Oscar na 2001

CONFIRA OS INDICADOS (E VENCEDORES) DISPONÍVEIS NA 2001

COM UMA CERIMÔNIA DE PREMIAÇÃO MARCADA PELO DISCURSO POLÍTICO EM PROL DA DIVERSIDADE – E DO FIM DO ASSÉDIO SEXUAL – EM HOLLYWOOD, A 90ª EDIÇÃO DO OSCAR REALIZADA NO ÚLTIMO DOMINGO (4/3) CONSAGROU A FANTASIA “A FORMA DA ÁGUA” E INÚMERAS PRODUÇÕES INDIE (“TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME”, “CORRA!”, “ME CHAME PELO SEU NOME“, “EU, TONYA”).

Como nos últimos dez anos de entrega do prêmio, não houve um grande vencedor numérico, com “A Forma da Água” à frente, com quatro estatuetas melhor filme, direção (Guillermo del Toro), design de produção e trilha sonora. Indicado antes a roteiro original por “O Labirinto do Fauno” em 2007, Del Toro tornou-se o terceiro mexicano a ganhar o Oscar de melhor direção nos últimos cinco anos.

Não houveram surpresas nas categorias de atuação. Frances McDormand (melhor atriz) e Sam Rockwell (ator coadjuvante) foram reconhecidos por seus papéis no visceral “Três Anúncios para um Crime”, drama de Martin McDonagh com uma das personagens mais fortes da temporada.

Um dos camaleões do cinema, Gary Oldman finalmente levou o Oscar de melhor ator, por sua incrível transformação no lendário primeiro-ministro britânico Winston Churchill, em “O Destino de uma Nação“. E Allison Janney foi a melhor atriz coadjuvante, por seu implacável retrato de uma mãe abusiva em “Eu, Tonya”, sobre a polêmica ex-patinadora artística Tonya Harding.

Mas entraram mesmo para a história da premiação o veterano cineasta inglês James Ivory (“Maurice“, “Uma Janela para o Amor”) que, aos 89 anos, virou o mais velho ganhador do Oscar ao vencer a categoria de roteiro adaptado, por “Me Chame pelo seu Nome“, e Jordan Peele, o primeiro negro a levar o Oscar de roteiro original, pelo hit-indie “Corra!”.

Depois de indicações por “Uma Janela para o Amor”, “Retorno a Howards End” e “Vestígios do Dia”, o diretor James Ivory levou a estatueta pelo roteiro de “Me Chame pelo Seu Nome“, sensível romance já em pré-venda na 2001

E “Uma Mulher Fantástica” quebrou dois tabus: se tornou o primeiro filme estrelado por uma pessoa transexual a levar um Oscar, e o primeiro a vencer o Oscar de melhor filme estrangeiro representando o Chile. Vale ressaltar ainda a presença de Greta Gerwig (atriz de “Frances Ha”). Apesar de perder o Oscar de melhor direção por seu trabalho em “Lady Bird”, ela já ficou marcada como a quinta mulher indicada na categoria em toda a história do prêmio.

Confira abaixo os vencedores do Oscar 2018:

MELHOR FILME
A Forma da Água
Me Chame pelo Seu Nome (em pré-venda na 2001)
O Destino de uma Nação (em pré-venda na 2001)
Dunkirk
Corra!
Lady Bird: É Hora de Voar
Trama Fantasma (em pré-venda na 2001)
The Post – A Guerra Secreta (em pré-venda na 2001)
Três Anúncios para um Crime

MELHOR DIREÇÃO
Guillermo del Toro – A Forma da Água
Christopher Nolan – Dunkirk
Greta Gerwig – Lady Bird: É Hora de Voar
Paul Thomas Anderson – Trama Fantasma
Jordan Peele – Corra!

MELHOR ATOR
Gary Oldman – O Destino de uma Nação
Daniel Day-Lewis – Trama Fantasma
Daniel Kaluuya – Corra!
Denzel Washington – Roman J. Israel (já disponível na 2001)
Me Chame pelo Seu Nome

Denzel Washington recebeu sua segunda indicação consecutiva ao Oscar (concorreu em 2017 por “Um Limite Entre Nós”) por ROMAN J.ISRAEL, sólido drama de tribunal escrito e dirigido por Dan Gilroy (de “O Abutre”). Transitando entre diversos temas (desigualdade social, ética, justiça para todos, racismo), “Roman J. Israel” é o retrato de um advogado idealista, especialista em causas sociais que precisa se reinventar – e se adaptar aos novos tempos – após a morte do dono do escritório em que trabalha. No caminho, enfrenta diversos dilemas ético-profissionais, dividido entre os limites entre Justiça e negócio. Um filme fundamental para profissionais de Direito, a ser descoberto em DVD (já que não passou nos cinemas brasileiros).

MELHOR ATRIZ
Frances McDormand – Três Anúncios para um Crime
Margot Robbie – Eu, Tonya
Meryl Streep – The Post – A Guerra Secreta
Sally Hawkins – A Forma da Água
Saoirse Ronan – Lady Bird: É Hora de Voar

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Sam Rockwell – Três Anúncios para um Crime
Christopher Plummer – Todo o Dinheiro do Mundo
Willem Dafoe – Projeto Flórida
Richard Jenkins – A Forma da Água
Woody Harrelson – Três Anúncios para um Crime

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Allison Janney – Eu, Tonya
Mary J. Blige – Mudbound: Lágrimas sobre o Mississipi
Octavia Spencer – A Forma da Água
Laurie Metcalf – Lady Bird: É Hora de Voar
Lesley Manville – Trama Fantasma

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Me Chame pelo Seu Nome
Artista do Desastre
Logan (disponível em DVD na 2001)
A Grande Jogada
Mudbound: Lágrimas sobre o Mississipi

A aclamada despedida de Hugh Jackman do papel de Wolverine foi lembrada pela Academia com uma indicação inédita para a Marvel. Aclamado por público e crítica, LOGAN é o primeiro filme de super-herói a concorrer ao Oscar de melhor roteiro adaptado. Wolverine está de volta, agora em 2029, tentando levar uma vida normal na fronteira entre EUA e México, enquanto cuida do professor Charles Xavier (Patrick Stewart, em grande atuação). Só que a tranquilidade do mutante é interrompida com a chegada de Laura (a revelação Dafne Keen), uma menina com poderes especiais procurada por forças do governo.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Corra!
Doentes de Amor
Lady Bird: É Hora de Voar
Três Anúncios para um Crime
A Forma da Água

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Uma Mulher Fantástica (Chile)
O Insulto (Líbano)
Loveless: Sem Amor (Russia)
Corpo e Alma (Hungria)
The Square – A Arte da Discórdia (Suécia)

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM LONGA-METRAGEM
Ícaro
Abacus: Pequeno o Bastante Para Condenar
Visages Villages
Últimos Homens em Aleppo
Strong Island

MELHOR ANIMAÇÃO EM LONGA-METRAGEM
Viva – A Vida É uma Festa (em pré-venda na 2001)
O Poderoso Chefinho
The Breadwinner
O Touro Ferdinando
Com Amor, Van Gogh

Idealizado pela artista polonesa Dorota Kobiela e pelo animador britânico Hugh Welchman, COM AMOR, VAN GOGH tem um feito e tanto: é
o primeiro longa de animação realizado em sua totalidade com técnica de pintura a óleo. Um trabalho hercúleo que envolveu mais de 100 pintores, responsáveis por 853 quadros que foram fotografados para os frames do filme. Todos inspirados no estilo impressionista do pintor holandês Vincent van Gogh (1853 – 1890), que tem momentos-chave antes de sua morte encenados.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Remember Me”, de Viva – A Vida É uma Festa
“Mighty River”, de Mudbound – Lágrimas sobre o Mississipi
“Mystery of Love”, de Me Chame pelo Seu Nome
“This Is Me”, de O Rei do Show
“Stand Up for Something”, de Marshall

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
A Forma da Água
Três Anúncios para um Crime
Dunkirk
Trama Fantasma
Star Wars: Os Últimos Jedi (já em pré-venda na 2001)

MELHOR FOTOGRAFIA
Blade Runner 2049 (disponível em DVD e Blu-ray na 2001)
O Destino de uma Nação
Dunkirk
Mudbound: Lágrimas sobre o Mississippi
A Forma da Água

MELHOR MONTAGEM
Dunkirk
Em Ritmo de Fuga (em promoção na 2001)
Eu, Tonya
A Forma da Água
Três Anúncios para um Crime

Dirigida e escrito pelo britânico Edgar Wright (“Todo Mundo Quase Morto”, “Scott Pilgrim Contra o Mundo”), EM RITMO DE FUGA é o primeiro longa do diretor realizado nos EUA, com ótimo elenco e sequências de perseguição de carro eletrizantes, ao som de uma trilha matadora com canções de blues, rock e soul que ditam o ritmo da ação.
A trama acompanha o protagonista Baby (Ansel Elgort, de “A Culpa é das Estrelas”), um jovem que trabalha como piloto de fuga nos assaltos organizados por Doc (Kevin Spacey).

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
A Forma da Água
A Bela e a Fera (disponível em Blu-ray na 2001)
Blade Runner 2049
O Destino de Uma Nação
Dunkirk

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
O Destino de uma Nação
Extraordinário (disponível em DVD e Blu-ray a partir de 28/3)
Victoria e Abdul – O Confidente da Ra (já disponível em DVD)

MELHOR FIGURINO
Trama Fantasma
A Bela e a Fera
O Destino de uma Nação
A Forma da Água
Victoria e Abdul – O Confidente da Rainha

Depois de “Sra. Henderson Apresenta” (2005) e “Philomena” (2013), Stephen Frears volta a dirigir Judi Dench, desta vez em VICTORIA E ABDUL, drama de época baseado em fatos reais. Dench adiciona mais uma monarca à sua galeria de personagens, no papel de uma decadente rainha Victoria, em 1887. Sem ânimo de viver, ela conhece Abdul, um servo enviado da Índia (então parte do Império Britânico) com quem começa uma relação de amizade e cumplicidade que irá desagradar a corte inglesa. O filme acaba de sair em DVD na 2001.

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
Dunkirk
Em Ritmo de Fuga
Blade Runner 2049
A Forma da Água
Star Wars: Os Últimos Jedi

MELHOR MIXAGEM DE SOM
Dunkirk
Em Ritmo de Fuga
Blade Runner 2049
A Forma da Água
Star Wars: Os Últimos Jedi

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Blade Runner 2049 (disponível em DVD e Blu-ray na 2001)
Guardiões da Galáxia Vol. 2 (disponível na 2001)
Kong: A Ilha da Caveira
Star Wars: Os Últimos Jedi
Planeta dos Macacos: A Guerra (disponível em DVD na 2001)

Além do Oscar de melhor fotografia (para Roger Deakins, em sua 14ª indicação), BLADE RUNNER 2049 foi reconhecido com a estatueta de efeitos visuais. Depois de concorrer ao Oscar por “A Chegada”, o cineasta Denis Villeneuve enfrentou o desafio de dar sequência a um dos filmes mais cultuados do gênero ficção-científica e não desapontou, com um roteiro inteligente (escrito por Hampton Fancher e Michael Green) e visual deslumbrante. Destaque também para o elenco, formado por Ryan Gosling, Harrison Ford, Jared Leto, Robin Wright, Ana de Armas e Sylvia Hoeks.

MELHOR ANIMAÇÃO EM CURTA-METRAGEM
Dear Basketball
Garden Party
Lou
Negative Space
Revolting Rhymes

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM CURTA-METRAGEM
Heaven Is a Traffic Jam on the 405
Heroin(e)
Edith+Eddie
Knife Skills
Traffic Stop

MELHOR CURTA-METRAGEM
The Silent Child
DeKalb Elementary
The Eleven O’Clock
My Nephew Emmett
Watu Wote/All of Us

“LA LA LAND” E “MOONLIGHT” SÃO OS GRANDES VENCEDORES DO OSCAR 2017

O CALENDÁRIO DE PREMIAÇÕES DE HOLLYWOOD TERMINOU ONTEM, COM A CERIMÔNIA DA ACADEMIA DE ARTES E CIÊNCIAS CINEMATOGRÁFICAS. FAVORITO, COM 14 INDICAÇÕES, “LA LA LAND – CANTANDO ESTAÇÕES” LEVOU O MAIOR NÚMERO DE ESTATUETAS, 6 – INCLUINDO MELHOR DIRETOR E ATRIZ -, MAS PERDEU O PRÊMIO PRINCIPAL, O OSCAR DE MELHOR FILME, PARA O DRAMA INDEPENDENTE “MOONLIGHT – SOB A LUZ DO LUAR”.

Apresentada por Jimmy Kimmel, a cerimônia de premiação ficou marcada por uma gafe histórica. Para celebrar os 50 anos de “Bonnie e Clyde – Uma Rajada de Balas” (1967), clássico que marcou o início da Nova Hollywood, Warren Beatty e Faye Dunaway foram chamados ao palco para apresentar o último prêmio da noite: o Oscar de melhor filme. Com o envelope errado (o de melhor atriz, para Emma Stone), os dois anunciaram que o vencedor era “La La Land – Cantando Estações”, mas o premiado, na verdade, era “Moonlight – Sob a Luz do Luar”. Os produtores do musical faziam seus discursos de agradecimento quando o erro foi descoberto e o verdadeiro envelope com o ganhador revelado, para espanto (e êxtase) da plateia presente no auditório do Dolby Theatre, em Los Angeles.

O veterano Warren Beatty, 79, ao lado do apresentador Jimmy Kimmel, no centro da confusão envolvendo o anúncio do Oscar de melhor filme

Produção de baixo orçamento, “Moonlight” já havia recebido, um dia antes, seis prêmios do Independent Spirit Awards (espécie de “Oscar indie”): melhor filme, diretor para Barry Jenkins, roteiro, fotografia, montagem e o especial Robert Altman. Narrado em três atos, com momentos distintos de um jovem afro-americano que cresce num bairro pobre de Miami, o longa venceu ainda o Oscar de melhor ator coadjuvante (Mahershala Ali) e roteiro adaptado.

Recordista de indicações ao Oscar (ao lado de “A Malvada” e “Titanic“), “La La Land” levou o maior número de estatuetas da noite – seis de 14 categorias a que concorria – e confirmou seu favoritismo nas categorias de melhor direção (Damián Chazelle, mais jovem cineasta a vencer o prêmio), atriz, fotografia, design de produção, canção (“City of Stars”) e trilha sonora.

“Até o Último Homem” (2 Oscars), “La La Land” (6), “Moonlight” (3), “Lion – Uma Jornada para Casa” (0), “A Chegada” (1) e “Manchester à Beira Mar” (2)

Dirigido e escrito por Kenneth Lonergan, o devastador “Manchester à Beira Mar” ficou com os prêmios de melhor ator (Casey Affleck) e roteiro original, e o longa de guerra “Até o Último Homem”, dirigido por Mel Gibson, levou duas categorias técnicas.

E, ao contrário dos últimos dois anos, marcados pela polêmica em torno da ausência de atores negros nas quatro categorias de atuação, o Oscar deste ano celebrou a diversidade, tanto nos temas das produções quanto entre os artistas indicados. Seis atores negros disputaram o prêmio, e dois deles ganharam: Viola Davis, eleita melhor atriz coadjuvante por “Um Limite Entre Nós”, adaptação da peça teatral “Fences”, e o já citado Ali, de “Moonlight” .

Com alfinetadas ao governo do presidente Donald Trump, homenagens  a vencedores do passado, e a confusão final para anunciar o prêmio principal, a cerimônia do Oscar 2017 não deixa de ser um retrato dos tempos difíceis em que vivemos, com seus dramas sociais, desafios e dilemas da contemporaneidade.

MELHOR FILME
“Moonlight – Sob a Luz do Luar”

MELHOR DIREÇÃO
Damián Chazelle -“La La Land – Cantando Estações”

MELHOR ATOR
Casey Affleck – “Manchester à Beira-Mar” (em pré-venda na 2001 em DVD e Blu-ray)

Indicado ao Oscar pela primeira vez por “O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford” , como coadjuvante em 2008, Casey Affleck levou a estatueta de melhor ator por “Manchester à Beira Mar“. O filme tem previsão de lançamento em DVD para 26/4 na 2001

MELHOR ATRIZ
Emma Stone – “La La Land – Cantando Estações”

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali – “Moonlight – Sob a Luz do Luar”

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Viola Davis – “Um Limite Entre Nós”

Viola Davis já ganhou um Tony, o Oscar do teatro, pelo mesmo papel em 2010, quando estava em cartaz em Nova York.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Barry Jenkins e Tarell Alvin McCraney – “Moonlight – Sob a Luz do Luar”

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Kenneth Lonergan – “Manchester à Beira-Mar” (em pré-venda na 2001 em DVD e Blu-ray)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
“O Apartamento”

“O Apartamento”, novo filme do diretor-roteirista iraniano Asghar Farhadi – premiado na mesma categoria em 2012 por “A Separação”. Em protesto às leis anti-imigração de Donald Trump, ele se recusou a viajar aos EUA e mandou uma representante, que leu sua declaração contra a política do atual presidente norte-americano.

MELHOR MONTAGEM
“Até o Último Homem”

MELHOR FOTOGRAFIA
“La La Land – Cantando Estações”

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Mogli – O Menino Lobo” (disponível em DVD e Blu-ray na 2001)

A superprodução da Disney bateu fortes concorrentes, como “Doutor Estranho” e “Rogue One: Uma História Star Wars”

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Zootopia” (disponível em DVD e Blu-ray na 2001)

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
“La La Land – Cantando Estações”

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“City of Stars” (“La La Land – Cantando Estações”)

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
“La La Land – Cantando Estações”

MELHOR FIGURINO
“Animais Fantásticos e Onde Habitam”

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
Esquadrão Suicida” (disponível em DVD e Blu-ray na 2001)

Não dá pra negar o elaborado trabalho de maquiagem do filme, um incrível sucesso no Brasil com quase 8 milhões de espectadores no ano passado

MELHOR DOCUMENTÁRIO DE LONGA-METRAGEM
“O.J.: Made in America”

MELHOR DOCUMENTÁRIO DE CURTA-METRAGEM
“The White Helmets”

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
A Chegada” (em pré-venda na 2001 em DVD e Blu-ray)

Um dos sucessos-surpresa de 2016, a ficção-científica dirigida pelo canadense Denis Villeneuve (de “Incêndios”) recebeu apenas uma estatueta: edição de som. O filme tem previsão de “chegada” em DVD e Blu-ray na 2001 a partir de 8/3.

MELHOR MIXAGEM DE SOM
“Até o Último Homem”

MELHOR CURTA-METRAGEM
“Sing (Mindenki)”

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
“Piper”