfera e poder de sugestão dentro do cinema de horror.

EXTRAS:
* Documentário “Val Lewton: The Man in the Shadows” (76 min.)
* Entrevista com o diretor Jacques Tourneur (26 min.)
* Entrevista com o diretor de fotografia (16 min.)
* Trailer

NAS NOVIDADES DA 2001, TOM HANKS, SUSAN SARANDON, CAÇA-FANTASMAS, JERRY LEWIS E MUITO MAIS!

NEGÓCIO DAS ARÁBIAS

b

Dirigido pelo alemão Tom Tykwer (de “Corra Lola, Corra”), o filme é uma adaptação do best seller “Um Holograma para o Rei”, escrito por Dave Eggers. Assim como nos recentes “Rock em Cabul” (com Bill Murray) e “Uma Repórter em Apuros” (com Tina Fey), a trama trata do choque cultural de um norte-americano – no caso, o empresário Alan Clay (Tom Hanks) – no Oriente Médio. No longa de Tykwer, Clay perde tudo nos EUA e tem uma grande chance profissional na Arábia Saudita, em meio a uma cultura que não entende.

DEMOLIÇÃO

111

Inédito nos cinemas brasileiros, o filme é mais um drama existencial do canadense Jean-Marc Vallée, diretor de “C.R.A.Z.Y. – Loucos de Amor” (2005), do oscarizado “Clube de Compras Dallas” (2013) e de “Livre” (2014). Jake Gyllenhaal interpreta Davis, um executivo bem sucedido que entra em colapso após perder a esposa em um trágico acidente de carro. Isolado de todos, ele deixa suas responsabilidades de lado e estabelece uma conexão com a atendente (Naomi Watts, de “O Impossível“) de uma empresa por telefone.

A VIAGEM DE MEU PAI

333

A memória que se perde é tema deste elogiado drama exibido no Festival Varilux de Cinema Francês. Dirigido por Philippe Le Guay (de “Pedalando com Molière“) e baseado em peça de Florian Zeller, o filme acompanha Claude Lherminier (Jean Rochefort), empresário de 80 anos de idade que sofre diante dos primeiros sinais de Alzheimer. Ele insiste em morar sozinho e afasta todos que tentam ajudá-lo – como a filha Carole (Sandrine Kiberlain, intérprete de Simone de Beauvoir em “Violette“).

O DÉCIMO HOMEM

1111

Mais recente trabalho do aclamado cineasta argentino Daniel Burman (de “Dois Irmãos“), que retoma tema recorrente em sua filmografia: a volta de um homem às suas origens. Situação vivida por Ariel (Alan Sabbagh), um  economista de sucesso em Nova York chamado pela família para retornar à Argentina, a fim de participar de uma festividade. Ele irá se surpreender com as diferenças entre sua vida nos EUA e as antigas tradições dos seus parentes.

AMOR EM SAMPA

2222

Carlos Alberto Riccelli e seu filho Kim dirigem cinco histórias de amor entrelaçadas na cidade de São Paulo. Comédia, drama, humor, romance e até musical misturam-se em meio a personagens como Mauro (Rodrigo Lombardi), publicitário interessado pela estilista Tutti (Mariana Lima); a empresária Aniz (Bruna Lombardi, também roteirista do filme), que acha que os homens são incapazes de amar, e muitos outros.

A INTROMETIDA

3333

Susan Sarandon recebeu muitos elogios por esta comédia dramática dirigida e escrita por Lorene Scafaria, de “Procura se Um Amigo Para o Fim do Mundo“. A estrela de “Thelma & Louise” empresta seu carisma à Marnie, viúva que tenta superar o luto mudando-se para Los Angeles, onde mora Lori, sua filha roteirista (Rose Byrne, de “Damages”). Otimista incorrígivel, Marnie tenta fugir da solidão intrometendo-se na vida de Lori e na de pessoas que acaba de conhecer. Vencedor do Oscar por “Whiplash“, J.K. Simmons completa o elenco.

CAÇA-FANTASMAS (2016)

444

Nova versão do filme de 1984, com Melissa McCarthy (“A Chefa”), Kristen Wiig (“Amores Inversos”), Leslie Jones (do programa “Saturday Night Live”) e Kate McKinnon (também do SNL) nos papéis principais. Suas personagens se unem para combater entidades sobrenaturais na cidade de Nova York. Repleto de referências à comédia da década de 1980, este reboot  de “Caça-Fantasmas” tem direção e roteiro de Paul Feig, que trabalhou antes com McCarthy e Wiig no sucesso “Missão Madrinha de Casamento”. Em DVD, Blu-ray e BD 3D.

CONFIRA TAMBÉM NA 2001:
Coleção Caça-Fantasmas

INDEPENDENCE DAY – O RESSURGIMENTO

555

Vinte anos após uma invasão alienígena quase dizimar a humanidade no filme de 1996, também dirigido por Roland Emmerich, os extra-terrestres retornam em busca de vingança. Para enfrentá-los, uma nova geração de pilotos liderada por Jake Morrison (Liam Hemsworth) é convocada pela presidente Landford (Sela Ward). Eles ainda recebem a ajuda de veteranos da primeira batalha, como o ex-presidente Whitmore (Bill Pullman) e o cientista David Levinson (Jeff Goldblum). Os extras incluem cenas excluídas, comentários e erros de gravação. Em DVD e Blu-ray.

DE CANIÇO E SAMBURÁ

11111

Finalmente os cinéfilos podem conferir um clássico estrelado pelo grande Jerry Lewis, depois de anos sem lançamentos em DVD com o comediante. Nesta comédia de 1969, Lewis vive Peter Ingersoll, um pai de família bem sucedido que parece ter a vida perfeita até saber, por seu médico e melhor amigo Scott Carter (Peter Lawford), que seus dias estão contados. Por insistência da esposa, ele então aproveita seus últimos momentos viajando e gastando todo o seu dinheiro.

ESCÂNDALO NA SOCIEDADE

33333

Dirigido por Edward Dmytryk (“O Preço de Uma Vida“), este clássico melodrama dos anos 1960 é uma adaptação de best seller de Harold Robbins. A trama forte acompanha os desdobramentos da prisão de Danielle (Joey Heatherton), acusada de assassinar o amante de sua mãe, Valerie (Susan Hayward). Indicado ao Oscar de melhor canção original (“Where Love Has Gone”), o filme ainda conta com Bette Davis no papel de avó da acusada.

QUATRO DESTINOS

101

Baseado no livro “Mulherzinhas”, de Louisa May Alcott, este clássico de 1949 tem como pano de fundo a Guerra Civil americana e mostra o crescimento deuma mãe e suas quatro irmãs, que juntas tentam vencer os tempos difíceis enquanto o patriarca da família serve no exército confederado. Amy (Elizabeth Taylor) é a egoísta, Meg (Janet Leigh) a romântica, Beth (Margaret O’Brien) a mais tímida, e Jô (June Allyson) a aspirante a escritora. Vencedor do Oscar de melhor direção de artes em cores.

LEGIÃO INVENCÍVEL

1010

Em uma de suas melhores atuações, John Wayne interpreta o capitão Nathan Cutting Brittles que, a poucos dias de aposentar-se, descobre que os índios atacaram um pelotão, logo após o massacre do Little Big Horn em 1876. A guerra contra os indígenas parece iminente e ele parte em uma última patrulha, ao mesmo tempo em que precisa manter em segurança duas mulheres que estavam no Forte. Premiado com o Oscar de melhor fotografia, este é o segundo filme colorido dirigido pelo mestre John Ford (“O Homem que Matou o Fascínora“).

O GALANTE MR. DEEDS

110

Um dos clássicos inesquecíveis de Frank Capra, vencedor do Oscar de melhor diretor em 1937. Concorreu ainda às estatuetas de melhor filme, ator (Gary Cooper), roteiro e som. A história é a do simples e honesto escritor Longfellow Deeds (Cooper), que recebe uma herança milionária de seu tio e é obrigado a deixar sua vida em Mandrake Falls. Em Nova York, ele se envolve com uma jornalista esperta (Jean Arthur) e vira alvo de implacáveis homens de negócio e até de seus parentes.

CONFIRA TAMBÉM NA 2001:
Box o Melhor do Cinema – Frank Capra