Tarkovsky

EM EDIÇÕES ESPECIAIS COM CARDS, BUÑUEL, LANG E TARKÓVSKI

OS FÃS DE CINEMA EUROPEU NÃO PODEM PERDER UM DOS LANÇAMENTOS DO ANO: “O CINEMA DE LUIS BUÑUEL“, BOX COM 4 CLÁSSICOS DO MESTRE DO SURREALISMO. ALÉM DA RARIDADE “DR. MABUSE DE FRITZ LANG” E DO DVD DUPLO “ANDREI TARKÓVSKI“, COM 2 OBRAS-PRIMAS DO DIRETOR RUSSO. TRÊS COLEÇÕES IMPERDÍVEIS, EM BELAS EDIÇÕES COM CARDS E INÚMEROS EXTRAS.

O CINEMA DE LUIS BUÑUEL

Box com 3 DVDs que reúne 6 clássicos do diretor surrealista todos em inéditas versões restauradas e mais de duas horas de vídeos extras, incluindo um excelente documentário sobre a obra do mestre espanhol.

Luis Buñuel (1900-1983) nasceu na aldeia de Calanda (Teruel, Espanha). Em 1917, começou a estudar em Madrid, tomando conhecimento das vanguardas artísticas e literárias da época — cubismo, dadaísmo e surrealismo. Em 1925, mudou-se para Paris, onde estudou cinema e trabalhou como assistente de vários realizadores. Seu primeiro filme, “Um Cão Andaluz” (1928), feito em parceria com Salvador Dali, provocou escândalo e se tornou um marco do surrealismo no cinema.

Catherine Deneuve em A BELA DA TARDE, o filme mais famoso da carreira de Buñuel. O clássico de 1967 acaba de ser relançado em DVD na 2001.

O cineasta trabalhou depois no México e teve uma gloriosa carreira na Europa, onde rodou clássicos como o icônico “A Bela da Tarde“, “Tristana” – filme favorito de Catherine Deneuve em sua carreira – e “O Fantasma da Liberdade“, longa em segmentos escrito por seu fiel colaborador, Jean-Claude Carrière.

Edição limitada com 6 cards.

DISCO 1:

TRISTANA, UMA PAIXÃO MÓRBIDA (Tristana, 1970, 109 min.)
Com Catherine Deneuve, Fernando Rey, Franco Nero.

Após a morte da mãe, órfã é entregue aos cuidados do idoso Don Lope, que a seduz e se torna seu amante. Porém, a chegada de um jovem ameaça o relacionamento. Obra-prima subversiva indicada ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

A VIA LÁCTEA ou O ESTRANHO CAMINHO DE SÃO TIAGO (La Voie Lactée, 1969, 101 min.)
Com Paul Frankeur, Laurent Terzieff, Alain Cuny, Pierre Clementi.

Dois peregrinos viajam em direção ao mítico caminho de Santiago de Compostela, lugar de muita religiosidade, e lá se deparam com diversos personagens bíblicos e históricos. Ácida sátira religiosa do mestre espanhol.

DISCO 2:

O FANTASMA DA LIBERDADE (Le Fantôme de la Liberté, 1974, 103 min.)
Com Jean-Claude Brialy, Adolfo Celi, Michel Piccoli.

Uma série de situações absurdas, que começa com o fantástico relato do que se passou em Toledo em 1808, com um soldado e uma morta. Um dos filmes mais surrealistas de Buñuel, que o considerava seu testamento.

A MORTE NESTE JARDIM (La Mort en ce Jardin, 1956, 104 min.)
Com Simone Signoret, Georges Marchal, Charles Vanel.

Em meio à uma revolução iniciada por garimpeiros num país da América do Sul, um grupo precisa se aventurar na floresta, para fugir da polícia. Com forte comentário político, essa é mais uma pérola da fase mexicana de Buñuel.

DISCO 3:

O DIÁRIO DE UMA CAMAREIRA (Le Journal d’une Femme de Chambre, 1964, 97 min.)
Com Jeanne Moreau, Georges Géret, Michel Piccoli.

Uma camareira consegue emprego na casa dos Monteil, uma família burguesa com certas peculiaridades, como o fetiche do patrão por sapatos femininos. Com muito humor negro, Buñuel nos apresenta sua visão sobre a luta de classes. Refilmado por Benoît Jacquot em 2015 com Léa Seydoux no papel que foi de Jeanne Moreau.

SIMÃO DO DESERTO (Simón del Desierto, 1965, 45 min.)
Com Claudio Brook, Silvia Pinal, Enrique Álvarez Félix.

Simão é um religioso que deseja se aproximar de Deus. Para isso, sobe numa coluna no deserto. Porém, o demônio quer seduzi-lo. Fascinante estudo, repleto de ironia, sobre o fanatismo religioso. Prêmio Especial do Júri em Veneza.

EXTRAS:
* Documentário sobre Buñuel (60 min.)
* Especiais sobre os filmes (90 min.)

DR. MABUSE DE FRITZ LANG

Com quatro discos, o box apresenta os filmes sobre o misterioso psicanalista Dr. Mabuse dirigidos por Fritz Lang, um dos maiores nomes do expressionismo alemão, responsável por clássicos como “M, O Vampiro de Dusseldorf” e “Metrópolis”. Além dos filmes em edições remasterizadas, a coleção traz quase duas horas de conteúdo extra, com entrevistas e documentário.

DISCOS 1 e 2:

DR. MABUSE, O JOGADOR (Dr. Mabuse, der Spieler, 1922, 271 min.)

A história de uma organização criminal liderada por Mabuse (Rudolf Klein-Rogge), um misterioso psicanalista cuja diversão é brincar com homens ricos através de técnicas de hipnose. Ele joga cartas com eles, hipnotiza-os e faz com que apostem todo o dinheiro que tem.

As duas partes desse épico criminal do cinema mudo somam quatro horas e meia de duração.

DISCO 3:

O TESTAMENTO DO DR.MABUSE (Das Testament des Dr. Mabuse, 1933, 121 min.)

Mabuse encontra-se em estado catatônico em um hospital para doentes mentais, enquanto uma rede terrorista está à solta em Berlim com o objetivo de promover caos e anarquia, utilizando-se de instruções do gênio do crime. O inspetor Lohmann é o responsável pela investigação do caso, e vai apertando o cerco com a obtenção de provas cada vez mais estranhas.

Segundo filme sonoro de Lang, foi banido da Alemanha por ordem expressa de Goebbels, sob a alegação de que poderia tirar do povo a confiança nos políticos.

DISCO 4:

OS MIL OLHOS DO DR. MABUSE (Die 1000 Augen des Dr. Mabuse, 1960, 99 min.)

Mabuse regressa para destruir o mundo de vez. Através de uma rede de televisão, ele vigia os clientes de um luxuoso hotel com o objetivo de roubá-los e matá-los. O milionário Trevors e a Interpol unem forças para captura-lo.

Último filme da saga e também da carreira de Lang.

EXTRAS:
* Entrevista com Fritz Lang (20 minutos)
* Documentário “Mabuse’s Motives (29 minutos)
* Dr. Mabuse em Mente (15 minutos)
* Entrevista com Hans Günther (10 minutos)
* A Música de Dr. Mabuse (13 minutos)
* Entrevista com Wolfgang Preiss (15 minutos)
* Final Alternativo para “Os Mil Olhos do Dr. Mabuse (1 minuto)

ANDREI TARKÓVSKI

DVD duplo com duas obras-primas em inéditas versões restauradas do russo Andrei Tarkóvski (1932-1986), um dos maiores cineastas da história do cinema.

Edição especial com 2 cards, luva e quase 1 hora de extras, incluindo making of e entrevistas com a equipe.

DISCO 1:

ANDREI RUBLEV (Idem, 1966, 182 min.)
Com Anatoliy Solonitsyn, Ivan Lapikov, Nikolay Grinko.

A vida do grande pintor de ícones da Rússia do século XV, período de intensa turbulência política e religiosa no país. Nesse cenário caótico, surgem os diversos episódios da vida de Andrei, que mais tarde abandona seu trabalho como pintor para se dedicar a Deus.

DISCO 2:

STALKER (Idem, 1979, 162 min.)
Com Alisa Freyndlikh, Aleksandr Kaydanovskiy, Anatoliy Solonitsyn.

Três viajantes do futuro atravessam uma zona proibida e encontram um lugar onde as leis da física e da geografia não se aplicam – e todos os desejos são realizados.

EXTRAS:
* Making of de “Andrei Rublev” (5 minutos)
* Entrevista com Yuriy Nazarov (4 minutos)
* Entrevista com Marina Tarkovsky (2 minutos)
* Entrevista com Alexander Knyazhinsky (5:54)
* Entrevista com Rashit Safiullin (14 minutos)
* Entrevista com Eduard Artemyev (21 minutos)

“O SACRIFÍCIO”, O FILME-TESTAMENTO DE UM DOS MAIORES POETAS DO CINEMA

"O assunto que abordo neste filme é, na minha opinião, o mais crucial: a ausência de espaço para a existência espiritual em nossa cultura. Nós ampliamos a meta das nossas realizações materiais e conduzimos experiências materialistas sem levar em conta a ameaça que é privar o homem de sua dimensão espiritual. O homem está sofrendo, mas não sabe porque." Andrei Tarkovski

“… o indivíduo se encontra em uma encruzilhada, confrontado com a opção de uma existência fundamentada em um consumismo cego, sujeito ao avanço inexorável da nova tecnologia e à infinita multiplicação dos bens materiais, ou, então, de buscar um caminho que conduza à responsabilidade espiritual, um caminho que, enfim, pode significar não apenas sua salvação pessoal, mas também a salvação da sociedade como um todo…” Andrei Tarkóvski, no livro “Esculpir o Tempo”

VENCEDOR DE QUATRO PRÊMIOS NO FESTIVAL DE CANNES EM 1986, “O SACRIFÍCIO” SAI NO BRASIL EM VERSÃO RESTAURADA MAIS O DOCUMENTÁRIO “DIRIGIDO POR ANDREI TARKÓVSKI”, COM BASTIDORES DA PRODUÇÃO E ENTREVISTAS. E, PARA ALEGRIA DOS CINÉFILOS, O DVD DUPLO TRAZ AINDA UM MINI-PÔSTER EXCLUSIVO DO FILME. 

Escrito e dirigido por Andrei Tarkóvski (1932-1986), o longa foi rodado na Suécia, durante a fase de exílio do cineasta russo, com o ator bergmaniano Erland Josephson no papel principal.

Previsão de entrega? 07/12

Previsão de entrega: 07/12

FESTIVAL DE CANNES
Grande Prêmio do Júri
Prêmio da Crítica Internacional (FIPRESCI)
Prêmio do Júri Ecumênico
Melhor contribuição artística (Sven Nykvist)

DISCO 1 :

O SACRIFÍCIO (Offret, 1986, 145 min.)
Com Erland Josephson, Susan Fleetwood e Allan Edwall.

Realizado por Tarkóvski no final de sua vida, vítima de um câncer no pulmão, o longa acompanha a celebração do aniversário do patriarca Alexander (Erland Josephson), escritor e ator aposentado, sob a sombra de uma catástrofe nuclear que irá afetar a todos.

the-sacrifice2

Com “O Sacrifício”, pela primeira vez na história do Festival de Cannes um único filme foi vencedor de quatro prêmios.

DISCO 2: 

DIRIGIDO POR ANDREI TARKÓVSKI (Regi: Andrei Tarkovski, 1988, 99 min.)
De Michal Leszczylowski. Com Brian Cox, Erland Josephson e Andrei Tarkóvski.

O diretor Michal Leszczylowski quis dividir com o público os momentos que passou com o cineasta Andrei Tarkóvski, enquanto trabalhava na montagem de “O Sacrifício”.

GRÁTIS MINI-PÔSTER EXCLUSIVO:

sacrificio-cartaz-814x1024

Medidas do pôster: 35 x 43,7 cm

E NÃO PERCA TAMBÉM, DO CINEASTA:

A Arte de Andrei Tarkovski 3D

A ARTE DE ANDREI TARKÓVSKI

O DVD duplo reúne três obras-primas em inéditas versões restauradas do russo Andrei Tarkóvski (1932-1986), um dos maiores estetas da história do cinema, e um ótimo documentário sobre “Nostalgia”.

DISCO 1:

NOSTALGIA (“Nostalghia”, 1983)
Com Oleg Yankovskiy, Erland Josephson e Domiziana Giordano.

0000

Poeta russo vai à Itália pesquisar sobre músico russo que se suicidou no exílio. Durante sua pesquisa, ele vive uma jornada espiritual. Melhor Direção, Prêmio da Crítica Internacional e do Júri Ecumênico no Festival de Cannes.

A INFÂNCIA DE IVAN (“Ivanovo detstvo”, 1962)
Com Nikolai Burlyaev, Valentin Zubkov e E. Zharikov.

Durante a II Guerra, Ivan, um menino russo de 12 anos, trabalha como espião no front soviético, cruzando as linhas inimigas, para coletar informações dos nazistas. Longa-metragem de estreia do diretor, vencedor do Leão de Ouro em Veneza.

DISCO 2:

O ESPELHO (“Zerkalo”, 1975)
Com Margarita Terekhova, Oleg Yankóvski e Alla Demidova.

00001

Cena de “O Espelho”, uma das obras-primas do diretor – e presença constante em listas de melhores filmes de todos os tempos

À beira da morte, um homem relembra passagens de sua vida: a infância, a experiência da guerra… Um dos trabalhos mais radicais e herméticos de Tarkóvski, “O Espelho” é um dos filmes definitivos sobre a memória.

TEMPO DE VIAGEM (“Tempo di Viaggio”, 1983)
Com Andrei Tarkóvski e Tonino Guerra.

Documentário sobre a procura de locações para “Nostalgia”. Recém-chegado à Itália, Tarkóvski trabalha, conversa com Tonino Guerra e fala de cinema e literatura. Inclui pequenos ensaios filmados pelo diretor.

EXTRAS: Análise de “A Infância de Ivan” (31 min.), análise de “O Espelho” (11 min).

tumblr_nrys8nlLRL1sma6oio1_1280

COMPLETE A SUA COLEÇÃO “A ARTE DE…”:

JEAN-PIERRE MELVILLE

DVD 1:
O CÍRCULO VERMELHO
CODINOME MELVILLE

DVD 2:
TÉCNICA DE UM DELATOR
DOIS HOMENS EM MANHATTAN

JOHN CASSAVETES

DVD 1:
A CANÇÃO DA ESPERANÇA
ASSIM FALOU O AMOR

DVD 2:
AMANTES
CASSAVETES: O HOMEM E SUA OBRA

MARIO BAVA

DVD 1:
A MALDIÇÃO DO DEMÔNIO
O ALERTA VERMELHO DA LOUCURA

DVD 2:
A GAROTA QUE SABIA DEMAIS
CÃES RAIVOSOS

ROBERT ALTMAN

DVD 1:
TRÊS MULHERES
ALTMAN, UM RETRATO

DVD 2:
O PERIGOSO ADEUS
RENEGADOS ATÉ A ÚLTIMA RAJADA

SAMUEL FULLER

DVD 1:
O BEIJO AMARGO
O QUIMONO ESCARLATE

DVD 2:
PAIXÕES QUE ALUCINAM
CASA DE BAMBU

TRÊS LANÇAMENTOS – E DESDE JÁ OBRAS DE REFERÊNCIA NO BRASIL: “A ARTE DE ANDREI TARKÓVSKI”, “JACQUES LACAN E A PSICANÁLISE” E “A II GUERRA NO CINEMA”

00

EM BELAS EDIÇÕES ESPECIAIS COM DOCUMENTÁRIOS, TRÊS LANÇAMENTOS DA VERSÁTIL TORNAM-SE DESDE JÁ OBRAS DE REFERÊNCIA PARA ESTUDANTES, PROFESSORES E AMANTES DA SÉTIMA ARTE.

A Arte de Andrei Tarkovski 3D

A ARTE DE ANDREI TARKÓVSKI

Depois de resgatar a filmografia de John Cassavetes, Mario Bava e Robert Altman, chegou a vez da Versátil homenagear um dos maiores cineastas de todos os tempos.

O DVD duplo reúne três obras-primas em inéditas versões restauradas do russo Andrei Tarkóvski (1932-1986), um dos maiores estetas da história do cinema, e um ótimo documentário sobre “Nostalgia”.

DISCO 1:

NOSTALGIA (“Nostalghia”, 1983)
Com Oleg Yankovskiy, Erland Josephson e Domiziana Giordano.

0000

Poeta russo vai à Itália pesquisar sobre músico russo que se suicidou no exílio. Durante sua pesquisa, ele vive uma jornada espiritual. Melhor Direção, Prêmio da Crítica Internacional e do Júri Ecumênico no Festival de Cannes.

A INFÂNCIA DE IVAN (“Ivanovo detstvo”, 1962)
Com Nikolai Burlyaev, Valentin Zubkov e E. Zharikov.

Durante a Segunda Guerra, Ivan, um menino russo de 12 anos, trabalha como espião no front soviético, cruzando as linhas inimigas, para coletar informações dos nazistas. Vencedor do Leão de Ouro em Veneza, este foi o longa-metragem de estreia do diretor.

DISCO 2:

O ESPELHO (“Zerkalo”, 1975)
Com Margarita Terekhova, Oleg Yankóvski e Alla Demidova.

00001

Cena de “O Espelho”, uma das obras-primas do diretor – e presença constante em listas de melhores filmes de todos os tempos

À beira da morte, um homem relembra passagens de sua vida: a infância, a experiência da guerra… Um dos trabalhos mais radicais e herméticos de Tarkóvski, “O Espelho” é um dos filmes definitivos sobre a memória.

TEMPO DE VIAGEM (“Tempo di Viaggio”, 1983)
Com Andrei Tarkóvski e Tonino Guerra.

Documentário sobre a procura de locações para “Nostalgia”. Recém-chegado à Itália, Tarkóvski trabalha, conversa com Tonino Guerra e fala de cinema e literatura. Inclui pequenos ensaios filmados pelo diretor.

EXTRAS: Análise de “A Infância de Ivan” (31 min.), análise de “O Espelho” (11 min).

Jacques Lacan e a Psicanalise 3D

JACQUES LACAN E A PSICANÁLISE

Após lançamentos sobre Freud e Jung, a Versátil apresenta três documentários inéditos com raras entrevistas com o célebre psicanalista francês, além de discussões sobre sua vida, sua obra e suas principais teorias:

UM ENCONTRO COM LACAN (“Rendez-vous chez Lacan”, 2011, 51 min.)
De Gérard Miller. Com Jacques Lacan, Eric Laurent e Jacques-Alain Miller.

Com o auxílio de seu irmão Jacques-Alain, um dos maiores discípulos de Lacan, Gérard Miller tenta destrinchar a personalidade deste que até hoje é considerado um dos mais instigantes e controversos pensadores da história da Psicanálise.

LACAN: A PSICANÁLISE REINVENTADA (“Lacan, la psychanalyse réinventée”, 2001, 62 min.)
De Elisabeth Kapnist. Com Jean-Bertrand Portalis, Juliet Mitchell e Maria Belo.

00002

O filme lança luz às ideias de Lacan sobre o declínio do patriarcado, as contradições do amor e as ilusões da Revolução Francesa, e ainda traz entrevistas de arquivo com o psicanalista e com importantes continuadores de sua obra.

JACQUES LACAN FALA (“Lacan Parle”, 1972, 56 min.)
De Françoise Wolff. Com Jacques Lacan, Françoise Wolff.

Histórica gravação de uma palestra polêmica de Lacan na Universidade Católica de Louvain em setembro de 1972, na qual o pensador fala sobre psicanálise, morte, linguagem, amor, alienação, paranoia, entre outros temas.

A Segunda Guerra no Cinema 3D

A SEGUNDA GUERRA NO CINEMA

Nos 70 anos do fim da Segunda Guerra (1945-2015), a coleção reúne, em três DVDs, seis clássicos inéditos sobre o conflito dirigidos por mestres como John Ford, Nicholas Ray e Samuel Fuller, e estrelados por astros como John Wayne, Michael Caine e Robert Mitchum.

DISCO 1:

FOMOS OS SACRIFICADOS (“They Were Expendable”, 1945)
De John Ford. Com John Wayne, Robert Montgomery e Donna Reed.

John Wayne em mais uma parceria com o diretor John Ford, de "Rastros de Ódio" e outros clássicos do cinema

John Wayne em mais uma parceria com o diretor John Ford

Logo após o ataque a Pearl Harbor, um esquadrão da Marinha é enviado à Península de Bataan, onde tropas japonesas estão prontas para uma sangrenta batalha.

48 HORAS! (“Went the Day Well?”, 1942)
De Alberto Cavalcanti. Com Leslie Banks, Elizabeth Allan e Frank Lawton.

Um vilarejo inglês é ocupado por soldados alemães disfarçados. Primeiro filme do consagrado diretor brasileiro Alberto Cavalcanti (“Na Solidão da Noite”) na Inglaterra. Baseado num conto do escritor Graham Greene.

DISCO 2:

TAMBÉM SOMOS SERES HUMANOS (“The Story of G. I. Joe”, 1945)
De William Wellman. Com Robert Mitchum e Burgess Meredith.

Em cena, o grande Robert Mitchum

Em cena, o grande Robert Mitchum

O correspondente Ernie Pyle se junta ao exército americano durante a Segunda Guerra. Clássico do mestre William Wellman (“Consciências Mortas”) indicado a 4 Oscar.

PROIBIDO! (“Verboten!”, 1959)
De Samuel Fuller. Com James Best e Susan Cummings.

Logo após a queda do III Reich, numa Alemanha em ruínas, um soldado americano se apaixona por uma mulher alemã. Um dos filmes favoritos de François Truffaut, e um dos trabalhos mais originais do genial Samuel Fuller.

DISCO 3:

AMARGO TRIUNFO (“Bitter Victory”, 1957)
De Nicholas Ray. Com Richard Burton, Curt Jurgens e Ruth Roman.

Um oficial do exército britânico é enviado ao norte da África para lutar sob o comando de um oficial que foi amante de sua esposa no passado. Brilhante filme de guerra que fez Jean-Luc Godard afirmar que “o cinema é Nicholas Ray”.

MERCENÁRIOS SEM GLÓRIA (“Play Dirty”, 1969)
De André De Toth. Com Michael Caine, Nigel Davenport e Nigel Green.

00

Michael Caine em “Mercenários sem Glória”

Um executivo é designado para trabalhar com o exército britânico no Norte da África, onde acompanha uma perigosa missão. Eletrizante variação de “Os Doze Condenados” dirigida pelo experiente André De Toth (“Museu de Cera”). Também conhecido como “Inferno no Deserto”.