Jesse Eisenberg

EM DVD E BLU-RAY, “CAFÉ SOCIETY”, O MAIS RECENTE TRABALHO DE WOODY ALLEN NO CINEMA

FILME DE ABERTURA DO FESTIVAL DE CANNES NESTE ANO, “CAFÉ SOCIETY” RESSUSCITA O CHARME DA HOLLYWOOD DOS ANOS 30 E TEM COMO PONTO ALTO A FOTOGRAFIA DO MESTRE VITTORIO STORARO.

cafe-society-uk-quad-poster

Dirigido, escrito e narrado por Woody Allen, 80, este drama romântico com pitadas do humor irônico é mais uma viagem no tempo do cineasta, desta vez ao passado dourado da Hollywood dos anos dourados.

Na trama, Bobby (Jesse Eisenberg, “Para Roma com Amor“), filho de família judia, deixa o Bronx, em Nova York, em busca de melhores oportunidades em Los Angeles, onde mora seu tio, Phil (Steve Carell), um poderoso agente de cinema. O jovem logo começa a trabalhar nos bastidores da indústria do cinema e se apaixona perdidamente pela secretária de Phil, Vonnie (Kristen Stewart), que já tem namorado. Sensível e de espírito livre, Vonnie prefere a companhia do recém-chegado à superficialidade do universo à sua volta e os dois aproximam-se cada vez mais.

kristen_stewart_malibu_beac

Com bela reconstituição de época, o filme transita entre vários temas recorrentes da filmografia de Allen: a herança judaica, paixões impossíveis, a nostalgia do passado e a força do acaso no curso da vida humana. Sem falar na histórica rivalidade cultural e econômica entre Los Angeles e Nova York, retratadas em belas imagens pelo célebre diretor de fotografia Vittorio Storaro, premiado com o Oscar por seu trabalho em “Apocalypse Now” (1979), “Reds” (1982) e “O Último Imperador” (1987). O filme de Allen pode levá-lo a concorrer à estatueta dourada pela quinta vez (ele também concorreu por “Dick Tracy“).

cafe-society-5-620x413

Um dos filmes mais românticos do diretor, sensível e ao mesmo tempo tragicômico, “Café Society” conta ainda com Corey Stoll (“House of Cards”), Parker Posey (“Homem Irracional“), Blake Lively (“Águas Rasas”) e Paul Schneider (“O Assassinato de Jesse James Pelo Covard”) no elenco.

CURIOSIDADES:

* Steve Carell substituiu Bruce Willis, demitido por Allen durante as filmagens.

* Este foi o primeiro filme desde “Crepúsculo” (2008) para o qual Kristen Stewart fez teste antes de ganhar o papel.

* Primeira trabalho de Allen desde “A Última Noite de Bóris Grushenko” (1975) realizado sem o produtor executivo Jack Rollins, falecido no ano passado, aos 100 anos. Ele foi empresário de Allen e colaborou com ele por mais de 45 anos.

cafe_society_de_woody_allen

Allen dirige Eisenberg e Stewart

* “Café Society” marca ainda a terceira parceria de Jesse Eisenberg e Kristen Stewart nas telas. Juntos, eles fizeram antes “Férias Frustradas de Verão” (2009) e “American Ultra: Armados e Alucinados” (2015).

MAIS WOODY ALLEN NA 2001:

Homem Irracional (2015)
Blue Jasmine (2013)
Para Roma com Amor (2012)
Meia Noite em Paris (2011)
Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos (2010)
Poucas e Boas (1999)
Todos Dizem Eu te Amo (1996)
Poderosa Afrodite (1995)
Um Misterioso Assassinato em Manhattan (1993)
Maridos e Esposas (1992)
Zelig (1983)
A Última Noite de Bóris Grushenko (1975)

E VEJA TAMBÉM:

WOODY ALLEN – UM DOCUMENTÁRIO

0

O escritor, diretor, ator, comediante e músico nova-iorquino permitiu que sua vida e processo criativo fossem registrados neste DVD com mais de três horas de duração. Com acesso sem precedentes, Robert B. Weide, um dos diretores da série “Curb Your Enthusiasm”, seguiu seu biografado por mais de um ano e meio, revelando, em imagens e depoimentos surpreendentes, a intimidade do criador do neurótico mais famoso do cinema.

QUARTAS COM SUZANA VIDIGAL: “TRUQUE DE MESTRE”

EDITORA DO CINE GARIMPO, A JORNALISTA SUZANA VIDIGAL ESCREVE TODA QUARTA-FEIRA PARA O BLOG DA 2001, DESTACANDO UM GRANDE LANÇAMENTO PARA LOCAÇÃO OU VENDA NAS LOJAS DA REDE

Um dos maiores sucessos-surpresa de 2013, com mais de U$ 200 milhões em bilheteria em todo o mundo, "Um Truque de Mestre" acaba de chegar para locação em DVD e Blu-ray na 2001. A trama intrincada acompanha um grupo de ilusionistas que rouba bancos durante seus espetáculos de mágica, e ainda oferece o dinheiro à plateia

Um dos maiores sucessos-surpresa de 2013, com mais de U$ 200 milhões em bilheteria em todo o mundo, “Um Truque de Mestre” acaba de chegar para locação em DVD e Blu-ray na 2001. A trama intrincada acompanha um grupo de ilusionistas que rouba bancos durante seus espetáculos de mágica, e ainda oferece o dinheiro à plateia

Dizem os mágicos – e quem já viu boa mágica sabe que é verdade – que o truque está no detalhe. Ou melhor, em fazer o público olhar bem para um ponto específico (a cartola, o coelho, o armário), enquanto o truque acontece em outro lugar. Ou seja, quanto mais perto você olha, menos você vê. Assim dizem – e fazem – os quatro ilusionistas de Truque de Mestre.

Pode ter lá seus furos – e acho que tem mesmo. Os personagens vividos por Michael Caine e Morgan Freeman (também juntos na trilogia de Batman – O Cavaleiro das Trevas, de Christopher Nolan), por exemplo, poderiam ser melhor explorados. No frenesi do próprio tema do ilusionismo – onde tudo tem que ser rápido, para que a ilusão pareça verdade – o espectador também é levado a se ater demais ao caminho traçado pelos mágicos, deixando para trás as histórias pessoais desses personagens. E tem também quem diga que o desfecho é óbvio demais. Intriga da oposição. Este tipo de filme é feito para entreter, portanto não seja rígido demais e aproveite.

01

Truque de Mestre exige atenção. Não porque seu roteiro seja lá muito elaborado, mas porque é confuso, cheio de meandros, reviravoltas e meias-verdades. Tudo começa quando quatro ilusionistas são intimados a se encontrar. Só não sabemos quem é que está coordenando este encontro, nem o que pretende. Depois de um ano eles formam um time afiadíssimo de ilusionistas, patrocinados por um milionário, que lota a casa de shows de um cassino de Las Vegas e executa o que parece ser impossível: do palco, roubam um banco na França. E mais: o dinheiro cai em cima da plateia, boquiaberta.

A partir daí, o agente do FBI Dylan Rhodes (Mark Ruffalo, também em Minhas Mães e Meu Pai, Ilha do Medo) e da Interpol Alma Dray (Mélanie Laurent, também em Toda Forma de Amor, O Concerto, Bastardos Inglórios) são acionados para tentar descobrir se foi mágica, se foi roubo e o que a trupe pretende. Claro que os ilusionistas dão um baile nas autoridades, se safam de todas as situações e deixam o espectador intrigado. E confuso. O que faz parte do jogo, imagino – a arte de confundir também faz parte da mágica.

Independente da verossimilhança das reviravoltas da trama, o grande diferencial mesmo do filme é o seu elenco, con nomes como Michael Caine, Morgan Freeman, Mark Ruffalo, Jesse Eisenberg, Isla Fisher, Woody Harrelson e a francesa Mélanie Laurent

Além das reviravoltas da trama, o grande diferencial do filme é mesmo o seu elenco, com nomes como Michael Caine, Morgan Freeman, Mark Ruffalo, Jesse Eisenberg, Isla Fisher, Woody Harrelson e a francesa Mélanie Laurent

Mas agora que você está avisado, preste bastante atenção. Eu confesso que deixei alguns detalhes passarem, que fizeram falta no final para fechar o quebra-cabeça. Vale assistir de novo. E pelo desfecho “mágico”, você também vai sentir vontade de ver pela segunda vez, para ter certeza de que faz sentido. Ou de que realmente enganaram você direitinho.

 

Cliente da 2001, Suzana Vidigal é jornalista e editora do Cine Garimpo, blog com dicas de cinema e DVD para você escolher de acordo com seu estado de espírito.

OPINIÃO: A CAÇADA

Estrelado por Richard Gere e Jesse Eisenberg, o thriller mescla drama político, aventura e humor para (re)contar história verídica

Baseado em uma história real, ou melhor, como o próprio diretor afirma – “Apenas as partes mais ridículas dessa história são verdadeiras” -, A Caçada apresenta dois jornalistas, Simon (Richard Gere) e o cinegrafista Duck (Terrence Howard) numa busca frenética pelo assassino e criminoso de guerra Radovan Karadzic. Primeiro presidente da República Sérvia, ele foi responsável pelo genocídio de milhares de muçulmanos bósnios e recebeu o apelido de “O Açougueiro dos Balcãs” devido a sua crueldade.

 

Motivado pelos 5 milhões de dólares de recompensa e também por causas afetivas,  Simon, com muita insistência, consegue convencer Duck a entrar nesta perigosa aventura. Os dois, acompanhados pelo repórter novato Benjamin (Jesse Eisenberg), partem pelo país no rastro de Radovan, iniciativa que ONU, OTAN, CIA e outras siglas não tentaram, por possíveis conspirações e interesses pouco honrosos, deixando clara a crítica que Richard Shepard (diretor do filme) faz a estas organizações, que na maioria das vezes só entram em ação estimuladas por interesses políticos. Felizmente, Radovan e, há pouco tempo, Ratko Mladic – general responsável pelo massacre de Srebrenica, onde foram mortos mais de 8370 muçulmanos entre crianças, jovens e idosos – foram capturados. É a vida imitando a arte…

Comentário de
Luiz Hashim
Gerente da 2001 Paulista
Av. Paulista, 726, Bela Vista – São Paulo – SP