Roman J Israel

INDICADOS AO OSCAR 2018 E MAIS NOVIDADES NA 2001

ROMAN J. ISRAEL

Denzel Washington recebeu sua segunda indicação consecutiva ao Oscar (concorreu em 2017 por “Um Limite Entre Nós”) por este drama de tribunal escrito e dirigido por Dan Gilroy (“O Abutre”). Transitando entre diversos temas (desigualdade social, ética, justiça para todos, racismo), “Roman J. Israel” é o retrato de um advogado idealista, especialista em causas sociais que precisa se reinventar após a morte do dono do escritório em que trabalhava. No caminho, enfrenta diversos dilemas ético-profissionais, no limiar entre Justiça e negócio.

VICTORIA E ABDUL – O CONFIDENTE DA RAINHA

Depois de “Sra. Henderson Apresenta” (2005) e “Philomena” (2013), Stephen Frears volta a dirigir Judi Dench numa história baseada em fatos reais. A grande atriz inglesa adiciona mais uma monarca à sua galeria de personagens, no papel de uma decadente rainha Victoria, em 1887. Sem ânimo para viver, ela conhece Abdul, um servo enviado da Índia (então parte do Império Britânico) com quem começa uma relação de amizade e cumplicidade que irá desagradar a corte inglesa.

THELMA

Thriller psicanalítico de Joachim Trier – diretor do premiado “Oslo, 31 de Agosto” -, escolhido pela Noruega para disputar o Oscar 2018 de melhor filme estrangeiro. Embora não tenha ficado entre os cinco finalistas, vale a pena conhecer este intrincado mergulho na sexualidade (e psique) de Thelma (Eili Harboe), uma jovem que deixa a casa dos pais religiosos ao entrar na faculdade. Ela irá vivenciar novas experiências, como uma paixão reprimida por uma colega de classe e até fenômenos paranormais.

BONECO DE NEVE

Adaptação do bestseller homônimo do autor norueguês Jo Nesbø, o suspense traz Michael Fassbender no papel do detetive Harry Hole. Ao lado de uma agente novata,Katrine Braft (a sueca Rebecca Ferguson, de “A Garota no Trem”), ele passa a investigar o desaparecimento de uma série de mulheres. Nos locais dos crimes, o assassino deixa como assinatura um boneco de neve. Dirigido por Tomas Alfredson (de “Deixe Ela Entrar”), o filme ainda traz no elenco Charlotte Gainsbourg e J.K. Simmons (“Whiplash”).

O CASTELO DE VIDRO

Baseado em livro autobiográfico da jornalista Jeanette Walls, o filme narra as memórias da autora, interpretada pela ganhadora do Oscar Brie Larson (“O Quarto de Jack”). Em flashbacks, ela – hoje uma colunista de sucesso em Nova York – relembra seu passado ao lado dos pais idealistas (Woody Harrelson e Naomi Watts) que vivem como nômades. Assim como em “Capitão Fantástico”, Jeanette e seus irmãos passam por inúmeras privações isolados no estilo de vida alternativo da família.

THOR: RAGNAROK

Thor (Chris Hemsworth) está preso do outro lado do universo e precisa correr contra o tempo para voltar a Asgard e parar a implacável vilã Hela (Cate Blanchett), a deusa da morte. Antes disso, ele precisa da ajuda de Hulk (Mark Ruffalo) e de Loki (Tom Hiddleston) para escapar de um planeta governado pelo tirânico Grão-Mestre (Jeff Goldblum). Com mais de 6 milhões de espectadores nos cinemas brasileiros, o terceiro longa do deus do trovão tem direção do neozelandês Taika Waititi.

DETROIT EM REBELIÃO

Única mulher premiada com o Oscar de melhor direção, por “Guerra ao Terror” em 2009, Kathryn Bigelow reconstitui com realismo e tensão crescente fatos reais envolvendo racismo e violência policial nos EUA. Entre 23 e 27 de julho de 1967, a cidade de Detroit foi palco de inúmeros protestos de cidadãos negros, repelidos com violência brutal pela polícia. No elenco, estão John Boyega (“Os Últimos Jedi“) e Anthony Mackie (“Capitão América – Guerra Civil“).

UMA VERDADE MAIS INCONVENIENTE

Dez anos após ter alertado sobre a crise iminente envolvendo o aquecimento global em “Uma Verdade Inconveniente” (vencedor do Oscar em 2007), Al Gore retorna ao tema neste documentário indicado ao Bafta. Exibido na última Mostra Internacional de Cinema de SP, o filme investiga não só as consequências práticas da crise climática, mas também os avanços obtidos na obtenção de energia através de fontes limpas.

MANIFESTO

Cate Blanchett dá um show, ao incorporar 13 personagens neste filme conceitual derivado de instalação de arte do artista alemão Julian Rosefeldt, também diretor do filme. Cate interpreta, sob diferentes personas, 13 monólogos adaptados de manifestos de movimentos políticos e artísticos, como o “Manifesto comunista” (1848), de Karl Max e Friedrich Engels, e o Dogma 95, dos cineastas dinamarqueses Lars von Trier e Thomas Vinterberg.

DEPOIS DAQUELA MONTANHA

Kate Winslet e Idris Elba precisam sobreviver juntos após um desastre aéreo neste drama de sobrevivência dirigido pelo palestino Hany Abu-Assad (de “Paradise Now”). Kate vive uma jornalista que decide fretar um jatinho e convida um médico (papel de Idris Elba) para dividir as despesas. Só que nada sai como planejado e os dois acabam sozinhos em uma região montanhosa isolada da civilização.

O MELHOR PROFESSOR DA MINHA VIDA

Com uma agenda positiva em prol da Educação e dilemas pertinentes a qualquer profissional da área, este longa francês trata com humor e sensibilidade dos desafios enfrentados por François Foucault (Denis Podalydès, de “Monsieur & Madame Adelman“), professor quarentão de uma escola particular em Paris que acaba sendo transferido para o ensino público.

GAROTO FANTASMA

Elogiada animação franco-belga dos diretores Jean-Loup Felicioli e Alain Gagnol, responsáveis por “Um Gato em Paris” (desenho indicado ao Oscar em 2011). Em seu novo trabalho, a dupla mistura fantasia e trama policial para tratar de temas sérios, como experiências fora do corpo físico. Preso em um hospital, Léo, um menino de 11 anos, descobre que ao fechar os olhos é capaz de projetar seu espírito pela cidade de Nova York.

CONFIRA OS INDICADOS (E VENCEDORES) DISPONÍVEIS NA 2001

COM UMA CERIMÔNIA DE PREMIAÇÃO MARCADA PELO DISCURSO POLÍTICO EM PROL DA DIVERSIDADE – E DO FIM DO ASSÉDIO SEXUAL – EM HOLLYWOOD, A 90ª EDIÇÃO DO OSCAR REALIZADA NO ÚLTIMO DOMINGO (4/3) CONSAGROU A FANTASIA “A FORMA DA ÁGUA” E INÚMERAS PRODUÇÕES INDIE (“TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME”, “CORRA!”, “ME CHAME PELO SEU NOME“, “EU, TONYA”).

Como nos últimos dez anos de entrega do prêmio, não houve um grande vencedor numérico, com “A Forma da Água” à frente, com quatro estatuetas melhor filme, direção (Guillermo del Toro), design de produção e trilha sonora. Indicado antes a roteiro original por “O Labirinto do Fauno” em 2007, Del Toro tornou-se o terceiro mexicano a ganhar o Oscar de melhor direção nos últimos cinco anos.

Não houveram surpresas nas categorias de atuação. Frances McDormand (melhor atriz) e Sam Rockwell (ator coadjuvante) foram reconhecidos por seus papéis no visceral “Três Anúncios para um Crime”, drama de Martin McDonagh com uma das personagens mais fortes da temporada.

Um dos camaleões do cinema, Gary Oldman finalmente levou o Oscar de melhor ator, por sua incrível transformação no lendário primeiro-ministro britânico Winston Churchill, em “O Destino de uma Nação“. E Allison Janney foi a melhor atriz coadjuvante, por seu implacável retrato de uma mãe abusiva em “Eu, Tonya”, sobre a polêmica ex-patinadora artística Tonya Harding.

Mas entraram mesmo para a história da premiação o veterano cineasta inglês James Ivory (“Maurice“, “Uma Janela para o Amor”) que, aos 89 anos, virou o mais velho ganhador do Oscar ao vencer a categoria de roteiro adaptado, por “Me Chame pelo seu Nome“, e Jordan Peele, o primeiro negro a levar o Oscar de roteiro original, pelo hit-indie “Corra!”.

Depois de indicações por “Uma Janela para o Amor”, “Retorno a Howards End” e “Vestígios do Dia”, o diretor James Ivory levou a estatueta pelo roteiro de “Me Chame pelo Seu Nome“, sensível romance já em pré-venda na 2001

E “Uma Mulher Fantástica” quebrou dois tabus: se tornou o primeiro filme estrelado por uma pessoa transexual a levar um Oscar, e o primeiro a vencer o Oscar de melhor filme estrangeiro representando o Chile. Vale ressaltar ainda a presença de Greta Gerwig (atriz de “Frances Ha”). Apesar de perder o Oscar de melhor direção por seu trabalho em “Lady Bird”, ela já ficou marcada como a quinta mulher indicada na categoria em toda a história do prêmio.

Confira abaixo os vencedores do Oscar 2018:

MELHOR FILME
A Forma da Água
Me Chame pelo Seu Nome (em pré-venda na 2001)
O Destino de uma Nação (em pré-venda na 2001)
Dunkirk
Corra!
Lady Bird: É Hora de Voar
Trama Fantasma (em pré-venda na 2001)
The Post – A Guerra Secreta (em pré-venda na 2001)
Três Anúncios para um Crime

MELHOR DIREÇÃO
Guillermo del Toro – A Forma da Água
Christopher Nolan – Dunkirk
Greta Gerwig – Lady Bird: É Hora de Voar
Paul Thomas Anderson – Trama Fantasma
Jordan Peele – Corra!

MELHOR ATOR
Gary Oldman – O Destino de uma Nação
Daniel Day-Lewis – Trama Fantasma
Daniel Kaluuya – Corra!
Denzel Washington – Roman J. Israel (já disponível na 2001)
Me Chame pelo Seu Nome

Denzel Washington recebeu sua segunda indicação consecutiva ao Oscar (concorreu em 2017 por “Um Limite Entre Nós”) por ROMAN J.ISRAEL, sólido drama de tribunal escrito e dirigido por Dan Gilroy (de “O Abutre”). Transitando entre diversos temas (desigualdade social, ética, justiça para todos, racismo), “Roman J. Israel” é o retrato de um advogado idealista, especialista em causas sociais que precisa se reinventar – e se adaptar aos novos tempos – após a morte do dono do escritório em que trabalha. No caminho, enfrenta diversos dilemas ético-profissionais, dividido entre os limites entre Justiça e negócio. Um filme fundamental para profissionais de Direito, a ser descoberto em DVD (já que não passou nos cinemas brasileiros).

MELHOR ATRIZ
Frances McDormand – Três Anúncios para um Crime
Margot Robbie – Eu, Tonya
Meryl Streep – The Post – A Guerra Secreta
Sally Hawkins – A Forma da Água
Saoirse Ronan – Lady Bird: É Hora de Voar

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Sam Rockwell – Três Anúncios para um Crime
Christopher Plummer – Todo o Dinheiro do Mundo
Willem Dafoe – Projeto Flórida
Richard Jenkins – A Forma da Água
Woody Harrelson – Três Anúncios para um Crime

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Allison Janney – Eu, Tonya
Mary J. Blige – Mudbound: Lágrimas sobre o Mississipi
Octavia Spencer – A Forma da Água
Laurie Metcalf – Lady Bird: É Hora de Voar
Lesley Manville – Trama Fantasma

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Me Chame pelo Seu Nome
Artista do Desastre
Logan (disponível em DVD na 2001)
A Grande Jogada
Mudbound: Lágrimas sobre o Mississipi

A aclamada despedida de Hugh Jackman do papel de Wolverine foi lembrada pela Academia com uma indicação inédita para a Marvel. Aclamado por público e crítica, LOGAN é o primeiro filme de super-herói a concorrer ao Oscar de melhor roteiro adaptado. Wolverine está de volta, agora em 2029, tentando levar uma vida normal na fronteira entre EUA e México, enquanto cuida do professor Charles Xavier (Patrick Stewart, em grande atuação). Só que a tranquilidade do mutante é interrompida com a chegada de Laura (a revelação Dafne Keen), uma menina com poderes especiais procurada por forças do governo.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Corra!
Doentes de Amor
Lady Bird: É Hora de Voar
Três Anúncios para um Crime
A Forma da Água

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Uma Mulher Fantástica (Chile)
O Insulto (Líbano)
Loveless: Sem Amor (Russia)
Corpo e Alma (Hungria)
The Square – A Arte da Discórdia (Suécia)

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM LONGA-METRAGEM
Ícaro
Abacus: Pequeno o Bastante Para Condenar
Visages Villages
Últimos Homens em Aleppo
Strong Island

MELHOR ANIMAÇÃO EM LONGA-METRAGEM
Viva – A Vida É uma Festa (em pré-venda na 2001)
O Poderoso Chefinho
The Breadwinner
O Touro Ferdinando
Com Amor, Van Gogh

Idealizado pela artista polonesa Dorota Kobiela e pelo animador britânico Hugh Welchman, COM AMOR, VAN GOGH tem um feito e tanto: é
o primeiro longa de animação realizado em sua totalidade com técnica de pintura a óleo. Um trabalho hercúleo que envolveu mais de 100 pintores, responsáveis por 853 quadros que foram fotografados para os frames do filme. Todos inspirados no estilo impressionista do pintor holandês Vincent van Gogh (1853 – 1890), que tem momentos-chave antes de sua morte encenados.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Remember Me”, de Viva – A Vida É uma Festa
“Mighty River”, de Mudbound – Lágrimas sobre o Mississipi
“Mystery of Love”, de Me Chame pelo Seu Nome
“This Is Me”, de O Rei do Show
“Stand Up for Something”, de Marshall

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
A Forma da Água
Três Anúncios para um Crime
Dunkirk
Trama Fantasma
Star Wars: Os Últimos Jedi (já em pré-venda na 2001)

MELHOR FOTOGRAFIA
Blade Runner 2049 (disponível em DVD e Blu-ray na 2001)
O Destino de uma Nação
Dunkirk
Mudbound: Lágrimas sobre o Mississippi
A Forma da Água

MELHOR MONTAGEM
Dunkirk
Em Ritmo de Fuga (em promoção na 2001)
Eu, Tonya
A Forma da Água
Três Anúncios para um Crime

Dirigida e escrito pelo britânico Edgar Wright (“Todo Mundo Quase Morto”, “Scott Pilgrim Contra o Mundo”), EM RITMO DE FUGA é o primeiro longa do diretor realizado nos EUA, com ótimo elenco e sequências de perseguição de carro eletrizantes, ao som de uma trilha matadora com canções de blues, rock e soul que ditam o ritmo da ação.
A trama acompanha o protagonista Baby (Ansel Elgort, de “A Culpa é das Estrelas”), um jovem que trabalha como piloto de fuga nos assaltos organizados por Doc (Kevin Spacey).

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
A Forma da Água
A Bela e a Fera (disponível em Blu-ray na 2001)
Blade Runner 2049
O Destino de Uma Nação
Dunkirk

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
O Destino de uma Nação
Extraordinário (disponível em DVD e Blu-ray a partir de 28/3)
Victoria e Abdul – O Confidente da Ra (já disponível em DVD)

MELHOR FIGURINO
Trama Fantasma
A Bela e a Fera
O Destino de uma Nação
A Forma da Água
Victoria e Abdul – O Confidente da Rainha

Depois de “Sra. Henderson Apresenta” (2005) e “Philomena” (2013), Stephen Frears volta a dirigir Judi Dench, desta vez em VICTORIA E ABDUL, drama de época baseado em fatos reais. Dench adiciona mais uma monarca à sua galeria de personagens, no papel de uma decadente rainha Victoria, em 1887. Sem ânimo de viver, ela conhece Abdul, um servo enviado da Índia (então parte do Império Britânico) com quem começa uma relação de amizade e cumplicidade que irá desagradar a corte inglesa. O filme acaba de sair em DVD na 2001.

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
Dunkirk
Em Ritmo de Fuga
Blade Runner 2049
A Forma da Água
Star Wars: Os Últimos Jedi

MELHOR MIXAGEM DE SOM
Dunkirk
Em Ritmo de Fuga
Blade Runner 2049
A Forma da Água
Star Wars: Os Últimos Jedi

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Blade Runner 2049 (disponível em DVD e Blu-ray na 2001)
Guardiões da Galáxia Vol. 2 (disponível na 2001)
Kong: A Ilha da Caveira
Star Wars: Os Últimos Jedi
Planeta dos Macacos: A Guerra (disponível em DVD na 2001)

Além do Oscar de melhor fotografia (para Roger Deakins, em sua 14ª indicação), BLADE RUNNER 2049 foi reconhecido com a estatueta de efeitos visuais. Depois de concorrer ao Oscar por “A Chegada”, o cineasta Denis Villeneuve enfrentou o desafio de dar sequência a um dos filmes mais cultuados do gênero ficção-científica e não desapontou, com um roteiro inteligente (escrito por Hampton Fancher e Michael Green) e visual deslumbrante. Destaque também para o elenco, formado por Ryan Gosling, Harrison Ford, Jared Leto, Robin Wright, Ana de Armas e Sylvia Hoeks.

MELHOR ANIMAÇÃO EM CURTA-METRAGEM
Dear Basketball
Garden Party
Lou
Negative Space
Revolting Rhymes

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM CURTA-METRAGEM
Heaven Is a Traffic Jam on the 405
Heroin(e)
Edith+Eddie
Knife Skills
Traffic Stop

MELHOR CURTA-METRAGEM
The Silent Child
DeKalb Elementary
The Eleven O’Clock
My Nephew Emmett
Watu Wote/All of Us